Olavo mente ao dizer que impeachment de Dilma foi uma “desculpa” para salvar a classe política

4
113

13307285_1602992406682809_6614872620327360773_n

Enquanto é desagradável tratar um ser tão asqueroso quanto Olavo de Carvalho – e infelizmente tive que voltar a fazê-lo nas páginas deste blog -, é urgente refutarmos as mentiras que ele anda dizendo no dedicado projeto de tentar sabotar o impeachment. Como a decisão definindo se Dilma sai definitivamente ou não acontece em agosto, é importante desmascararmos os ardis tanto da extrema-esquerda como da extrema-direita que, juntas, lutarão para que ela volte. Não deixaremos.

Aqui Roger Roberto, do blog Modo Espartano, refuta um dos mais repetitivos embustes de Olavo: dizer que o impeachment “foi feito para” salvar a classe política. Leia:

O impeachment de Dilma não foi meramente uma desculpa para salvar a classe política. Quem utiliza esse discurso, no momento, são somente dois grupos: a extrema-esquerda e os olavettes.

A esquerda porque obviamente quer salvar Dilma Rousseff e o próprio PT, então apela para essa narrativa de que se trata de um golpe para proteger os “verdadeiros corruptos” e usar Lula e Dilma como “bode expiatório”. Olavo, no entanto, é bem menos. Para ele trata-se de sobrevivência moral.

Após ter POR MESES trabalhado contra o impeachment, inclusive sabotando movimentos populares, o velhote se viu diante dos fatos: O processo de impeachment culminou no afastamento de Dilma, apesar de tudo o que ele fez para que isso não ocorresse. Aí ele precisou arranjar uma boa desculpa para isso.

A desculpa veio na forma de escutas telefônicas em Romero Jucá, nas quais ouviu-se claramente uma tentativa de boicotar a operação Lava-Jato. Assim que os áudios foram publicados, Olavo começou a dizer “Viram? Eu avisei. Era tudo para salvar a classe política.” Mas esse discurso é fajuto até o limite do absurdo, e explico.

Os áudios que saíram nos jornais essa semana, envolvendo Jucá, Sarney e Renan Calheiros, não provam nada sobre o impeachment e muito sobre aliados de Dilma e Lula. Em todas as conversas ficou clara a tentativa dos envolvidos em salvar a própria pele, mas também em salvar Lula. Nas gravações entre Renan e Machado, por exemplo, o senador afirma que Dilma é corrupta e que as contas iriam provar isso. Ele deixa claro que Dilma iria cair de qualquer jeito, mas sugere que isso sirva para desviar o foco e tirar o Lula da reta.

Jucá e Sarney fazem o mesmo. E isso deixa bastante claro que havia, sim, um plano de parar a Lava-Jato, plano esta com o envolvimento do próprio Lula. Inclusive todas as gravações divulgadas foram anteriores ao afastamento de Dilma, na época em que Lula seria nomeado para a Casa Civil. Ou seja, ainda é a mesma cambada canalha de antes, os mesmos nomes, as laranjas podres mais fétidas do PMDB que SEMPRE apoiaram Lula e Dilma.

Romero Jucá foi lider do governo no Congresso nos governos Lula e Dilma, além de ter ajudado a presidente nas manobras para burlar a LDO ano passado. Renan é reconhecido apoiador de Lula no Senado e isso não é de hoje. Quanto ao Sarney, nem precisamos falar nada. Lula já fez até comícios no nordeste apoiando José e Roseana Sarney. São aliados de longa data.

Qualquer um que tente usar estes áudios para declarar que o impeachment é golpe é mentiroso compulsivo ou é, no mínimo, um completo idiota. No caso de Olavo, trata-se apenas de seu já conhecido ego ferido. Ele jamais irá admitir que errou, custe o que custar.

É fato que a corrupção não será resolvida com o impeachment, e ninguém disse que seria. Também é fato que nem todos que estão ainda de pé merecem ficar. O ideal seria derrubar muito mais gente com Dilma. Só que “o ideal” não é real, e temos que lidar com fatos e atender demandas. No momento, a maior demanda está sendo atendida: o povo quer o PT fora do governo. Este é só o primeiro passo.

Também devemos deixar bem claro que, ao dizer que o impeachment “foi feito para” salvar a classe política, Olavo mente sobre as intenções de milhares de pessoas que foram as ruas. Claro que tentará o truque de dizer que “as pessoas não sabiam que estavam sendo usadas” – caso contrário ele se complicaria com vários amigos formadores de opinião, que lutaram pelo impeachment e não gostariam de ser chamadas de “manobristas do Jucá” -, mas, quanto a isso, o texto de Roger é bem claro. Todos nós estamos cientes de que há muito a se fazer contra a corrupção, mas deixar o PT no poder é permitir que a corrupção siga em uma escala inédita, pois serve para implementar uma ditadura, como na Venezuela.

Fonte: (32) Modo Espartano – O impeachment de Dilma não foi meramente uma…

Anúncios

4 COMMENTS

  1. O velho é um saco, agora TODO esquerdista tá enchendo o saco tentando usar isso como desculpa para acabar com o impeachment. Agora ele virou o guru dos comunistas, ou talvez sempre tenha sido, como você disse no texto da extrema esquerda, um agente triplo!

  2. Uma coisa que precisa ser constantemente lembrada é que os políticos foram forçados a aderir ao impeachment, que foi uma pauta das pessoas comuns. Esse velho mentiroso faz igualzinho os políticos da laia do Lula: conta com aquela história de que os brasileiros têm memória curta.

  3. Vocês confundem objetivo de longo prazo com o de curto prazo. E o Olavo também não ajuda. Ele está focado no longo, e por causa disso acabar rebaixando conquistas locais, como o caso do impedimento.

    Na boa, o Temer está aí arregando e recuando para a esquerda porque ela está fazendo mais pressão. Mirem no alvo certo, moçada!

  4. Nunca fui olavete, mas gostava de muitos dos textos dele e até o recomendava para amigos próximos, mas ultimamente venho sentindo ódio desse fdp querendo tirar do povo brasileiro o crédito pela queda da Dilma. Tem mesmo que mostrar o mau caratismo desse ser abjeto pro maior número de pessoas, e tratar os olavotrolhas como o que são: petralhas de fraldas.

Deixe uma resposta