Destruição econômica inviabiliza retorno de Dilma

1
37

__________________________________________________________11-e1433963284285

Parece que o truque de “plebiscito por novas eleições” não colou. Os petistas estão confusos: como defender a narrativa mentirosa de que “impeachment é golpe” se a própria tirana que apoiam aceitaria negociar o cargo? Enquanto isso, até mesmo o jornalista pró-PT Kennedy Alencar reconhece que a situação na qual Dilma deixou a economia do Brasil inviabiliza seu retorno, como ele escreve no Blog do Kennedy:

O fracasso de Dilma Rousseff na economia dificulta a ideia de tentar antecipar a eleição presidencial de 2018. A presidente afastada propôs uma “consulta popular” a respeito desse tema em entrevista à TV Brasil.A ideia é uma tentativa do PT de conseguir 27 votos no Senado para barrar a aprovação do impeachment. Dilma vinha sofrendo pressão de parcela do partido para fazer essa proposta desde o início do ano, quando ficou claro que o pedido de impeachment seria aprovado. Mas ela resistiu.

Resistiu, não é? Kennedy deve achar que somos tontos.

Mas sigamos:

Auxiliares avaliavam que, no cargo, uma proposta desse tipo teria mais força. Hoje, afastada, a proposta tem menos peso. E também funciona como uma confissão de que não teria como governar até o fim de 2018. Apesar de ser um gesto para tentar reverter a aprovação do impeachment, é baixa a chance de sucesso da articulação. Há obstáculos demais.

Teria de ser aprovado um plebiscito pelo Congresso. Dilma teria de marcar data de entrada e também de saída do governo, porque há o medo de que, se barrar o impeachment, ela abandone essa articulação.

Haveria impacto negativo sobre a economia. O mercado financeiro e o empresariado aprovam e apoiam a equipe econômica de Michel Temer. O presidente interino também teria de concordar em abrir mão do poder caso voltasse a ser vice.

Dilma pensa em escrever uma espécie de carta com compromissos para dizer o que faria num eventual retorno ao Palácio do Planalto, mas a credibilidade dela foi consumida pelo fracasso na economia. Só um impacto tremendo da Lava Jato sobre o governo Temer e a classe política daria alguma chance de êxito a essa ideia de antecipar a eleição presidencial.

Nada de “já ganhou”, claro, pois temos muito trabalho até agosto. Enquanto isso, Dilma merece ter sua imagem desgastada por todos os males que causou intencionalmente ao povo.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Advertisements
Anúncios

1 COMMENT

Deixe uma resposta