Padilha diz que governo não cogita ajudar Oi financeiramente

2
29

_____________________________size_810_16_9_eliseu

Conforme diz o G1, a Oi não terá moleza do governo:

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou nesta terça-feira (21) que o governo federal não cogita ajudar financeiramente a empresa de telefonia Oi, que entrou nesta segunda (20) com pedido de recuperação judicial. Após participar de uma reunião no Palácio do Planalto com entidades do setor portuário, Padilha foi questionado sobre a situação da empresa.

“Até o momento, não há nenhuma manifestação no sentido de interferir diretamente, mas, por certo, nossos agentes do sistema financeiro estarão prontos a prestar colaboração para intermediar e buscar parcerias se for o caso para a empresa. Agora, participação direta do governo, por óbvio, não há que se pensar nisso. […] Não há a hipótese de o governo entrar com recursos financeiros neste caso”, declarou o ministro.

Corretíssimo. Dinheiro do pagador de impostos não deve ser usado para dar moleza para empresas que viveram de se aproveitar do estado, especialmente no caso da Oi, em razão de seu histórico nem um pouco recomendável na era dos governos petistas.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Advertisements
Anúncios

2 COMMENTS

  1. Eu já sabia que a Oi entraria em colapso sem o dinheiro dos cofres publicos. Espero que os clientes dela se conscientizem de que estão sustentando uma empresa parasita e cancelem seus serviços.

  2. Se existisse capitalismo de verdade no Brasil, essas gigantes ja teriam sumido do mapa ou melhorado muito os seus serviços…

    PS: Como esse pessoal da direita anda errando feio em guerra politica hein? DEUS NOS LIVRE DE TANTA BURRICE!!!

    Temer resolveu tuitar e esqueceu as aspas… advinha o que o portal MSN publicou? Temer admite golpe…

    maldita verba publicitária estatal e jornalismo de quinta;

Deixe uma resposta