Fé cega na crença esvazia crítica de Ayaan Hirsi Ali ao politicamente correto

6
171

Ayaan2

Faz um bom tempo que admiro o trabalho da ex-muçulmana Ayaan Hirsi Ali, o que não significa que devamos blindá-la de críticas. Na verdade, admirar o trabalho intelectual de alguém inclui criticar possíveis pontos falhos que ali existam, da mesma forma.

Ela é uma ativista, escritora, política e feminista ateísta somali-holandesa-americana, reconhecida por vários pontos de vistas críticos da mutilação genital feminina e o islamismo. Em seu livro “Herege”, ela defende uma reforma do islamismo, tal como acontecera com o cristianismo séculos atrás.

Em uma entrevista ao Rubin Report, fez ótimas críticas ao pensamento esquerdista, que sempre anda alinhado com o jihadismo. Infelizmente, sua crítica não foi tão contundente como deveria, em virtude da mania de manifestar a fé cega na crença do oponente.

Tratei do tema inicialmente em meu livro “Liberdade ou Morte” (mais propriamente no final do terceiro capítulo).

Fé cega na crença significa acreditar, sem qualquer evidência para tal, naquilo que o oponente ideológico diz de si próprio em relação às suas crenças. Por isso, Ayaan diz que “os esquerdistas lutam por justiça, enquanto ela luta por liberdade”. Mas na verdade, são apenas os esquerdistas que dizem “lutar por justiça”, e a avaliação dos fatos mostra que eles estão mentindo enquanto proferem esta narrativa sobre como encaram suas crenças.

Imagine a situação absurda em que um sujeito é preso após vender um falso bilhete premiado da loteria. Não achamos mentalmente sadio que alguém diga, de forma boçal, que ele “lutava por dar prêmios aos que comprassem seus bilhetes e, infelizmente, não conseguiu ver as pessoas premiadas”. Ao contrário, o tratamos como um fraudador iludindo as pessoas com prêmios que ele sabia não existir.

Caso Ayaan não manifestasse fé cega na crença, deveria ter definido a esquerda politicamente correta como “promotora da injustiça”, o que é exatamente o oposto de defini-los como “pessoas que acreditam na justiça”.

É hora de colocarmos sob um abrasivo e corrosivo escrutínio cético o discurso da fé cega na crença.

Se o fizermos, criaremos uma cultura de mais pessoas com musculatura mental apta a compreender o adversário em sua real vileza, e não de uma forma adocicada, compassiva, paternal e incapaz de prever os próximos passos oponentes.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Se admirar o trabalho intelectual de alguém inclui criticar possíveis pontos falhos que ali existam aqui vai uma critica a você Luciano, um democrático no meio de uma centena de blogs ( de esquerda e de direita verdade seja dita ) autoritários, que só publicam comentários a favor.
    Achei o post bobinho. Ayaan Hirsi Ali é crítica do Islã, não uma crítica da esquerda. Assim como o Richard Dawkins é crítico do cristianismo, não da direita. E embora a hipocrisia da esquerda ache o ISIS, os Aiatoás e a Hamas legais, o Lula seria executado se tomasse a sua cachacinha no território dessa turma da pesada.

  2. Acho que vai levar algum tempo para que certas coisas descolem do imaginário popular. A crença de que a esquerda abriga tudo o que há de bom e virtuoso no mundo e a direita, o inverso, não vai desaparecer de uma hora para outra. Foi uma lavagem cerebral muito bem feita. Somente o trabalho persistente de esclarecimento, como o dessa página e de outras, despertará gradativamente as pessoas dessa hipnose.

Deixe uma resposta