Assim como o filme do Porta dos Fundos, o novo “Caça-Fantasmas” é um fracasso do fascismo cultural

9
274

size_590_16_9_20151019-26684-ksp6wv

Conforme aponta o site ILISP, a nova versão do filme “Caça Fantasmas” foi um baita de um fracasso:

Após seu trailer se tornar o nono vídeo com mais descurtir na história do Youtube, o novo Caça-Fantasmas – onde todas as “caças fantasmas” são mulheres, bem como as fantasmas, e o único homem coadjuvante é um completo idiota – estreou nos cinemas dos EUA e do Brasil com um completo fracasso.

Nos EUA, o lançamento do filme ficou atrás da animação “Pets: A Vida Secreta dos Bichos”, da Universal, arrecadando 46 milhões de dólares (contra 50,6 milhões da animação, que já arrecadou 203 milhões de dólares somente nos EUA), no que foi considerada uma abertura medíocre para uma história que já possui uma legião de fãs. A equipe responsável pelo filme culpou o fracasso da estréia nos cinemas – o momento mais importante para definir o sucesso de um filme – ao “conservadorismo” e “machismo” dos fãs do filme original.

No Brasil, o filme estreou apenas no quarto lugar de bilheteria, levando 382 mil pessoas aos cinemas, ficando atrás de “Procurando Dory” (bilheteria de 715 mil pessoas essa semana – terceira semana nos cinemas), “A Era do Gelo: O Big Bang” (bilheteria de 692 mil pessoas essa semana – segunda semana nos cinemas) e até mesmo do brasileiro “Carrossel 2: O Sumiço de Maria Joaquina”, que levou 408 mil pessoas aos cinemas em sua segunda semana no circuito.

Seja nos EUA ou no Brasil, a livre iniciativa de milhões de pessoas mostra cada vez mais rejeição a filmes que se preocupam mais com fazem politicagem esquerdista barata do que contar uma boa história.

Isso tem a ver com o que aconteceu no Brasil nas últimas semanas com “Contrato Vitalício”, filme do grupo humorístico Porta dos Fundos, ligado à extrema-esquerda e que recebeu até aprovação do MinC para captar R$ 7,5 milhões via Lei Rouanet.

Também conhecido como politicamente correto, o fascismo cultural dá o tom nesse tipo de filme. O método do fascismo cultural é bem simples: implementar em primeiro lugar técnicas para destruir vidas alheias a partir de ações fascistas e bárbaras, e, para isso, adornar tudo com um discurso cínico e desonesto baseado em falsas guerras de classes.

O feminismo atual nada mais é que um método do fascismo cultural. O filme pode parecer até “inocentinho”, mas foi criado para atender à agenda de gente com intenções totalitárias. Com isto, se criou uma versão feminista e rancorosa de um sucesso dos anos 80. Porém, o público não deu bola para a política. Como resultado, aqueles que odeiam a liberdade de expressão tiveram que se rasgar um pouquinho com os péssimos números do filme neste fim de semana.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. Se as mulheres que são maioria fossem ao cinema para ssistir a este filme ele seria um sucesso mundial, no entanto ao contrario do que prega as feminazi a maioria das mulheres ou não são feministas ou não são tão ativas assim, puh….hipoclitas.

  2. A agenda esquerdista é insuportável de chata. Não há como fazer um filme bom que necessariamente tenha que ter babaquices feminazis. É a máxima do cinema: Você pode fazer um filme ruim com um roteiro bom, mas nunca um filme bom com um roteiro ruim. Eu nunca colocaria um centavo nesse filme nem do Porta dos Fundos. Mais um filme para a série: “Fuderam a franquia”

  3. Vocês tão sendo hipócritas, o fato do homem retratado ser um idiota não é nada de mais se comparado como os filmes trata as mulheres: seres retardados e fúteis.

Deixe uma resposta