Em Fla-Flu na TV Folha, Sara Winter demonstra nítida evolução na guerra política

3
84

Me enviaram um vídeo onde a conservadora Sara Winter debate com uma feminista (a funcionária pública Sâmia Bonfim, ligada ao PSOL), para o TV Folha. Em seguida fui questionado a respeito do desempenho de Sara.

Como sempre tenho lembrado, não sou um conservador, mas respeito as pautas conservadoras e acredito que eles precisam lutar pelo que acreditam, pois também tem sido vítimas das políticas de extrema-esquerda. Assim, minha avaliação independente de meu posicionamento político, dado que quanto mais liberais, libertários e conservadores lutarem politicamente, melhor. No geral, o desempenho de Sara surpreendeu positivamente pela postura combativa e assertiva. Em vários momentos, muito provavelmente o público conservador sentiu aquele clima de clássico e vibrou com algumas intervenções de Sara como se fosse um gol. Inquestionavelmente, isso é sinal de que Sara jogou o jogo.

Os melhores momentos de Sara incluem as diversas vezes em que ela denunciou a mania de Sâmia de interromper o debate – algo ótimo para constranger um oponente, especialmente se ele for mal educado – , fez a citação das verbas milionárias recebidas por entidades feministas, e lembrou os casos de feministas que protestam defecando ou urinando.

Porém, eu ressaltaria alguns detalhes a serem observados em uma próxima oportunidade, como, por exemplo, o maior número de ataques ao caráter praticado pela ativista de extrema-esquerda. Em vários momentos, Sara atacou “o feminismo”, uma entidade despersonalizada. O ataque foi bem feito. Mas Sâmia retrucava em vários momentos questionando o caráter de Sara, rotulando-a de “insensível” e “cruel” mais de uma vez.

Assim, o ideal seria que Sara atacasse Sâmia em seu caráter mais vezes, rotulando-a de cruel, desumana e coisas do tipo. Claro que o feminismo deve ser um foco central dos ataques, mas pessoas aliadas ao feminismo devem ser atacadas em conjunto. Ela até fez isso, especialmente quando o debate chegava próximo ao seu fim.

Por fim, outro ponto de atenção fica quando Sara citou os casos de falsas acusações de violência sexual e, corretamente, apontou que isso estaria banalizando a causa do estupro. Sâmia fez um contra-ataque potente ao dizer que “ela ficou contra as vítimas de estupro”. Sâmia estava apelando ao espantalho, mas isso ficou sem resposta.

Enfim, em linhas gerais, Sara merece aplausos por sua evolução no campo da guerra política.

Sara está no caminho, mas ainda existem algumas arestas a serem aparadas. Por enquanto, o resultado fica acima da média. E isto é ótimo.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Há!! Há!!! Há!!! A mulher se enrolou toda qdo foi provado o financiamento e nomes de passado petista como Marta Suplicy, a relação patológica com a mentira e a cara de pau da intolerância ficaram latentes. E ainda quer usar feministas para conseguir espaço na política e critica um pastor acusando-o de fazer a mesma coisa!

Deixe uma resposta