Defensor do ESP desmascara Paulo Freire. Mas ainda é muito pouco na luta contra os doutrinadores.

2
208

A atuação de Thiago Cortes em um debate na TV Folha (o Fla X Flu) – sobre o Escola sem Partido – foi, digamos, merecedora de uma nota vermelha em termos de guerra política, mas ainda assim demonstra uma evolução em relação ao “não jogo” praticado por Miguel Nagib em um debate do dia anterior na mesma Folha. No debate de Nagib, este entrou só para ser rotulado o tempo todo, sem rebater. Cortes foi bem melhor, embora ainda “light” demais. Rebateu alguns frames, mas ainda assim não assumiu a ofensiva.

Entre os melhores momentos de Cortes estava o questionamento assertivo ao picareta Paulo Freire, educador marxista que deu todos os padrões para a doutrinação escolar atual no Brasil. Em texto publicado no Mídia sem Máscara, Cortes diz:

Nesta sexta-feira, 05, participei do programa de debates “FlaXFlu” da TV Folha. Lá estive para defender o projeto de lei Escola Sem Partido. Marco Antônio Carvalho Teixeira, professor de administração pública da FGV-SP, falou contra a proposta.

O debate ocorria de forma absolutamente civilizada até que, nos minutos finais, cometi uma heresia: chamei Paulo Freire, o patrono da educação brasileira, de charlatão.

O professor Marco Antônio Teixeira imediatamente reagiu, extremamente ofendido, como se eu tivesse lhe faltado pessoalmente com o respeito. Longe disso!

Ora, os adversários do Escola Sem Partido nos acusam justamente de tentar cercear ou mesmo impedir o “pensamento crítico” (ignorando o fato de que o projeto de Lei fala abertamente em princípios como pluralismo de ideias e liberdade de crença).

É interessante notar que para eles existem certas figuras que não apenas estão acima de qualquer crítica, mas de qualquer possibilidade de crítica.

A reação exagerada do professor Marco Antônio Teixeira às minhas críticas comprova que Paulo Freire é uma espécie de divindade intocável para professores e especialistas da área.

Já estou na casa dos 30 anos, mas fui repreendido pelo professor como se fosse um aluno colegial durante minha fala. Tudo porque expressei minha opinião sincera sobre Freire.

Imagine, caro leitor, como deve ser tratado o estudante que ousar discordar de um professor freireano entre as quatro paredes de uma sala de aula….

O meu oponente me acusou de abusar dos adjetivos para desqualificar o patrono da educação, desconsiderando a diretriz civilizada de criticar apenas ideias e obras.

Porém, o vídeo do debate não deixa mentir que minha fala se deu no contexto da discussão sobre a precária formação dos nossos professores. O vídeo também mostra que justifiquei e citei fontes ao classificar Paulo Freire como um impostor intelectual.

Lembrei que a “Pedagogia do Oprimido” – a magnum opus ­de Freire – é inspirada em escritos e na prática revolucionária de ditadores e genocidas como Fidel Castro e Mao Tse Tung.

Paulo Freire foi buscar no ditador chinês – só Deus sabe como – subsídios para conceber seu método pedagógico cujo objetivo não é o de ajudar o jovem estudante a pensar livremente, mas prepará-lo para assumir o papel de militante revolucionário!

Basta ler “Pedagogia do Oprimido” para conferir o próprio Paulo Freire dizendo exatamente isso: que seu método foi concebido por revolucionários e para formar revolucionários.

(Se você preferir, leia a aqui excelente análise de Marcelo Centenaro)

Ou seja, nossos professores saem dos cursos de formação carregando na cabeça o método freireano de multiplicar revolucionários. Onde fica o espaço para o estudante criticar a tradição ideológica da qual fazia parte Paulo Freire? Não existe.

Outro ponto que levantei foi a prosa deliberadamente obscura de Paulo Freire, uma tática muito usada no mundo das ciências humanas e denunciada por dois intelectuais de esquerda, Alan Sokal e Jean Bricmont, no livro “Imposturas Intelectuais”.

O livro apresenta como impostores intelectuais aqueles “gênios” das ciências humanas que abusam de um linguajar complexo para esconder o simplismo de suas ideias, passando a impressão de que são mais complexos e profundos do que realmente são.

Não tenho dúvidas de que Paulo Freire está acolhido nesta tradição ao lado de figuras como Foucault, Lacan, Derrida e outros pós-modernos cuja escrita empolada só serve para impressionar os impressionáveis e esconder ideias mofadas de séculos passados.

Reitero minha opinião: Paulo Freire é um charlatão medíocre, um impostor ridículo, um guia espiritual dos doutrinadores, e a educação brasileira foi condenada no exato momento em que este protótipo de intelectual foi ungido como seu patrono.

O episódio só serve para reforçar minha crença de que aquilo que o professor Marco Antônio Teixeira e outros chamam de “pensamento crítico” não passa de pensamento único.

Cortes está corretíssimo, embora tenha faltado maior assertividade no desmascaramento de Marco Antônio no debate. Ele poderia ser desmascarado como doutrinador e fascista naquele exato momento por não admitir que Freire fosse criticado.

Algo que ainda falta aos defensores do Escola sem Partido é notar que não existe “o debate” para a extrema-esquerda. Tudo que eles fazem se baseiam na repetição do frame “o Escola sem Partido é autoritário”, no mesmo molde em que os petistas criaram o “impeachment é golpe”. A base do sucesso da extrema-esquerda estará na repetição, com foco na retenção. Todos os blocos de discurso que eles inserirem não serão para embutir algum conteúdo, mas para servirem de pretexto para a repetição do frame “o Escola sem Partido é autoritário”.

Os defensores do Escola sem Partido parecem estar se recusando a criar um frame padrão – como, por exemplo, “doutrinadores praticam abuso contra estudantes” ou “doutrinadores são autoritários”, ou até ambos combinados com algo no gênero -, e se limitam a “responder aos ataques”, isto é, ficando na defensiva. Seria preciso que eles perdessem de vez a esperança “no debate” tradicional e entendessem que os defensores da doutrinação estão focados em vencer unicamente a guerra psicológica.

É preciso que os defensores do ESP reconheçam o óbvio e parem de ir para esses eventos com a seguinte ideia na cabeça: “estou indo para expor minhas ideias e rebater argumentos contrários”. Em vez disso, deve-se ter em mente que o que vai acontecer é uma batalha de frames, na qual aquele que “fotografar” o adversário de modo mais negativo (com principal foco na plateia neutra) vai vencer a contenda.

Toda a interação com os doutrinadores tem sido  um jogo. Arrogantemente, muitos dos defensores do Escola sem Partido se recusam a reconhecer até mesmo a ocorrência deste jogo. Isto tende a causar a derrota do projeto. Quando surgirmos com um projeto substitutivo no futuro – talvez algo contra a censura aos alunos e o abuso escolar -,  vamos ter que refletir sobre a lição que está sendo dada pelo “não jogo” dos defensores do atual Escola sem Partido.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

2 COMMENTS

  1. É mais ou menos como na Comissão do Impeachment no Senado: “Como pode uma “presidenta” eleita com mais
    de 54 milhões de votos ser condenada sem provas…”

  2. Faltou lembrar alguns detalhes importantes para desconstrução: Freire além de Marxista confesso, era membro de carteirinha do PT, e foi “secretário de educação” da Erundina em São Paulo e, esse ser matusalênico inclusive foi quem o transformou em “patrono da educação”.

Deixe uma resposta