Reinaldo diz: “Deposição de Dilma marcará o fim da última tentação autoritária”. Acho que não…

2
100

Em texto à Folha, de dias atrás, Reinaldo Azevedo escreveu:

A deposição de Dilma Rousseff marcará o fim da última tentação autoritária com lastro social no Brasil. Malucos a sonhar com tiranos virtuosos sempre haverá. Sim, também o petismo deixará corações contritos e mentes saudosas […]

A “luta de classes” caracterizada por ele jamais estaria nas esquinas –onde se encontra, no máximo, um arranca-rabo… Segundo o pai do conceito, os golpes da burguesia buscam é mitigar a dita-cuja, nunca explicitá-la, suposta consequência do “golpe” de agora. A esquerda brasileira sempre foi muito pouco… marxista! Ou teria mais admiração pelo capitalismo, a exemplo de Marx, para quem a luta de classes nunca foi uma questão moral, mas apenas o dado de uma equação econômica, social.

Há muito otimismo no primeiro parágrafo, e um equívoco grave no segundo.

Na verdade, a saída de Dilma Rousseff não marcara o fim da última tentação autoritária, mas o começo de novas iniciativas bolivarianas – nas quais os petistas se infiltrarão, em outros partidos, como Rede e PSOL – ainda mais arrojadas. Se não ficarmos precavidos, teremos um governo de extrema-esquerda em 2018. Há algo a ser feito, mas é preciso criar realmente uma cultura de luta pela liberdade e, principalmente, amparada pelos princípios da guerra política. Ponto.

E a extrema-esquerda brasileira – representada por PT, PCdoB e PSOL – não é que tenha sido “pouco marxista”. O problema, ao contrário do que Reinaldo diz em seu segundo parágrafo, é que eles são marxistas demais, e, por isso, entendem que “vale tudo” na luta pelo poder totalitário. É contra o esquerdismo legítimo (e o marxismo mais puro) que teremos nossas principais batalhas.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

 

Anúncios

2 COMMENTS

  1. De fato estranho esse texto de RA. Os comunas trabalham em suas agendas estando ou não no poder. No poder eles têm acesso a verba estatal para acelerar tudo. Mesmo que a Lava – Jato siga de vento em popa e mesmo que o PT tenha o registro cassado; há especialistas que afirmam que os Petralhas têm dinheiro para campanhas até 2034 tudo enfiado em seus braços políticos. O saqueamento estatal foi monstruoso em todos os sentidos.

    O impeachment é um primeiro passo de uma longa jornada. A esquerda trabalhou décadas para fuder esse país. Não vamos consertar da noite para o dia.

  2. Eu também estranhei esse texto do Reinaldo, que costuma ser bastante perspicaz. A única concessão que eu faria é no sentido de que a esquerda saiu um pouco chamuscada e enfraquecida dos eventos políticos recentes. Acho que Reinaldo está confundindo as coisas. Uma questão é a incapacidade, momentânea, da esquerda de implantar o seu projeto totalitário, por estar enfraquecida e fora do poder; outra questão é a disposição dela em tentar fazer isso novamente no futuro, quando as circunstâncias políticas lhes forem mais favoráveis.

Deixe uma resposta