Como acabar com o bullying nojento praticado contra os atletas que prestam continência?

10
210

O discurso autoritário e fascista praticado contra os atletas que prestam continência nas Olimpíadas já deu o que tinha que dar. Creio que chegou o momento de aumentarmos o tom desta discussão, indo além do tradicional desabafo dizendo “olha, que coisa chata a mídia está fazendo”. Nota-se que os ataques aos atletas militares se tornaram uma constante, pois a escória de extrema-esquerda na mídia percebeu que está tudo saindo barato para eles. Eles podem praticar ataques covardes contra os atletas e nada acontece. Assim é moleza.

Como se lê na Folha, há um verdadeiro ranger de dentes contra a medalha conquistada por Arthur Nory nos Jogos Olímpicos do Rio. Ele é terceiro-sargento da Aeronáutica, dentro do programa que as Forças Armadas têm para atletas de alto nível. Disse Nory: “Agora é comemorar com as pessoas que sempre estiveram perto, que de fato acreditaram em mim.”

Agora observem a canalhice escrita pela Folha: “Na hora do hino da Grã-Bretanha, para o campeão Max Whitlock, quando duas bandeiras brasileiras foram erguidas, ele fez continência. A prática levantou polêmica no Pan de Toronto, em 2015, quando a maioria dos militares medalhistas fizeram o gesto. Alguns disseram ter sido orientados pelas Forças Armadas. Nos Jogos Olímpicos, a orientação não ocorreu, e nem todos os medalhistas até agora repetiram o gesto. O atirador Felipe Wu, medalha de prata, e o judoca Rafael Silva, bronze, prestaram continência no pódio. As judocas Rafaela Silva, campeã olímpica, e Mayra Aguiar, bronze, não fizeram o gesto. No Pan de Toronto, todos realizaram o cumprimento militar.”

Dizer que algo perfeitamente natural, elogiável e legítimo é “polêmico” não passa de uma tática torpe de quem não tem o menor traço de honestidade intelectual. Ora, se o ato de prestar continência é tão “polêmico”, então porque os críticos não processam os atletas? Porque sabem que não possuem nada em mãos. Então, devem ser humilhados em público a todo momento que apelarem à narrativa de que “prestar continência é algo polêmico”.

Para resolver o problema, a medida não seria muito difícil. Bastaria combinar o jogo com atletas militares para que executassem ações de ridicularização e constrangimento da mídia a partir já da próxima entrevista. Mas quando falo de ridicularização e constrangimento, falo de adotar até o shaming em alto e bom tom, nessa linha: “Dedico essa medalha à minha equipe, aos meus pais. E quanto à uma mídia porca, nojenta e imunda que veio querendo nos atacar por prestarmos continência, quero dizer que vocês são escória da humanidade. Me processem por ter prestado continência. Não possuem coragem para fazer isso? Então vai descer goela abaixo de vocês. E vai descer rasgando! Vou continuar prestando continência sim, e quem quiser babar de ódio vai ser exposto como lixo que é”.

Pronto! Uma entrevista deste nível pra cima já muda o tom da conversa. Agora se for para fizer só no nhém nhém nhém, postando desabafos, é óbvio que a mídia desonesta sentirá que não precisa respeitar os atletas militares indo ao pódio. Depois de começarem a agir assim, é só começar a desafiar: “Vem encher o saco por estarmos prestando continência de novo, vem! Cadê a coragem?”.

Na guerra política, aqueles que são respeitados é porque exigiram respeito.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

 

Anúncios

10 COMMENTS

  1. A origem da “continência” remonta à sociedade medieval, em especial, a época da armaduras. Os cavaleiros usavam o Elmo”capacete” e possuem uma viseira, e quando um cavaleiro passava pelo outro cavaleiro, como não podiam enxergar o rosto da pessoa, ambos levantavam a viseira do elmo, assim poderiam se reconhecer efetivamente e se cumprimentar. Nos dias atuais é o mais importante cumprimento/saudações entre militares. E quando efetivamente se deve prestar a continência? De regra geral só se faz esse movimento quando o militar estiver de cobertura na cabeça (Boné, capacete, chapéu, boina etc), e quando não estiver usando estariam dispensado de prestar a continência? Veja o Decreto 13.753/1919, hoje é regulado pelo Decreto presidencial n. 6.806/2009, assinado pelo LULA, e no Art.3. desse decreto determina que ” Terão continências quando a) a Bandeira Nacional: 1. ao ser hasteada ou arriada diariamente em cerimônia militar ou cívica; b) o Hino Nacional, quando executado em solenidade militar ou cívica; RESUMINDO: É OBRIGAÇÃO dos militares prestarem continência à Bandeira e ao Hino, SIMPLES ASSIM. PAREM DE MIMIMIMI kkkkkkk vão estudar.

  2. Altamente duvidoso que algum atleta vá responder nos termos que você sugere. No entanto, há uma resposta adequada e que pode lançar shaming sobre os esquerdóides: ressaltar que a continência é um ato de saudar respeitosamente a Bandeira Nacional, que representa a Pátria.

  3. Mas quem é o trouxa que está incomodado com isso ? Se os caras querem fazer continência, que é um ato de respeito, deixem fazer. Quem não gostar que vá a merda. Que vá catar coquinho em um monte de estrume.

  4. O problema é a questão do frame.

    Eles podem simplesmente dizer, que aqueles que apoiam o sinal da continência, são os mesmos que apoiam a Intervenção Militar.

    Depois de aplicar o frame, basta fazer ataques ao boneco de palha.

  5. Alguém viu em algum lugar qualquer reportagem sobre os gestos “polêmicos” (prestar continência) feitos pelos atletas norte coreano (ginástica) e cubano (luta olímpica)? Estou procurando até agora e nada…

  6. fomos criados sob o pe do preconceito. seculos subjugados e o sim senhor! nao senhor! usado em larga escala pelas policias nao são mais do que resquicios da escravidao. eu penso. .

  7. Segundo eu sei! nenhum pessoa que não esta coberto (chapéu, quepe,… ) não deve dar continência. Não sou esquerda mas respeito as normas militares. Mas como sou “antigo” pode ser que depois destes governos degradantes do PT a norma tenha sido revogada para vulgarizar as nossas forças armadas

Deixe uma resposta