Lelis desmascarada. Terá sido a "vitória" de Feliciano? Ainda não…

3
77

Um leitor escreveu:

Mas, e aí? O Feliciano saiu por baixo? Perdeu a “guerra política”? Na minha imensa ignorância tô achando que ele saiu ganhando.

Esse tipo de impressão é resultado da tradicional confusão de não identificar o adversário no jogo político. Quem realmente quiser acreditar que o adversário de Feliciano é a Patricia Lélis pode até repetir o engano de achar que “Feliciano ganhou o jogo”. Mas preciso retomar o assunto pela terceira vez (que eu me lembre): Lélis é só “a bola” no jogo. Não é ela que conta, mas sim aqueles que a instrumentalizaram.

Podemos até dizer que no mundo jurídico, a luta mais perceptível é Feliciano X Lélis. Ele saiu ganhando nessa. No mundo político, a luta é Feliciano X extrema-esquerda (que só usa Lélis como “bola” no jogo). Nesse jogo, ele sai perdendo. Minha avaliação foi unicamente política. Eu avisei desde o começo que não estava avaliando a guerra jurídica entre Feliciano e Lélis. Na realidade, eu foco na avaliação da guerra jurídica quanto ela é instanciada diretamente para a guerra política.

Como exemplo, considere a representação dos parlamentares da extrema-esquerda contra ele. Teve uma representação do deputado contra esses parlamentares socialistas? Não, não teve. Então ele está perdendo. É um fato do mundo: até agora todos aqueles que usaram as denúncias contra Feliciano (incluindo o UOL e os parlamentares da extrema-esquerda) saíram ilesos. Lola Aronovich escreveu vários textos para capitalizar contra o deputado. O que ela sofreu em retorno? Nada. Vários blogs petistas capitalizaram e morreram de rir com o evento. Sofreram o que em retorno? Neca de pitibiriba. Nada aconteceu com eles. Não há outra conclusão que não essa: Feliciano está perdendo.

Ficar se conformando com “Lélis está presa, justiça foi feita” é o mesmo que esperar o jogo acabar (depois de você ter tomado uma goleada) e dar vários socos ou chutes na bola, quando teu objetivo deveria ser vencer o próximo jogo contra o adversário que fez vários gols contra você. É como ver seu exército ser quase dizimado, não reagir, pegar várias balas disparadas ao adversário (coletadas no chão), usar um martelo e bater nas balas: “toma isso, bala feia, bala malvada”. Não, seu objetivo deveria ser causar o mesmo dano ao exército adversário (utilizando-se, aí sim, do mesmo tipo de arsenal) no próximo combate. Se não quer utilizar uma denúncia falsa de estupro (o que não recomendo), no mínimo deve ser utilizado um ataque com mesmo grau de dano.

É preciso aprender o básico: num jogo de futebol, nosso adversário não é a bola, mas o time adversário que a chuta. Num campo de batalha, nosso adversário não é a bala do inimigo, mas os soldados que estão atirando. Na guerra política, Lélis não é adversária, mas aqueles que se valeram dos discursos da garota para atingir o deputado.

É tão difícil entender uma lógica tão simples?

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Ele deve processar principalmente a imprensa que deu crédito à farsante e assacou contra sua honra. Políticos de direita devem perder o medo da imprensa esquerdista e tomá-la como a inimiga que é. A esquerda vive a atacar a imprensa esquerdista acusando-a de direitismo para pressioná-la ainda mais à esquerda; já a direita, vive a tomar porrada da imprensa canhota sem reação, por medo de perder nela o espaço que já não tem.

  2. Tambem acho que seria uma boa ele processar a midia que tentou manchar sua reputacao baseado numa pessoa com tao negros antecedentes sem no minimo porcurar saber a verdade, e por ainda tentar colocar mais fogo mostrando videos mesmo depois de descoberta a farsa que era apenas para conseguir dinheiro por parte da meliante Patricia Lelis.

Deixe uma resposta