Começa o conflito final… antes da nova era de decisivas lutas políticas

11
103

O que começou a acontecer hoje no Senado é o embate final do primeiro grande conflito contra o mal absoluto na política: um projeto totalitário e sádico de poder, cuja intenção principal é nos levar à um processo de escravidão, tão bem (e cruelmente) estabelecido por Nicolas Maduro na Venezuela.

Se ao final do processo de impeachment, Dilma for definitivamente afastada (como se prevê), não falaremos do encerramento apenas de um mandato presidencial, mas do término de um ciclo de horror que estava planejado para ser lançado contra nós.

A psicologia dos psicopatas mostra que o momento no qual eles mais se enfurecem é quando suas vítimas ficam livre do sofrimento que são impostos a elas. A impossibilidade de Dilma nos levar ao mesmo racionamento de alimentos e aprisionamento de políticos na Venezuela será um momento que irá descer rasgando para ela. Ouviremos o som de ranger de dentes quando isto acontecer.

Sabemos também que Dilma e seus asseclas possuem um diferencial que nenhum outro partido possui na mesma escala: uma elite de psicopatas, capazes de transformar todos seus discursos políticos em encenações teatrais. Nota-se que muitos senadores que se opõem ao totalitarismo petista muitas vezes quedam diante de níveis épicos de violência psicológica e de tal volume de ardis que estes chegam a estacionar na classificação demoníaca. E isso independe de você acreditar ou não em demônios (eu não creio, pois sou um incréu).

O ser humano possui capacidade de dissimular feito os demônios de filmes como “O Exorcista” e “A Profecia”. Não há nada de sobrenatural nisso. Acredito que devemos, pela ótica da guerra política, criar cada vez mais pessoas com estrutura intelectual para duelar contra psicopatas na política. Não devemos mais ficarmos surpresos com a dissimulação, mas preparados para combatê-la. Entretanto, temos que olhar para o que temos: quase ninguém hoje em dia tem estrutura psicológica para sair ileso das dissimulações de monstros morais como os políticos petistas e seus demais aliados da extrema-esquerda.

Dilma vai apelar às táticas de trucagem psicológica no mesmo nível que personagens como Regan (do filme “O Exorcista”) e Damien (da série “A Profecia”, que se conclui com o episódio “O Conflito Final”, de 1981). Desta feita, não haverá espaço para qualquer relaxamento mental em toda a interação com um monstro moral da perversidade política. Qualquer pessoa que não estiver ciente de que Dilma se valerá de artimanhas diversas e ardis psicológicos dos mais variados tipos está mentindo para si própria a respeito dos riscos.

Na atual batalha final do impeachment, o jogo psicológico não será fácil para muitos senadores republicanos. Alguns podem até fraquejar. Por isso, uma pressãozinha no Facebook sempre faz bem. Surpreendeu positivamente a força moral de Janaína Paschoal, que claramente não estava preparada para tamanha violência psicológica e, após o processo do impeachment, terá se tornado uma pessoa mais amadurecida, com uma nova estrutura mental pronta para os combates contra os piores abismos da depravação humana. Ao final do conflito, ela precisará relaxar por uma ou duas semanas, mas em seguida deverá voltar com uma “nova mente”, pronta para a nova era na qual imperam as guerras de narrativas.

Hoje em dia ainda não estamos prontos. Muitos de nós “travam” diante de tantos jogos de gente como Dilma e seus asseclas. Mas estamos quase lá. É preciso exigir força e honra dos senadores, que serão vítimas dos mais diversos embustes nos próximos dias. Mas é vital saber que não passam de embustes vindos do que há de mais podre na alma humana. São embustes daquela que adoraria nos ver vivendo como venezuelanos. Mentes com ideais tão imundos e crueis só podem adquirir resultado a partir da mentira mais sórdida.

Precisamos passar por essa fase. Em seguida, teremos que refletir um pouco para que no futuro estejamos mais preparados para lutar contra os psicopatas na política. O PT hoje se tornou uma elite destes psicopatas. Muitos se deram mal nessa luta, enquanto outros tantos restam de pé. Mas não é preciso que o trajeto seja tão doloroso nos próximos conflitos. Precisamos, ao término do processo de impeachment (e caso Dilma seja definitivamente afastada), treinar mentes prontas para a guerra política contra psicopatas. Somente assim não passaremos por tal risco de novo.

Que este seja apenas o conflito final antes de uma nova era de lutas pela liberdade.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Ótimo artigo, um dos seus melhores dos últimos tempos. Mais propositivo e mais otimisma e, por isso mesmo, muito útil para as próximas batalhas. Vamos em frente.

  2. Meu Deus do céu, você ainda tem dúvida de que a mamulenga pode se livrar do impeachment? Pelo amor de Deus!!! Isso já está decidido!!! A partir de agora, o que temos para nos preocupar, eu concordo, é com a guerra de narrativas. É preciso deixar bem claro para a população do mal que nos livramos!!! Com o fim do governo da extrema-esquerda, impedimos o povo brasileiro de ser escravizados pelos psicopatas do PT. ESSA É A REALIDADE.

  3. Essa é também a leitura que eu faço. Um modelo de combatente que a gente encontra na ficção é o Batman, que está disposto a jogar pesado contra os seus inimigos psicopatas. É diferente do Superman, modelo de bom moço, que só joga limpo.

  4. Parabéns pelo texto. Um alerta para não colocarmos, nunca mais, a nossa Liberdade em risco. Tivemos sorte, essa que é a verdade. Uma conjunção de fatores positivos veio em nosso auxílio, mas poderia não ter sido assim. Que sirva de lição.

  5. Excelente texto. Só espero que seus temores quanto ao impeachment (dos quais também compartilho em algum grau, principalmente quando o Lewandowski atua contra) não se concretizem.

    Acho que o mais difícil de se controlar num debate com um esquerdista psicopata é a emoção. Dois exemplos recentes me deixaram isso evidente, primeiro, num debate sobre o Escola Sem Partido, e ontem, na primeira sessão da etapa final do impeachment. Em ambos os casos, vi políticos experientes perdendo o controle e dando ao adversário sociopata o prazer de ter conseguido atingi-los e, em pelo menos um caso, magoá-los.

  6. Quanto ao comportamento de psicopatas, tive a infeliz experiência de conviver com um em ambiente de trabalho, e posso garantir que são como areia movediça: não coloque o pé, porque é isso o que esperam . Normalmente é pela emoção que esses doentes laçam as suas vítimas, por isso é fundamental o autocontrole e a objetividade. Uma coisa é certa, esses doentes não vão parar, mesmo que o impeachment saia.

    • Psicopatas não são considerados doentes mentais, ele não é um psicótico/doido. Eles são bem conscientes do que fazem. O sufixo pata deveria ser tirado dessa palavra, ele realmente confunde. Existem diversos tipos desses antissociais.

      Leia textos e assistam vídeos da psiquiatra, Ana Beatriz Barbosa Silva. Pela net você encontra outras discussões sobre as pessoas nomeadas de psicopatas e sociopatas.

  7. Enquanto isso…

    Marcelo Freixo, candidato do PSOL à prefeitura do Rio de Janeiro e camarada de Luciana Genro, disse que a culpa da violência no RS é da truculência da BM!!! O que será que a candidata Luciana Genro pensa a respeito disso?!

    https://ataqueaberto.blogspot.com.br/2016/08/lider-comunista-carioca-e-colega-de.html

    E um “professor” universitário do PE, Antônio Donato, disse que o recente assassinato de uma mulher, que foi buscar a filha, em frente a um colégio em Porto Alegre foi uma desapropriação revolucionária, pois o bandido tinha o direito proletário de tomar os bens das burguesia!!!

    https://ataqueaberto.blogspot.com.br/2016/08/por-que-nao-estou-mais-no-facebook.html

Deixe uma resposta