O "alarme" de Janaína é um erro político absurdo. Ela ainda tem tempo de refletir sobre isso…

22
178

Leio as seguintes declarações de Janaína Paschoal nas redes socais:

Constitui uma temeridade partidos e movimentos pró-impeachment impugnarem decisão, que foi a maior conquista dos últimos tempos. […] Por causa de um COM, vocês darão margem para o STF rever uma decisão histórica. A maior conquista dos últimos tempos.

Eu peço, pelo Amor de Deus, que os Partidos que ainda não impugnaram, não interponham nenhum tipo de medida. Eu peço, pelo amor de Deus, que quem já impugnou o julgamento do Senado, desista das medidas interpostas.

Tsc, tsc…

Este blog já elogiou várias vezes Janaína Paschoal. Dias atrás, eu comentei que, em termos de guerra política, ela evoluiu consideravelmente nos discursos, tornando-se, enfim, uma adversária a ser respeitada pelo PT. Vale lembrar que muitos tucanos, por exemplo, não conseguem discursar feito adultos diante dos shows de rotulagens petistas. Janaína cresceu muito neste sentido.

Porém, a guerra política vai além dos discursos de superfície, embora estes sejam fundamentais e decisivos. Política é também “guerra de posição”, e por isso todas as nossas decisões em relação a como nos posicionamos nas questões políticas contam.

Neste caso em específico, é óbvio que os partidos que se posicionaram contra o fatiamento fizeram diversas análises antes de entrar com os recursos. Se Janaína quisesse fazer objeções, no entanto, poderia procurá-los em privado. Mas, ao contrário, ela se expressou nas redes, e, sem querer, deu uma narrativa aos petistas.

Os petistas já estão multiplicando a narrativa em seus blogs dizendo: “olha aí, não entrem com a ação no STF não, pois o impeachment poderá ser revertido”. Besteira. Vários fatores já apontam para a irreversibilidade:

  • Dilma queimou todas as pontes de diálogo no discurso de saída
  • Não há precedente para tal reversão no mundo
  • A crise explodiria a patamares inimagináveis em caso de uma reversão ilegal
  • E vários outros

Quer dizer, quem teria mais motivos para ficar com medo são os petistas. Deveríamos até entrar na fase do desafio: “Reverte, vai! Cadê a coragem de reverter o impeachment ilegalmente?”. Mas jamais ficar com medo desse reversão e muito menos, em público, sair propagando o medo nas redes sociais.

Dica de guerra (mais até do que na guerra política): se você quiser invadir uma cidadela, é uma boa tacada propagar uma mensagem de “medo” que estimule o recuo dentro das hostes adversárias. O recurso vai funcionar melhor se pessoas de dentro da cidadela propagarem esse medo.

Janaína é uma pessoa digna, honesta e decente. Lutou bravamente e se tornou um símbolo do impeachment. Mas parece que precisa ainda ler muito Sun Tzu, Carl Von Clausewitz, Saul Alinsky e Robert Greene. Não apenas ler, mas desconstruir e reconstruir esses autores, ajuda a ter uma mente mais preparada para um dos fatores fundamentais da guerra política: é uma guerra, como as guerras tradicionais.

Os mecanismos de logro, ameaça, uso do medo adversário e correlatos são exatamente os mesmos que vemos nas guerras tradicionais. Há tempo para que Janaína reflita e decida discutir seus medos em privados. Ela deve se conscientizar de que não vale a pena dar munição para petistas neste momento, principalmente depois de tantos danos que ela causou aos totalitários do PT.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

22 COMMENTS

  1. “Se Janaína quisesse fazer objeções, no entanto, poderia procurá-los em privado.”

    Foi exatamente o que pensei quando vi a “cagada”! Aliás, a “caganeira” começou com suas palavras e aquele choro na sessão de julgamento. Se aquilo foi sincero e de boa-fé, foi de um sentimentalismo bocó, patético; se foi apenas retórica e encenação, consistiu num baita erro político, logo capitalizado por Cardoso e, por último, pela própria Dilma, na entrevista que concedeu à imprensa internacional (dizendo que não a respeitava).

    E agora isso!

    Ela merece elogios por tudo que fez, ainda tem muitos créditos, mas parece estar “amarelando”.

  2. “A Janaína Paschoal não foi feita de trouxa. Ela É trouxa.

    A esquerda subiu aos poucos, começando de baixo, com um longo trabalho de formiguinha nas escolas, nas igrejas, etc., até chegar a governar o país por doze anos. A direita quer fazer a revolução cultural às avessas: começando por cima, tirando as estrelas do cartaz e deixando a base social intacta. Mas, como acabo de dizer nesta mesma página, o tempo mostrará que é muito mais fácil tirar um presidente da República do seu cargo do que um único professor esquerdista da sua cátedra”.

    Olavo de Carvalho está, como sempre, coberto de razão.

    • Na verdade, assim como Janaína cometeu um equívoco, Olavo cometeu EQUÍVOCO similar. A narrativa do Olavo depende de atribuir ao adversário um poder maior do que ele realmente tem. Nisto, Janaína e Olavo pisaram na bola igualzinho. A criação do mito de que “Olavo sempre tem razão” impede que muitos de seus seguidores identifiquem o erro. Por isso aprendemos a usar o judô e ajudá-los a ir em frente nos erros.

      O fato é que Olavo não é infalível.

  3. Você tem toda razão, Luciano. Quem mais tem a temer são os petistas. Reverter o impeachment seria algo inviável, sob todos os pontos de vista. Repassemos isso para os políticos e todas as pessoas que podem influir.

  4. Outra coisa, Luciano.

    No intuito de conseguir a anulação da sessão de julgamento do impeachment como um todo, Cardoso e os petistas estão disseminando a tese de que os senadores que se opuseram à inabilitação de Dilma na segunda votação tendo votado contra ela na primeira, teriam votado a seu favor nesta (na primeira votação) se soubessem que não haveria aquela (a segunda votação).

    Trata-se de uma falácia, pois o que se decidiu na primeira votação foi se Dilma era culpada ou inocente dos crimes de responsabilidade que lhe foram imputados, não se perderia ou não o cargo.

    É preciso chamar a atenção da imprensa livre para isso.

  5. Concordo com tudo que foi dito acima, mas ha um medo generalizado de que isso venha a ocorrer. O que os traidores fizeram nesse julgamento,com o fatiamento, mostra claramente que eles não tem medo de nada,inclusive de passarem vergonha. Eles estão totalmente entrosados num esquema para sabotar e anular esse julgamento e para o que fizerem seremos obrigados a novamente recorrer sem saber no que vai dar. Será que o apoio a ela seria o suficiente para elegê-la numa eleição direta? Acho que não, pelo historico da vida dela e pelo desgaste imenso que ela e o PT sofreram.Então, acredito que seria bom deixarmos de lado outros recursos e deixa-la gozar de sua habilitação. Servira para que? Os recursos ja impetrados que tenham continuidade mas seria aconselhavel não entrar com outros.

    • O que está sendo disputado não é apenas o poder político e sim o poder de fato, aquele que pertence ao povo. Este é o cabo de guerra mais importante da nossa república e, se perdermos, estaremos de joelhos diante do diabo. Não há meio termo, é vencer ou vencer!

  6. É necessário manter a calma sempre. O contexto mostra que a pressão imposta pelo DEM e pelo PSDB para cassar os direitos de Dilma é totalmente legal. A lei é claríssima. Quem tem que ficar com medo é o PMDB e o STF que não tem nada para alegar este GOLPE que foi dado por eles. Mesmo na condição de advogada, Janaína não precisava soltar umas dessas. Foi ingênua mas não desonesta. Para o adversário não faz diferença…

  7. Concordo plenamente. Só observo que, do mesmo jeito que não houve “pedaladas” nem “contabilidade criativa”, mas sim FRAUDE FISCAL, devemos também abolir a expressão “fatiamento”, pois isso NUNCA ocorreu. O que tivemos foi a votação do impeachment, exatamente como deveria ser. Já a segunda votação, sobre inegibilidade, é absolutamente inconstitucional, pois está fora da alçada do Senado, e tem de ser considerada nula pelo STF. A expressão “fatiamento” só serve para passar a impressão de que a votação do impeachmente foi dividida em duas, dando margem para que as figurinhas de sempre do STF encontrem argumentos para anular toda a sessão. Abraço.

  8. Foi inocente nesse episódio a brava dra.Janaina Paschoal. Reverter o impeachment? Duvido!! Além de não ter base jurídica (não vai se tocar no MÉRITO da decisão), eu quero ver o STF ter peito de cometer uma barbaridade dessas. Aconteceria uma convulsão social e uma crise política que beiraria a guerra civil!!! Além do mais, já há senadores arrependidos de passa-moleque que a dupla Renan-Petralhovski arquitetaram; a senadora Rose de Freitas já deu uma entrevista afirmando que se arrepende amargamente de ter votado contra a cassação dos direitos políticos da mamulenga. Depois que ela ouviu o discurso cheio de rancor e ódio de Dilma Rousseff não reconhecendo o “gesto” humanitário dos senadores que preservaram os diretos políticos dela, a senadora percebeu o grande erro que cometeu. Tenho certeza de que muitos outros não repetiriam esse besteira que fizeram.

  9. “mandados de segurança podem colocar julgamento do impeachment em risco. Se o impeachment for anulado, ainda que se marque novo julgamento, Dilma voltará imediatamente para o poder, pois terão passado os 180 dias” PALAVRAS DE JANAINA.

    Quem a critica, ja parou pra pensar que de fato isso pode realmente ocorrer? Será que pode se confiar realmente que so será anulado a questao da inabilidade por 8 anos, e o impeachment não? Será que podemos confiar plenamente que os outros integrantes tbm não façam parte do golpe de Lewandowski?
    E mais, será que os criadores desse golpe são tão ingenuos de nao saberem que haveria mandados de segurança e não planejarem um golpe completo (que seria a anulação completa do Impeachment)?

    Eu apoio a Dra. Janaina, e se ela viu algo perigoso eu acredito e apoio!

    • Fernando Simon,

      Eu mostrei a sequência de blefes petistas nos posts, não? Eu não acho que é muito seguro tomar a posição por cair em mais um blefe deles. Se no fim, não for sustado o impeachment, vai pegar muito mal para quem acreditou.

      É preciso tomar cuidado com as posições que assumimos.

      Enfim, é uma aposta que ela faz. Eu acho que é uma aposta errada. Vamos assistir.

      Abs,

      LH

  10. Luciano, eu sei que ela entrou em contato com os partidos em privado. Mas ok. O problema aqui, não é o mérito da questão, se é constitucional ou não é. É o próprio STF. O mesmo STF que mudou todo o rito para beneficiar a Dilma (lembro ainda hoje daquele dia, do vídeo gravdo depois com o Kim, Holiday e outros de cabeça baixa, abatidos), o mesmo STF que decretou impeachment do Temer antes mesmo de ele assumir, o mesmo STF que está tomando para si o direito de legislar e não é contestado pelos políticos pois tem o rabo de todos presos, exceto alguns mais corajosos que tem adereçado eles até pelo nome, mas são pouquíssimos. Inconstitucionalidade é a especialidade deles. Ela certamente não acusaria assim abertamente, mas acho que ela está pensando nisso. O que você acha, Luciano?

  11. O que me deixou pasma foi ela dizer que sente pena da Dilma. Sinta pena dos milhões de desempregados, dos milhares de bebês que nasceram com microcefalia, da Petrobras saqueada, idiota!

  12. NOSSA LUTA NÃO É APENAS CONTRA O PT, É CONTRA A ESQUERDA. VEJAM O BESTEIROL DO SOCIALISTA FABIANO FHC, PUBLICIZADO NO REAÇONARIA

    FHC faz apelo para PT e PSDB somarem forças contra o avanço conservador

    O ex-presidente FHC, um dos maiores empatas do processo de impeachment, fez novamente um apelo para que PT e PSDB deixem as diferenças de lado para brecar o avanço conservador no Brasil.

    Sobre o passado terrorista de Dilma, contemporizou: “Se a guerrilheira do passado não era tão democrática como afirma, isso não apaga a nobreza de sua resistência ao arbítrio e à tortura.”

    Para um sociólogo como FHC, as definições e distorções para tratar a direita e suas bandeiras no artigo deveriam ser inaceitáveis. Já para um político, que tem seu Instituto financiado por Soros e quer a esquerda hegemônica nos rumos do país, tudo se revela.

    Disse o ex-presidente, grifos nossos:
    “O atual amálgama dos ultraconservadores em matéria comportamental com os oportunistas, clientelistas etc., forma o que eu denomino de “o atraso”. Meu governo e o de Lula, no início, ainda foram capazes de dar rumo ao país, o que forçou o atraso a jogar como coadjuvante. Mais recentemente, entretanto, houve uma inversão: o atraso passou a comandar as ações políticas, tendo Eduardo Cunha como figura exponencial. (…)

    Teremos capacidade, coragem e iniciativa para rever posturas, caminhos e alianças? Terá o PT disposição para uma verdadeira reconstrução e para o diálogo não hegemônico? E os demais partidos, inclusive e principalmente o PSDB, serão capazes de aglutinar a maioria, apesar de inevitáveis divergências?“

    O ex-presidente já tinha comentado sobre o avanço da direita em artigo para o El País Brasil:

    “é preciso entender que a agenda do atraso, preconizada por setores fundamentalistas, que se opõem aos direitos sociais e às políticas de identidade (de gênero, cor, comportamento sexual etc.) e equalizadoras (as cotas, as bolsas e etc.) é tão perniciosa quanto a paixão pela hegemonia voluntarista.”

    Até quando o DEM e parte das oposições vão prestar vassalagem ao ex-presidente?

  13. O PT já ajuizou ações visando anular todo o processo, antes de que qualquer outro partido ou instituição tivesse reclamado do fatiamento. O STF já ia decidir de qualquer jeito sobre a validade do processo. Essa fala dela é completamente absurda

  14. A Janaína é uma criminalista, uma jurista, e qualquer devaneio de lhe imputar um raciocínio político que vise estratégia é como exigir do peixe que respire ar. Ela fez o papel dela de pensar agilmente em função de um objetivo legal, no qual melhor um cliente solto que retornar um julgamento que pode render incertezas.
    Quem deve pensar politicamente são os políticos, e a eles deve ser cobrada a incompetência em não antecipar mais essa suja jogada, que nem os juristas mais criativos são capazes de inventar.
    Quer culpabilizar alguém? Culpe a si mesmo por ser um grande estrategista e não ter previsto isso. Culpe Caiado, Aécio, Anastasia ou Malta.
    A Janaína fez o dela de forma sublime, que sai de campo aplaudida de pé.

    • Paulo Jr.

      Sua análise é equivocada, pois juristas e criminalistas podem pensar politicamente. Basta olhar Wadih Damous, do PT, e diversos outros juristas. Aliás, juristas que pensam a partir do raciocínio político são bem melhores. E eu já citei aqui vários pontos em relação à guerra política nos quais Janaína Paschoal EVOLUIU. Porém, neste ponto específico, ela pisou na bola.

      Seu problema aqui é a mitologia. Você transforma alguns com quem concorda em mitos infalíveis, o que é um erro absurdo. Logo, Janaína sempre estará certa em todos os aspectos (até taticamente). Isso é dogmatismo tático, um dos erros fundamentais de uma postura pragmática em política.

      • Eu não morro de amores pela Janaína nem pelo Joaquim Barbosa, Luciano. Eles parecem se deixar conduzir por elementos da esquerda progressista pelos quais eu não tenho apreço. Mas sei reconhecer que os dois foram importantíssimos em momentos chave de nossa vida política. Não os mitifico, mas terei por eles eterna consideração.
        Quanto aos juristas ou jurisconsultos, discordo totalmente. Eles são estudiosos do direito em suas visões gerais e específicas, podendo até adentrar questões mais avançadas da vida política e pública. Porém a participação partidária, ideológica ou eleitoral direta não é uma condição obrigatória dessa função. Pesquise. Da grande maioria nem sabemos da existência.
        Comparar Janaína com Wadih é tão despropositado quanto compará-la com Temer, Paulo Brossard ou Rui Barbosa, já que até o momento ela não manifestou desejo de se tornar política, daí seu julgamento ser inadequado a priori.
        Erro tático fundamental é estar em jogo político e não conhecer os estratagemas adversários. E se deixar ludibriar por quem tem a caneta e as instituições na mão para mudar as regras ao bel prazer. Janaína atingiu o objetivo dela (impeachment). Analistas táticos como você é que falharam (fatiamento). Mas, isso é só uma pequena mancha em uma grande vitória de nós todos que acreditamos ser possível o que muitos duvidavam.
        E a guerra continua…

  15. luciano picareta ayan, voce é mesmo um paranóico elitista, coxinha (possívelmente SATANISTA também), o que aconteceu com a janaina, é que ela teve um breve periodo de sanidade mental duas vezes na sua vida, quando nasceu e neste comentário, no demais ela foi devidamente desvirtuada pela elite porca, em coluio com os partidos de direita (PSDB, principalmente), formados por pessoas ultraelitistas, que não querem nada para o pobre, lógicamente só para eles, vamos voltar a época do coronelismo, infelizmente, pessoas com voce AYAN não deviam ter nascido, voces da elite porca, são dejetos de ser humano.

Deixe uma resposta