Trump aprende(?) com Hillary o que é guerra política

7
93

Chegamos a uma condição onde não podemos mais tolerar a inépcia política por parte daqueles que estão ao nosso lado, ao menos parcialmente.

Expor os desastres táticos e erros de frame das pessoas de direita passa a ser um empreendimento útil, pois é preciso chegarmos a um ponto onde vamos pressionar (e as vezes até descartar) os candidatos que se recusarem a jogar o jogo. Não há nada de muito surpreendente nisso: imagine o torcedor de um time de futebol cujo técnico orienta os jogadores a meter a mão na bola indevidamente e, com isso, consegue perder todos os jogos por goleada. Em pouco tempo, ele já terá sido demitido por pressão dos torcedores, que sabem reconhecem um mal desempenho no jogo. O mesmo deve valer para a política. Precisamos ser críticos em relação ao “desempenho em campo” daqueles para quem torcemos.

Foi vergonhoso notar como Trump se recusou a ir para a guerra política no debate com Hillary. Mas há um detalhe aí: ele não terá direito a nenhuma desculpa se ao final da competição terminar perdendo, pois era obrigação moral vencê-la com no mínimo 20 pontos de diferença. Isso, é claro, se ele escolher jogar o jogo, o que não está fazendo.

Enquanto isso, é bom observar um momento específico onde Hillary – aí sim, jogando o jogo político -, vai para o ataque. E, mais ainda, usa o método de atacar alguém em seu caráter. É outro nível.

Trump agora caiu na seguinte situação: ou ele ganha as eleições em novembro ou deverá pagar o preço da eterna humilhação por não ter jogado o jogo.

Enfim, vejam como é que se ataca alguém em debates:

Só há uma forma de fazer um teimoso jogar a guerra política: envergonhá-lo por não jogar e, assim, escolher fazer papel de criança diante de esquerdistas.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. A última dele, em relação à ex-miss universo, foi acusá-la no twitter de ter um passado pornográfico e que cenas de filmes seus seriam encontradiços na internet. Fui verificar por curiosidade e realmente vi cenas de sexo, inclusive anal, com alguém identificada como sendo ela. Então continuei a pesquisar e descobri que as cenas em questão são de uma atriz pornô parecida com ela, o que constatei vendo os vídeos da verdadeira atriz pornô (Dark Angel).

    Agora, pergunto: como um “cara” que conhece pessoalmente a ex-miss não sabia que as cenas não eram dela, estando a questão da falsa imputação já esclarecida na própria internet? Como é que Trump se complica ainda mais desse jeito? É muito amadorismo!!

  2. Ainda sobre o caso Trump x ex-miss universo, é o mesmo que alguém tentar macular a imagem da Viviane Araújo dizendo haver um vídeo com ela fazendo sexo na rua, quando já está comprovado que a mulher do vídeo não é ela.

    A emenda de Trump foi pior que o soneto.

  3. Luciano Ayan, quase sempre acho suas análises ótimas, mas quanto a Trump e Hillary eu acredito que você esteja sendo um tanto injusto. Observe como Trump conseguiu articular bem sua campanha para vencer Ted Cruz e Jeb Bush, ele se utilizou de frases e ideias radicais para que se tornasse polêmico e logo aparecesse na mídia, foi então que ele passou a falar o que realmente queria, apenas depois de ter as atenções da midia. Observe como ele fez ataques bem estruturados a Cruz e Bush, “lie and tell” com esta frase ele destruiu a campanha de Cruz, ele também destruiu a campanha de Bush dizendo que ele era fraco. Trump é também uma pessoa muito carismática e especialista em persuasão, veja como ele usa palavras pequenas e simples repetidamente em seus discursos, estas palavras são psicológicamente entendidas pelo cerebro das pessoas como verdadeiras, e a repetição faz com que elas fiquem gravadas como um jingle. Sobre o debate, durante o primeiro bloco do debate Trump soube fazer ataques muito bem direcionados a Hillary, dizendo que ela nunca fez nada, que aprovou tratados ruins e etc.. E ela não soube contraatacar, ficou na defensiva, se justificando. Trump só parou de atacar quando ele foi confrontado pela informação do imposto de renda no segundo bloco, o que claramente o abalou, além de que este feito de Hillary só foi possível com a ajuda do moderador, este que estava claramente a favor de Hillary. Este favoritismo do moderador ficou bem claro nas perguntas que ele fazia para cada candidato, as perguntas a Hillary eram sempre: “como você VAI malelhorar tal coisa, como você VAI desenvolver tal área”. Enquanto as perguntas para Trump eram: “você não deu a sua declaração do impsoto de renda, você devia ter feito isso”.
    E mesmo assim, do ponto de vista do carisma Trump se saiu muito melhor no debate, Hillary estava sempre fazendo aqueles sorrisos forçados que apenas passam uma péssima imagem, e sempre que falava Hillary dava muitas pausas na fala, falava com um tom muito forçado. Já Trump foi bem carismático, as palavras que ele escolhe, o modo como as repete, além de sua entonação de sua voz.
    Vendo o modo como Trump, uma pessoa pouco conhecida no meio político e detestada pelo seu próprio partido, ascendeu rapidamente e se tornou forte a ponto de derrotar nomes famosos dentro do partido como Jeb Bush, eu pensei o seguinte: “este ai sabe sobre guerra política”. Eu recomendo que você veja estes dois vídeos sobre o assunto:

    https://youtu.be/LibRNYJmZ-I

    https://youtu.be/8wErWmULKBE

    Obs: me desculpe se o meu comentário foi adicionado duas vezes, eu tive problemas ao posta-lo.

  4. Trump já era, ele comete muitos erros, tem a enorme mídia contra (inclusive até organizações e figuras estrangeiras), não gosta de estudar, não aprende nada. Se brincar, Trump corre é risco de ser preso depois das eleições, pois os esquerdistas continuarão a perseguí-lo (seja diretamente pelo Fisco, indiretamente, via boicotes).

Deixe uma resposta