Choro de perdedor de Teori Zavascki foi uma espetacularização do cinismo

8
142

Nomeado por Dilma Rousseff, o ministro do STF Teori Zavascki já não se preocupa em esconder o seu lado.

Nesta terça (4), ele lançou uma crítica bizarra sobre a atuação do MPF no dia da apresentação da denúncia contra o ex-presidente bolivariano Luis Inácio Lula da Silva.

Pena que ele caiu em uma contradição seríssima.

Ele disse: “Nós todos tivemos a oportunidade de verificar um espetáculo midiático com forte divulgação que se fez lá em Curitiba, não com a participação do juiz, mas do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. Se deu notícia sobre organização criminosa colocando o presidente Lula como o líder dessa organização criminosa dando a impressão, sim, de que se estaria investigando essa organização criminosa. Mas aquilo que foi objeto do oferecimento da denúncia, efetivamente, não foi nada disso”.

Também afirmou: “Houve esse descompasso. Essa espetacularização do episódio não é compatível nem com aquilo que foi objeto da denúncia nem parece compatível com a seriedade que se exige na apuração desses fatos”.

Certo, certo…

Bem, pelo menos vamos fingir que ele realmente acredita no que diz. Mas essa crença em sua sinceridade não vai durar muito tempo.

Ocorre que, mesmo com essa crítica, o ministro negou o recurso da defesa de Lula. Seu voto foi acompanhado pelo restante da turma. Ou seja, Lula segue nas mãos de Moro.

Mas se houve “espetacularização” dos procuradores, por que Teori não acatou o recurso?

Se a crítica de Teori em relação à menção de Lula como o chefe do esquema fosse válida, por que ele não barrou a ação?

Simples. É por que ele não conseguiu encontrar amparo na Constituição para proibir o uso de Power Point pelos procuradores, e nem para evitar que eles citassem as evidências apontando o ex-presidente como o chefe do esquema.

Alguém poderá choramingar: “ah, mas Teori tem o direito de emitir sua opinião”.

Sim, claro. Todos os cidadãos possuem esse direito. Mas daí é papo de boteco, e não uma argumentação merecedora de crédito.

O papel de Teori, como ministro do STF, é de ser um guardião da Constituição. Isto é, ou ele prova que a “espetacularização” alegada por ele é incompatível com a Constituição ou não prova. Ou ele prova que a citação de Lula como chefe do esquema – durante a denúncia – invalida a denúncia ou não prova.

Nos dois casos, ele fracassou. A Constituição está do lado dos procuradores. Restou a ele o choro de perdedor.

A única espetacularização que vimos neste caso é a de um petismo – consciente ou não, o que já é irrelevante neste caso – por parte de Teori. Até porque aqueles que inventaram a narrativa de “espetacularização por parte dos procuradores” foram os petistas.

De novo: à Teori, cabe o choro.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Espetacularização pode ser a
    LEITURA INCOMPLETA DE TEXTOS como fez Barroso.
    FATIAMENTO DE PUNIÇÃO como fez Lewandowski.

    Espetacularização pode ser o RITMO MAIS LENTO NO STF, como para liberar o processo contra Renan.
    Ou em alguns casos até que aquele que apelou à Justiça tenha morrido
    Um tempo médio de 5 anos, conforme Globo

    http://oglobo.globo.com/brasil/lentidao-suprema-stf-leva-em-media-cinco-anos-para-julgar-acoes-que-ferem-constituicao-12525704

  2. Ele aceitou o conteudo da denuncia ,não tinha como negar em face ao que determina a constituição. Mas não aceitou a forma como foi apresentada a denuncia. Tambem penso que seria melhor ele ter se calado e não se expor ao ridiculo.

  3. Fico pasma com os nossos ministros do Supremo. Na maioria dos país, os civilizados ao menos, juízes do Supremo tem comportamento compatível com a estatura do cargo. São sóbrios e extremamente cientes da responsabilidade do cargo que ocupam. Aqui, atropelam a Constituição, tomam partido, dão entrevistas destrambelhadas, são narcisistas, uma vergonha.

  4. É uma discussão um pouco relacionada a opinião que não é jurídica. Deixa eu explicar: tem motivos contras e prós para se divulgar o power point. Pelo que eu entendi o objetivo do Power point é de divulgar e deixar a sociedade brasileira inteira a par do que acontece pois são processos do interese de toda a população e fazendo isto buscasse e apoio e tb não fazer com que esqueçamos. Já a opinião de Teori é de estes processos devem ser sigilosos e manter apenas os ritos jurídicos pois em tudo o que é processo não se vê power point e corre-se o risco de apontar, influenciar a opinião pública para um determinado resultado jurídico antes mesmo de se finalizar todos os processos. Bom tamanho o grau de interesse da sociedade sobre o assunto é tb como parte interessada e lesada por atos de terceiro eu sou da opinião que sim sou a favor do Power point

    • Elton,

      Mas a função de um ministro do STF é proteger a Constituição. Ele deveria apontar qual artigo da Constituição vai contra o Power Point. Senão é “opinião”.

      Abs,

      LH

  5. Cegos, Guias de Cegos!
    Onde querem chegar com este Legalismo e Hipocrisia?! O que é que consideram importante?Vocês bem merecem a crítica de Jesus Cristo aos hipócritas fariseus: “Vocês coam mosquitos mas acabam engolindo camelos”! Deviam conhecer os limites da lei e buscar o bem maior da sociedade, mas para isso precisariam ter sabedoria, e aí é que não sabem, para onde a porca torce o rabo! Deviam se perguntar de onde saiu tanto dinheiro para a família Lula ostentar aquela opulência, e como conseguiram o apoio de tantos! De onde saiu dinheiro para tudo isso! E apoio para que? – Acabar com a república e instaurar o comunismo no Brasil! Aliás, nada disso importa, se Lula conseguir ocultar as provas, então será justo que ele vá em frente com o seu plano maléfico e catastrófico para todos nós! Que Deus, por causa da benevolência mostrada em Jesus Cristo, nos livre destes fariseus e impeça estes tolos de brincarem de serem Deuses!

Deixe uma resposta