"Vamos tirar o Brasil do vermelho": o PT não percebeu, mas tomou uma sova de frame

4
60

 

Isso é algo que não estamos acostumados a ver todos os dias. Mas quando assistimos, é gratificante.

O PT é o partido da “guerra de frames” e da “guerra de narrativas”. Éramos acostumados a vê-los vencer as batalhas de frames na maior parte das instâncias, mas, em, alguns casos, eles estão começando a se dar mal.

O caso mais retumbante é o da nova propaganda do governo Temer, que pede “vamos tirar o Brasil do vermelho”. Não demorou para que os petistas estrebuchassem de ódio.

Mas um frame tão bem colocado assim coloca seu adversário na seguinte posição: ele não pode negar o frame, uma vez que fica em situação difícil se o fizer.

Senão, vejamos.

O frame é claro: “vamos tirar o Brasil do vermelho”, o que é uma referência direta à luta para recuperar o Brasil do déficit causado pelo PT. Mas também é uma referência direta ao PT, que adotou – mas não patenteou – a cor vermelha.

Pois os petistas protestaram contra a campanha. Agora, ficaram na posição vulnerável de poderem ser acusados de “não querer tirar o Brasil do vermelho”.

Ou seja, o frame polarizou a questão: (1) os que querem tirar o Brasil do vermelho, (2) os que não querem tirar o Brasil do vermelho.

Alguns poderiam tirar: “mas o PT está contra o frame somente em relação à alusão ao partido”. Mas isso não importa, para boa parte da audiência: o que importa é que para muitos pode ficar claro que o PT está contra tirar o país da situação de déficit. Em suma, o PT quer que os brasileiros sofram, o que torna mais coerente a afirmação dizendo que eles causaram a crise propositalmente.

Esse é o componente básico de um bom frame: é difícil rebatê-lo. No máximo, os petistas poderiam criar um outro frame, para superá-lo. Mas é péssimo negócio bater de frente com o frame. (Isso é uma lição básica de controle de frame)

Resultado?

Agora o PT pode ser vendido ao povo como o partido que “não quer que o país saia do vermelho”.

Em tempo: isso aumenta a coerência do argumento dizendo que eles estão contra a PEC antipedalada por quererem pedalar e novamente causar déficits criminosos e propositais.

Resumo da ópera: o PT tomou uma surra de frame no caso da propaganda “vamos tirar o Brasil do vermelho”.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. “Sérgio Moro e de Deltan Dallagnol, os nossos candidatos, respectivamente, a Robespierre e Marat do terror das Luzes.
    (…)

    Vejam o tamanho da besteira que Reinaldo Azevedo, um adversário contumaz da Lava Jato, arrotou na seu artiguete de hoje na Folha de São Paulo.Estou divulgando isso, pois esse cara merece repulsa pela forma asquerosa como tem se comportado nas críticas que faz ao juíz Sérgio Moro e aos procuradores de Curitiba.

    Metido a sabichão, não passa de ser uma espécie de Conselheiro Acácio do colunismo político nacional. Contudo, não é inofensivo, pois age, em geral, como um desinformante a serviço dos tucanos.

    Além disso, é extremamente vaidoso, não reconhece seus erros e está sempre desqualificando qualquer um que vá além da mediocridade de que ele mesmo, Reinaldo Azevedo, dá testemunho.

Deixe uma resposta