Na questão do voto "em lista fechada" muita gente ainda não entendeu qual é o problema mais grave

8
174

Muita gente na direita brasileira reclama de não ter o poder que almeja. Mas antes de conquistar o poder, é vital merecê-lo durante diversas batalhas na luta pelo poder. Obviamente, isso só irá acontecer quando a direita começar a pensar suas questões em termos de poder.

Não há nada de maligno no “poder”, embora há objeções racionais e seríssimas contra o poder tirânico e totalitário. Poder é a capacidade de fazer alguma coisa. Para um médico conseguir salvar uma vida em uma cirurgia urgente, ele precisa ter acesso à sala onde a operação vai acontecer, sua equipe e instrumentos, como o bisturi. Isso significa poder.

Para cada questão central a ser discutida, basta compreender que o seu adversário de extrema-esquerda quer o poder – de forma tirânica, o que é o problema moral aqui – e, para isso, fará o povo sofrer.  Seu objetivo deveria ser tirar o poder tirânico das mãos dele, para reduzir o sofrimento do povo.

Enfim, nosso drama é que muitos dos adeptos da democracia ainda não estão discutindo as questões com ênfase no poder, mas sim em questões laterais que algumas vezes até se relacionam com o tema, mas não o definem.

É mais ou menos assim. Imagine que um sujeito peça o número de seu cartão de crédito, junto com a senha. A questão aqui é uma só: “Você vai deixar que um estranho tenha acesso ao seu dinheiro, podendo fazer o que quiser com ele?”. Ou seja, é uma questão de poder. Ele quer ter o poder de fazer o que quiser com seus recursos. Você vai deixar ou não vai. Esta é a única decisão a ser tomada e o único assunto a ser discutido.

Agora realize o sujeito começando uma discussão dizendo: “Ah, mas existe um novo sistema filosófico dizendo que quando entregamos informações para um estranho, aumentamos a fraternidade universal. Com isso, eliminaremos as guerras”. Em seguida, você diz, a sério: “Interessante, vamos discutir essa fraternidade universal, pois isso me emociona muito”. Mas a questão não era a “fraternidade universal”. Você só terá iniciado a sério esta discussão se tiver sido feito de besta. A questão era uma só: você vai dar o poder para um estranho usar teu dinheiro à vontade? Não há outra questão.

Por exemplo, na questão do ensino médio, por que os petistas estão contra? Porque dependem de uma grade curricular “humanística”, pela qual usam dinheiro público para financiar campanha partidária no lugar de aula. Dinheiro estatal para campanha – desproporcional, em relação aos demais – é poder tirânico, o que eles mais desejam. E por isso eles priorizaram sua luta. Quem ainda acha que essa é uma “luta de ideias” nem percebeu a questão.

O mesmo vale para a questão do “voto em lista fechada”. Se alguém de direita, centro ou esquerda moderada ainda está achando que a questão se refere à “representatividade” ou de “melhor gestão dos recursos”, novamente não entendeu absolutamente nada do que está sendo discutido. Mais uma vez, a única questão relevante aqui é poder.

De novo: não há proposta endossada pela extrema-esquerda que não tenha como fim principal a aquisição do poder tirânico. Se você quiser saber quais propostas mais possuem esta finalidade, é só buscar a “lista” das propostas prioritárias dessa gente.

Como o truque funciona?

É simples. Primeiro é preciso entender que PT e seus aliados principais votam “fechados”. Quer dizer: no dia em que um petista disser “confundir bolacha com biscoito é golpe”, todos dirão exatamente a mesma coisa. E todos os deputados do PSOL, PCdoB, PDT e Rede também. Eles sabem disso. Enquanto isso, ainda há muito fisiologismo nos demais partidos. É por isso que, dentro do PMDB, você tem pessoas como Leonardo Picciani, Roberto Requião, Marcelo Castro, Alberto Pansera e Kátia Abreu, que agem como petistas retintos. No PP, você tem o próprio presidente do partido, Ciro Nogueira, que lutou contra o impeachment.

Você há de se perguntar: “ah, mas agora nós vamos rejeitar esses petistas infiltrados na próxima eleição”. Não! Pois para isso o PT está exigindo o “voto em lista fechada”. É uma alternativa para eles recuperarem poder a partir do infiltramento de seus candidatos nas “listas fechadas” de partidos que não estariam no “bloquinho” deles.

E quem sabe o PT não consegue forçar – talvez não para 2018, mas possivelmente em 2022 – uma “lista fechada” do PMDB com 70% de petistas? Que tal o PT bater o pé e colocar o Waldir Maranhão no topo da lista do PP? Isso certamente vai acontecer. E quando acontecer, o PT retomará o poder, e de modo mais tirânico do que anteriormente.

É o mesmo motivo pelo qual o PT defende tanto o financiamento público de campanha, e até o aumento dessa verba. Uma motivação é que as bestas quadradas que estão em seus partidos adversários não entendem uma lógica que até as crianças já são capazes de assimilar: uma vez que você tenha conquistado um benefício acima dos outros, mas depois o perde, é bom fazer os demais de palhaços e “tirar o benefício de todos”. Assim, o PT ganhou quatro eleições com volumes absurdos de financiamento empresarial. Quando se viu rejeitado pelas empresas, aí decidiu “tirar de todos”. Crianças de 12 a 13 anos não cairiam neste truque. Pois os deputados de oposição ao totalitarismo não só caíram quando ainda vem dizer: “ah, não há clima para discutir o retorno do financiamento empresarial”. O que acontece? Temos adultos fazendo política ou não temos? Não dá para tolerar isso…

Está aí mais uma razão para rejeitar mais “o voto em lista fechada” do que óleo de rícino: devíamos aumentar a conscientização dos adeptos da democracia e passar a discutir as questões relacionadas ao poder. Se deputados e senadores não começarem a priorizar estas discussões, deverão ser rejeitados pelo povo, e não incluídos em “listas fechadas” que atendem os interesses, aí sim, daqueles que pensam o dia e noite lutando por poder tirânico, isto é, a extrema-esquerda.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Ayan, uma questão. Eu não acho o voto em lista algo tão ruim assim: o problema, como você disse, é quando ela é fechada. Neste caso, eu seria a favor de uma lista aberta no modo atual (sem coligações) ou de primárias para uma lista semi-fechada (que é uma lista aberta, mas eu não encontrei um nome melhor: nas primárias os eleitores votam no candidato, e a quantidade de votos que ele tiver define sua posição na lista, sem possibilidade de alteração por direções de partidos e etc). Levando em conta a questão da Janela de Overton, não seria melhor focarmos primeiro em seguir por um desses dois caminhos (ou simplesmente focarmos em derrubar a lista fechada E as coligações) antes de começar a puxar a janela para o distrital?

    Eu sou bastante interessado nessa questão da reforma eleitoral, e acredito que um novo sistema eleitoral deveria ser composto por vários fatores: primárias, listas + voto distrital, voto preferencial (IRV), cláusulas de desempenho/barreira, etc e tal. Se estiver interessado eu poderia entrar em contato com você? Ou faço uma rápida descrição aqui nos comentários mesmo?

    • Lenny,

      Enquanto você não quiser compreender as intenções de quem propõe a “lista fechada”, é claro que a tendência é cair na ilusão de “não achar o voto em lista tão ruim assim”. É o exemplo que eu apliquei no texto. Se você não quiser entender as intenções de quem te pede a senha do teu cartão de crédito, também pode achar que entregar a senha “não é algo tão ruim assim”.

      Aí fica difícil discutir política, não?

      Abs,

      LH

      • Ayan, acho que não fui suficiente claro no primeiro post, então vou tentar detalhar mais um pouco. Eu disse que não haveria grandes problemas no “voto em lista”, desde que tal lista NÃO fosse uma “lista fechada” (de longe o pior dos sistemas). Existem vários modelos de “voto em lista”, mas que por questão de simplicidade vou dividir em 2: lista aberta (eleitores escolhem a lista e a ordem dos candidatos) e lista fechada (caciques escolhem a ordem dos candidatos e eleitores escolhem a lista). O sistema atual é o de lista aberta (eleitores escolhem as listas e a ordem dos candidatos) com algumas variações.

        Explicada a questão do “voto em lista” ainda ter chance de salvação (sendo esta lista a aberta, a fechada não tem jeito), vamos para a proposta. Eu não acredito que essa reforma eleitoral vá mudar muita coisa (assim como a minirreforma do ano passado) no sistema eleitoral (sistema eleitoral a que me refiro é: “método usado para eleger executivo/legislativo”, que é a única coisa que eu trato no texto). Claro que vão tentar passar um “distritão” ou uma “lista fechada”, mas também vamos tentar passar o “distrital” e outros métodos menos vulneráveis aos mamadores. No entanto, sendo realista, nenhum vai passar (mas vão ganhar conhecimento do público, e por isso é importante colocar o “nosso” modelo em discussão).

        E aí que chegamos ao outro ponto que me referi, com a derrota (provável) de todos os sistemas alternativos (tanto os bons quanto os ruins) e da manutenção do sistema atual de lista aberta. Neste caso, seria melhor que focássemos não em mantê-lo exatamente da maneira atual, seria essencial que mesmo com “nada mudando”, conseguíssemos vitórias importantes: barrar qualquer tentativa de “fechar” a lista aberta (nada de “o partido tem uma cota/porcentagem de vagas eleitas a indicar” nem coisas do tipo) e também acabar com as coligações (algo que já ia causar um belo impacto nos partidos de aluguel e nos partidos-satélites).

        Conseguindo essa pequena vitória (lista totalmente aberta + fim de coligações), poderemos partir para os próximos objetivos nos próximos anos (vai ser uma luta constante para melhorar o sistema eleitoral, mas um passo de cada vez): Distrital misto/distrital puro/MMP, voto preferencial (IRV/AV), cláusulas de barreira/desempenho, primárias em abril, fim da reeleição (tanto no executivo quanto no legislativo), etc.

        Desculpe se escrevi muito, mas acho que agora consegui esclarecer o ponto que fez com que você pensasse que eu não estivesse ciente do que iria acontecer se fosse aprovada a “lista fechada”.

        Abraços!

      • Entendi.

        Mas a questão é como garantir que a lista fechada não seja manipulável? Me parece meio impossível isso…

        Abs,

        LH

      • Exatamente, não há como garantir, pois a lista fechada é feita com essa finalidade (de ser manipulada). Por isso, e mais ainda pelos vários motivos que você já citou, que devemos evitar a qualquer custo uma lista fechada. Se houver voto em lista, ela tem que ser aberta. Mas sempre lembrando que lista aberta não é a prioridade em termos de sistema eleitoral (que deve ser o distrital*, por ser a melhor das opções disponíveis).

        *Gosto muito do distrital, embora não em sua forma pura. Mas aí já seria outra conversa que foge da guerra política.

        Abraços!

Deixe uma resposta