Gioconda Brasil quebrou a espiral do silêncio

1
85

Para início de conversa, eu não tenho crença alguma na mídia. Na verdade, quase toda notícia publicada pela mídia deve ser avaliada de modo cético. Sempre achei uma grande besteira ver uma parte da direita lamentando a “parcialidade da mídia”. Na verdade, a única coisa a se lamentar é a ausência de combate à mídia parcial.

Na verdade, a mídia sempre foi parcial, mas no passado existia uma preocupação maior em esconder a parcialidade. Hoje, não existe sequer essa intenção. No fundo, é melhor assim. O famoso rótulo do “isentão” simplesmente descreve o método de propaganda chamado de “distanciamento da propaganda da fonte”.  O engraçado é como alguns jornalistas ainda ficam indignados quando sua parcialidade é exposta.

Nesse sentido, Gioconda Brasil, da TV Globo, mostrou aquilo que já estava perceptível para todos no que diz respeito ao comportamento da mídia brasileira sobre as eleições norte-americanas: “No Brasil não existe cobertura das eleições americanas. Existe torcida pela vitória de Hillary Clinton”.

Que ela se prepare para as retaliações. Pois pessoas como Caio Blinder, Guga Chacra e quase todo mundo que está brincando de cheerleader de Hillary – mas fingindo fazer jornalismo isento – vão ficar com butthurt.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Trump sempre foi uma figura que me faz torcer o nariz. Mas ao ver toda baixaria e manipulação que fazem contra ele na imprensa ‘me dá mesmo vontade de vê-lo ganhar, nem que seja só para ver a imprensa humilhada.

Deixe uma resposta