Herbert Marcuse pode explicar o uso de adolescentes como ferramenta política

10
183

No artigo sobre a extrema esquerda e as ‘categorias de base’, que foi publicado ontem, fizeram um comentário que é curioso, e esta análise será baseada nele.

“Eles sempre foram contra a redução da maioridade penal para 16 anos dizendo que tal medida não resolveria o problema pois logo os criminosos passariam a buscar jovens com menos de 16 anos.

Observando agora diversas práticas criminosas, com diversos tesoureiros e dirigentes presos, denúncias diversas por vários juízes podemos CONCLUIR que eram eles PRÓPRIOS QUE já pensavam nessa PROPOSTA para buscar seguidores e adeptos mais jovens ainda?

Principalmente depois que o exército de Stédile fracassou.

Esse CRIME para recrutar jovens que acabaram de tomar leite precisa ser denunciada. São BANDIDOS da pior espécie repetindo as promessas de acampamentos e passeios em Araguaia para jovens universitários. Ou repetindo o que fez a Argentina nas Malvinas para enfrentar as forças britânicas. Ou repetindo o Estado Islâmico.”

O comentário tem fundo de verdade, muito embora soe um pouco confuso. De fato, a extrema-esquerda sempre agiu com intenção neste caso, recrutar jovens sempre fez parte de seus planos. Nos últimos anos esta prática estava em ‘stand by’, uma vez que a doutrinação ideológica era feita de forma não tão escancarada. Agora, mais recentemente, a situação mudou bastante e eles se viram forçados a tirar a máscara, daí começaram as invasões nas escolas, as demonstrações claras de doutrinamento político em sala de aula, e isso tudo só aconteceu porque houve um rápido crescimento no número de liberais e conservadores, inclusive no meio acadêmico.

Herbert Marcuse foi um dos nomes mais proeminentes da Escola de Frankfurt, uma das principais mentes por trás da reformulação do marxismo. Marcuse, na realidade, propôs de forma bastante clara que os marxistas não poderiam contar com o proletariado. Ele entendeu, há décadas, que os trabalhadores facilmente se acostumam às benesses do capitalismo e que percebem rapidamente que é bem mais fácil viver dentro das regras do que atuar como militância política. Foi então que surgiu a brilhante ideia de usar os jovens e os marginalizados, o que justamente estimulou o crescimento da extrema-esquerda no meio acadêmico e também incentivou a expansão dela no ‘mundo do crime’.

Não é mero acaso que hoje os Direitos Humanos tenham sido pervertidos para a proteção de criminosos e facínoras, pois isso faz parte do plano. Quando socialistas passam a mão na cabeça dos bandidos eles estão agindo dentro do protocolo. No caso dos jovens, é a mesma coisa. Não é possível usar discursos puramente ideológicos para incentivar adultos, trabalhadores e honestos a aceitarem uma vida como militância política. Qualquer pessoa que seja mentalmente saudável e tenha contas para pagar, ainda que concorde com as pautas socialistas, dificilmente se prestaria aos riscos que a vida de um militante traz. Contudo, este não é um problema para mentes jovens, imaturas e sustentadas pelos pais.

Adolescentes em geral são ‘marginalizados’, não no sentido penal do termo, mas no sentido social. Ninguém dá a mínima para os ‘problemas’ de um adolescente, nem mesmo seus pais. A psicologia, inclusive, já determinou há muito tempo que há fases da adolescência em que muitos jovens chegam a beirar a sociopatia, dado ao egoísmo intrínseco e ao egocentrismo beirando a uma prepotência latente. Quando estes ingredientes são misturados a uma promessa de ‘mundo melhor’ somada a discursos de heroísmo, fica fácil convencer boa parte dos jovens a participar disso.

Marcuse percebeu isso há muito tempo e esta prática se tornou comum em toda a extrema-esquerda. As invasões de escolas, de fato, são fruto disso. Dificilmente acontece de trabalhadores de uma empresa se revoltarem e tomarem as instalações em forma de protesto, até mesmo em empresas públicas. Em escolas, no entanto, já sabemos que é bem mais fácil de isso acontecer.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

Anúncios

10 COMMENTS

  1. Luciano, a respeito da guerra política, me explique uma coisa. O PSOL passou quase 30 dias massacrando o Crivela e mesmo assim não conseguiu vencer no Rio.

    O que houve de errado na estratégia deles?

    Sei que muita gente trabalhou de graça nas redes sociais massacrando o Freixo, eu mesmo fui um deles, mas não seria o caso do PSOL ser mais eficiente, já que contavam com militância e estrutura partidária?

    • Hudson,

      O Crivella também bateu forte e não deixou barato, e ainda usou o metaframe. A questão dos ataques à Freixo nas redes também foi decisivo.

      Abs,

      LH

  2. Sugiro que ponham particular atençao a esta estrategia política do PT. No Chile o Partido Comunista, uma força política que estava em decadencia, teve grande sucesso mobilizando adolescentes, e agora tem uma nova geraçao de líderes. A sorte no caso do Brasil é que o PT está sem a vantagem ética e o MBL, conformado por jovens, está disposto a lutar contra este engano.

  3. foi o que eu pensei tambem… e é exatamente por isso que a esquerda pós moderna não quer redução da maioridade penal, pois seria ‘friendly fire’.

    Ora, esses jovens de 16,17 anos, seriam criminosos e logo perderiam lugar na arena, mas sendo ‘menores de idade’, logo, passam a ter quase uma carta branca, dificultando a aplicação da Lei.

  4. Então a redução da maioridade lhes cairia como uma luva, uma vez que a emancipação politica acabaria com o inconveniente da proteção e dependência de autorização de pais responsáveis

  5. Ontem na CBN (Milton Yung) comentarista enalteceu partido pirata islandês citando movimento similar no Brasil iniciado pelos adolescentes em ocupações de escola.
    Além de deturpar a informação, mentir sobre inexistência de fomento partidário e ocultar a verdadeira intenção, jornalista segue a risca falsidade da logica da escola de Frankfurt.

  6. Na escola da minha filha estão querendo ocupar,fiquei sabendo disso ontem quando ela chegou da escola e me avisou,segundo ela os alunos que são lideres do movimento foram de sala em sala com um professor que é declaradamente petista dizendo que ia ocupar a escola no dia seguinte terça feira,então fui a escola a tarde conversei com o diretor percebi que o mesmo não quer a ocupação,mas alguns professores que são a maioria em específico um que é declaradamente militante vai para a escola praticamente todos os dias de camisa vermelha,na sua página social sempre chamando outros de golpista e comemorando cada invasão,vários post dessa Ana Júlia enfim,para minha surpresa estava tendo uma reunião entre os estudantes da ocupação,professores e um membro do Conselho Regional de Ensino,o diretor da escola nos chamou e disse que representaríamos os pais,na reunião ficou bem claro que os professores estavam inflamando os estudantes a fazer a ocupação,eu questionei se deixaram o outro grupo que não quer a ocupação ter o mesmo direito de ir de sala em sala para falar com os alunos,o diretor se posicionou e disse que para ser democrático os dois lados teriam mesmo direito de ser ouvidos pelo restantes dos estudantes e que depois disso ia ter uma assembléia para decidir se ocupava ou não,hoje quando o grupo de estudantes contra a ocupação pediu o espaço para ir de sala em sala foi negado,minha filha me ligou eu fui até lá com meu irmão e cobramos o que foi acordado na reunião,quando chegamos lá o diretor não estava e o professor que estava no seu lugar fugiu e disse que não sabia bem o porque não foi dado espaço segundo ele ouve um “erro de informação” logo depois permitiram que eles pudessem se manifestar de sala em sala,mas um professor de sociologia não permitiu que eles entrassem na sala em que ele dava aula,os alunos questionaram,já que os alunos a favor da ocupação puderem,mas ele nem deu resposta,enfim é cansativo parece que é uma luta solitária só eu de mãe indo na escola,cadê os outros pais?!as vezes desconfio que essa assembléia vai ser sabotada ou que nem vão esperar até sexta feira dia 04/10 vão ocupar antes,pois um professor na minha frente na reunião disse para os alunos que nada se consegue pacificamente.

  7. Não é possível usar discursos puramente ideológicos para incentivar adultos, trabalhadores e honestos a aceitarem uma vida como militância política. Qualquer pessoa que seja mentalmente saudável e tenha contas para pagar, ainda que concorde com as pautas socialistas, dificilmente se prestaria aos riscos que a vida de um militante traz. Contudo, este não é um problema para mentes jovens, imaturas e sustentadas pelos pais.
    Também não é problema para boa parte dos servidores públicos.

  8. Texto excelente, parabéns. Jovens são naturalmente idealistas, é isso que precisa ser entendido. A direita deveria se aproximar deles da mesma forma como um dia os esquerdistas se aproximaram. Com os ouvidos abertos e aproveitando esse desejo natural de “transformar o mundo”.

  9. Se a esquerda é violenta e desleal a única ferramenta para combatê-los é a Lei e o exercício da Lei !! Quando houver uma ação deste tipo temos que acionar a Polícia ou as FFs AAs para nos dar respaldo na defesa dos direitos de pessoas decentes e atinentes às Leis e deve prevalecer o certo , o correto , o decente ,o pacífico ,o progressista, o Constitucional ,etc ! As iniquidades têm que ser contidas !!!

Deixe uma resposta