A direita que acha que atacar o PSOL é como "chutar cachorro morto"

5
159

É recorrente ouvir ou ler comentários de gente que acha que atacar o PSOL ‘não é necessário’, ou que o partido é ‘irrelevante’. Dizem até mesmo que atacar o PSOL é como ‘chutar cachorro morto’.

Não é necessário entrar em muitos detalhes aqui, pois esse tipo de raciocínio é apenas uma desculpa, uma forma que alguns encontraram para continuar negando a guerra política. No fundo, é provável que muitos desses que dizem tais coisas não acreditem de verdade no que dizem, mas repitam isso como uma forma de justificarem-se a si próprios, tentando se convencer de que não é necessário jogar. É como aquela frase que diz para você deixar um comunista falar se quiser que ele se enterre.

A realidade mostra que o PSOL tem crescido, sendo hoje o 10º maior partido do país. Mas é pior do que isso. O partido possui, no momento, ramificações em setores estratégicos, como educação, cultura, mídia, etc. Além disso, a militância política mais engajada da atualidade é, de longe, a do PSOL. O PT teve esse monopólio durante anos, algo que percebemos não ser mais o caso atualmente.

Aliás, uma coisa que precisa ser devidamente enxergada é que o PSOL vem passando incólume por toda  derrocada da extrema-esquerda. O PT tem sofrido duras perdas, PCdoB, PDT e outros partidos correlacionados também, mas o PSOL, até agora, passa pelo meio desse furacão com poucos arranhões. Ele é justamente o partido que irá sobreviver a tudo isso de forma quase intacta e, no fim, servirá para pegar o vácuo deixado pelos que se forem.

Essa turma pode até continuar tentando tapar o sol com a peneira, mas a verdade é que a luz ainda vai passar. Se a direita não se organizar e não se antecipar, no futuro teremos que lidar com o PT 2.0 em uma versão muito mais agressiva e eficiente.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Concordo com o texto,esses radicais são ainda piores que o PT,inclusive em ações violentas devido o radicalismo,acham que os fins justificam os meios.

  2. Nao acredito que esses que dizem ser “chutar cachorro morto” o façam por não quererem a guerra politica. A sociedade,de forma geral, sempre ficou alheia à Politica e só falava dela em épocas de eleições. Ha muito pouco tempo em que o povo discute questões politicas e acredito que esse comportamento tenha se iniciado justamente naqueles tempos de manifestações contra PT, 2013 talvez. É muito pouco tempo para um amadurecimento politico de uma sociedade ´Graças a artigos com esses que se publica aqui e em alguns outros canais é que temos conseguido ter uma visão mais ampla do que realmente acontece. Agora, que o Psol é uma ameaça em potencial, não nego e tenho muito medo do que ha por vir.

  3. PSOL não é cachorro nem está morto, é uma aberração política, um bando de criminosos travestidos de políticos, e nem o PT está morto, tem sim de bater forte neles, nos seus assistentes e naqueles que fingem de “ex-“.

  4. Eu sou de direita e na minha timeline é 90% esquerdista: classe média universitária (professores é 99% esquerdista). Eles estão militando o tempo todo e são fortes. Há espiral do silêncio em relação às ideias de direita/conservadoras/liberais pois, à menor contestação de qualquer um deles, surge uma turba esquerdista com “fascista, homofóbico, machista, racista etc.”. Agem em grupo e sufocam qualquer contestação.

    Ou seja, a extrema esquerda é fortíssima. Não é cachorro morto, é matilha inteira de cachorros “vivíssimos e raivosos”.

  5. Confesso que até ano passado eu dava risada de quem dizia para ficar esperto com o PSOL, pois pensava que um partido bizarro desses só seria levado a sério por meia dúzia de universitários caviar.

    Agora em 2016 acompanhei toda a apuração das eleições nos dois turnos e vi a força do PSOL. Mesmo aqui em São Paulo, vi muito esquerdista jovem que está desgostoso com o PT dizendo que votaria na Erundina e psolizando.

    PSOL é mais PT que o próprio PT, e mais perigoso ainda. Não paremos nunca de atacá-lo.

Deixe uma resposta