A Guerra Política também se dá 'fora' da política

1
139

Uma das desculpas comuns de quem não quer ter nenhum tipo de atuação política é dizer que não curte se envolver com partidos, nem participar de campanhas ou movimentos sociais. Tudo bem, é perfeitamente compreensível que uma pessoa não goste dessas coisas. Só que estas não são as únicas formas de atuação política.

O que é, afinal, a guerra cultural engendrada pela extrema-esquerda nas últimas décadas, senão uma guerra por ocupação política de espaços? O que é, afinal, a dominação de redações de jornal, escolas e até mesmo igrejas com a ideologia neo-marxista, senão uma forma de guerra política?

Queiramos ou não, somos agentes políticos, e somos necessariamente afetados pelas ações daqueles que disputam essa guerra. Você pode certamente optar por não fazer parte de nada disso, mas cedo ou tarde a água vai chegar ao topo e vai bater em sua bunda. Nessa hora, será tarde.

A extrema-esquerda possui a seu serviço uma horda de intelectuais dispostos a trabalhar para ela de graça. Prova disso, aliás, está no artigo postado aqui mais cedo sobre Jason Brennan e a proposta totalitária de acabar com a democracia em troca de uma sociedade governada pela ‘elite intelectual’, ou seja, socialismo, mas apresentado sob uma nova ótica que cedo ou tarde poderá agradar muita gente. A proposta tem surgido justamente quando os movimentos e partidos de esquerda perceberam e sentiram os efeitos da reação de seus adversários.

Esse tipo de ideia surge, justamente, porque a extrema-esquerda soube se articular em várias camadas da sociedade. Se ela tivesse apostado apenas em partidos políticos e movimentos sociais jamais teria conseguido tanto poder e influência, e isso é algo que se deve ter como certo. Portanto, quem não quer se envolver com partidos políticos e movimentos partidários pode, ainda assim, atuar em outras esferas. A pessoa que dirige uma peça de cunho ideológico para um público de teatro está fazendo a parte dela.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Mudando de assunto, o Coconde levou o puritanismo brasileiro a novos níveis! Depois da “Direita True”, ele já está falando num “Conservador True” também, e classificando vários olavettes como “liberais”! Não sei se rio ou se choro!

    Veja um exemplo:

    Outro:

Deixe uma resposta