Um erro da direita? A 'fé no futuro'

1
44

Enquanto os movimentos e partidos de esquerda e extrema-esquerda passaram décadas trabalhando para, de modo pragmático, construir uma sólida base cultural e política, a direita preferiu ficar pensando no futuro, no dia em que a salvação viria, no momento em que finalmente os esquerdistas fossem “acordar para a vida” e largar a militância.

Não raramente ouço gente dizendo que a militância de esquerda acaba quando as pessoas amadurecem, ou que “a melhor forma de destruir um socialista é deixá-lo falar”. Tudo isso, no entanto, não se comprova pela realidade. Ao contrário! O que acontece é justamente que a falta de ação da direita cria um vácuo, fazendo com que a esquerda e a mais extrema-esquerda pareçam ser as únicas possíveis representações do espectro político enquanto qualquer coisa que divirja disso, seja de direita ou não, soe como “absurda” ou até mesmo “inaceitável”.

No post sobre Barack e Michelle Obama e a necessidade de desconstruí-los, que foi publicado ontem, um leitor fez o seguinte comentário:

“Eu acho que não precisamos nos preocupar com isso! TRUMP está lá!
Eu acredito que esse cara não dá ponto sem nó.
E Obama foi o motivo para Trump concorrer à presidência.”

Note os termos que foram usados. “Eu acho”, “eu acredito”, “esse cara não dá ponto sem nó”. Tudo isso é uma triste ilusão. Ainda que pudéssemos acreditar plenamente nas intenções de Trump – e não podemos, que isso fique claro – ele é só um homem, e é um homem que irá governar com pouco ou quase nenhum apoio. Até mesmo membros do próprio partido estão contra ele. Além disso, acreditar que Trump será capaz de derrubar uma hegemonia política e cultural sozinho é depositar fé excessiva em um “futuro melhor”.

Donald Trump, na melhor das hipóteses, talvez adote algumas medidas que ajudem a melhorar a economia americana e, com isso, talvez ele agrade uma boa parcela da população, mas é só isso. Mesmo que ele se reeleja, nada garante que seu mandato seja suficiente para destronar a esquerda americana, e é provável que não seja. Hillary foi muito bem votada, teve até mais votos do que Trump e apenas perdeu no colegiado, isso significa que apesar de ser ela uma figura com imagem manchada, ainda assim teve uma alta aprovação popular.

A fé no futuro é a ideia de que os problemas vão se solucionar com o tempo, ou que surgirá alguém para nos salvar dos males, sem que nós mesmos façamos alguma coisa agora. No fundo isso não passa de mais um estágio da negação da guerra política.

A verdade é que nossos inimigos não vão desistir da luta. Eles não vão “amadurecer” e largar a esquerda, eles não vão simplesmente parar de jogar o jogo para que nós possamos vencer por WO.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Acredito que Trump só irá adiar por algum tempo o avanço da esquerda. O foco principal dessa onda da direita deveria ser acabar com a doutrinação marxista nas escolas, faculdades e universidades. A maior parte da população que é utilizada como massa de manobra pela esquerda é composta de jovens. A esquerda investiu nas próximas gerações e nós deixamos que ela investisse livremente. O resultado está aí: a esquerda colheu os frutos que esperava colher, que são as hordas de jovens alienados que são usados na linha de frente como bucha de canhão, tanto nos EUA como aqui no Brasil. A semeadura marxista da esquerda está de vento em popa. Se não dermos um breque nessa situação, em menos de dez anos a esquerda será maioria e então a direita não vencerá mais nenhuma eleição para presidente, tanto aqui como também nos EUA. Não creio que Trump tem algum projeto nesse sentido. E se eu estiver certo, pode ser que Trump seja o último presidente de direita eleito nos EUA. No Brasil, acredito que em 2018 teremos um presidente que não estará atrelado a esquerda. Mas se esse presidente tampouco combater a doutrinação marxista sobre os estudantes, pode ser também que ele venha a ser o último presidente não esquerdista a ser eleito no Brasil. Por isso, acredito que uma das principais bandeiras da luta anti esquerdista deve ser o Escola Sem Partido e várias outras medidas para impedir a esquerda de continuar com esse serviço sujo. Os jovens são futuro e são eles principalmente que irão eleger os próximos presidentes. E esse futuro não demora muito para chegar. Os pré adolescente de hoje, em poucos anos já estarão votando. Se somarmos o que já temos de jovens doutrinados com os próximos que em breve virão, a derrota será inevitável. Algo tem que ser feito com urgência nesse sentido.

Deixe uma resposta