O aspecto civilizatório das fotos de Cabral preso e de cabeça raspada

1
177

Já observei alguns comentários indignados diante das fotos do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) preso e tendo a cabeça raspada. Em seu primeiro dia na prisão, ele tomou um café e comeu um pão com manteiga, igual a todos os demais presos.

Os comentários mencionam como “isso coloca em risco o estado de direito” ou que “há abuso de poder”.

Nada feito, cara pálida.

Não vemos ninguém reclamar do “risco para o estado de direito” ou de “abuso de poder” quando qualquer outro tipo de criminoso é preso dentro dos padrões da legalidade.

Até o momento, Sérgio Cabral foi tratado com todo o respeito. Está comendo a mesma comida que os demais presos. Teve a cabeça raspada, como os outros presos. Tirou foto, assim como tiram os outros presos. Qual o problema com isso?

Alguns se preocuparam com o clima de “vibração” de muitos brasileiro diante das fotos de Cabral preso. Mas nada é mais justo do que isso. O brasileiro estava acostumado a viver em um país onde os criminosos de colarinho branco jamais recebiam a mesma punição que os demais mortais.

A foto de Sérgio Cabral passando pelo mesmo que passam os outros brasileiros é um sinal de que ainda temos um estado de direito. Finalmente vimos a Constituição sendo seguida no quesito que diz que “todos os cidadãos são iguais perante a lei”.

Exatamente por isso, a foto de Sérgio Cabral preso e de cabeça raspada é civilizatória.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Reinaldo Azevedo ultimamente tem dado muitos tiros no pé. Ao propagar a ideia de q quem comemorou ao ver Garotinho se ferrando e Cabral sendo preso tem uma personalidade psicopata ele ofendeu a maioria dos seus ouvintes dele nessa categoria. Foram ridículas as colocações feitas por ele nos Pingos Nos Is.
    Ele tem uma audiência enorme e muita gordura para queimar ainda, mas é bom tomar cuidado. A vitória está do lado do povo e ele está ignorando muito isso. Muita gente está deixando de ouvir o programa dele devido as suas colocações e sua birra com Sérgio Moro.

Deixe uma resposta