Intervencionista se alia à extrema-esquerda (DCM) para atacar movimentos democráticos pelo impeachment

8
213

Este blog sempre criticou duramente o movimento intervencionista. Mas quase sempre sem apontar qualquer ligação dessa gente com os partidos de extrema-esquerda, como PT, PCdoB e PSOL. Porém, desde a invasão do Congresso por militantes intervencionistas, algumas suspeitas começaram a aparecer. Logo em seguida, o site Sul Connection escreveu:

Intervencionistas sem bandeira do Brasil? Intervencionistas que confundem gritos de “Federal” com “General”? Mais de 50 pessoas que conseguem entrar no Congresso sem que a segurança da Câmara note nada de anormal? Nada de cartazes, de emblemas, de absolutamente nada? Justamente no dia em que grupos de esquerda chegam a Brasília para invadir a UNB?

A invasão da Câmara na tarde de hoje fica cada vez mais estranha. Conversei agora a pouco com uma fonte que conhece muitíssimo bem o funcionamento da segurança no Congresso. Ele ainda tenta entender como uma operação deste tamanho foi possível. A Câmara, assim como o Senado, tem lista de membros de movimentos políticos, especialmente mais extremados. Todos com nome, sobrenome, endereço, telefone, RG e CPF.

Digamos que fosse um grupo de doidões: é muito provável, quase certo, que seus nomes estariam nas listas de filtragem. Entretanto, mais de 50 pessoas entraram na Câmara sem serem incomodados. Depois de passarem por revistas, por raio X e por diversas camadas de controle.

A invasão do suposto grupo de extrema-direita ocorre exatamente no momento em que as invasões às escolas começavam a fazer água e que diversos juízes começaram a expedir liminares de desocupação. Timing melhor para a esquerda, que caminhava para mais uma desmoralização, impossível.

A esquerda tem uma tradição enorme em operações de inteligência, contra-inteligência e infiltração. Nada que os velhinhos intervencionistas jamais sonhem chegar perto. Usar agentes provocadores também não é nenhuma novidade para os movimentos de esquerda. Pra quem esqueceu, o PT foi fundado por ex-guerrilheiros e gente do calibre de um Zé Dirceu, que passou anos treinando com a inteligência cubana.

Sem querer investir em qualquer tipo de conspiracionismo, este Sul Connection quer apenas ver respondidas algumas perguntas. Aonde o sistema de segurança da Câmara falhou? Quem eram os invasores? Quais seus nomes, suas profissões e de que maneira se articularam? Quem eram os líderes?

Invadir um Poder da República não é uma brincadeira e não deve ser tratado como tal. O Brasil tem o direito de saber quem eram os invasores que se acharam no direito de tentar colocar a democracia de joelhos.

Se a absoluta transparência não for dada ao caso, estaremos diante de um odor fétido de uma false flag.

Pra quem não sabe, bandeiras falsas são ações diversionistas que se usam para culpar o inimigo, distrair sua atenção e gerar reações em cadeia. Os nazistas, por exemplo, incendiaram o Parlamento Alemão, o Reichstag. Em seguida culparam os comunistas, começaram uma caça às bruxas, prenderam todos os seus adversários políticos e consolidaram uma ditadura.

Pois bem: eis que neste domingo, o Diário do Centro do Mundo entrevistou Dani Schwery, participante ativa de grupos de Whatsaspp intervencionistas e defensora da suspeitíssima invasão do Congresso.

Se você ainda não caiu da cadeira, então lembre-se que o site é um dos principais confeccionadores e promotores de narrativas para a extrema-esquerda petistas. Quase tudo que você observar no blog ou será contra os adversários do PT ou em favor dos líderes do partido. Ou seja, é um site petista.

A pergunta: por que um site petista estaria entrevistando Dani Schwery – ligada aos movimentos intervencionistas – se não fosse para que ela emitisse uma narrativa petista.

Senão vejamos. Ela diz:

Aécio e Caiado [puxaram as manifestações]. No começo houve um acordo ‘todo mundo com todo mundo’ para unir forças, ignorando nossas diferenças. Mas a cúpula dessa galera não era clara pras pessoas. E quem conduziu dessa maneira foi o Aécio junto ao Caiado, que fizeram um acordão para que o pedido de impeachment produzido pelo Helio Bicudo fosse adiante numa grande jogada. Caiado pagou a Carla Zambelli para liderar esse processo todo de empurrar o impeachment do Bicudo, por isso queremos CPI desses ‘movimentos’.

Mas quem pede a CPI dos “movimentos pró-impeachment” senão os petistas? A alegação de que Aécio e Caiado puxaram as manifestações é outra narrativa petista. Na verdade, qualquer um que acompanhou os eventos notará que os políticos foram pressionados a participar do processo. Decerto Caiado apoiava desde o início, mas Aécio Neves precisou ser pressionados. A mentira de Dani é evidente.

O curioso é que Dani afirma que “Caiado pagou a Carla Zambelli” mas não conseguiu sequer dizer o valor. Estamos de novo diante de uma nova Patricia Lelis?

Em outra parte da narrativa de Dani, ela usa este printscreen de Whatsapp, com uma mensagem de Carla Zambelli:

whatsapp-zambelli-338x600

Qual o caso político aqui? Aqui temos movimentos que sempre agiram dentro da democracia e que compreenderam o lema de que “não adianta que a mulher de César seja honesta; ela tem que parecer honesta”. Enquanto isso, Dani está ligada a movimento que nunca foram democráticos e que, por isso, não conseguiriam parecer democráticos. Que fase, Dani, que fase…

Ela segue:

A gente queria novas eleições, derrubar o Temer também, mas depois começaram a fantasiar a coisa toda, separar as contas da Dilma e do Temer, do PT e do PMDB. Pegaram a pior argumentação, que era a das pedaladas. Nós ficamos putos. As coisas que vocês (referindo-se ao DCM) criticam, nós concordamos. Temos a autocrítica de que tudo que serviu para Dilma serviria para o Alckmin também. Nós sempre alertamos que se o PT fosse derubado a Lava Jato iria chegar no PSDB também. Repare que no começo o PSDB se dizia contra o impeachment.

A “gente” quem, cara pálida? Os únicos grupos que publicamente apareceram pedindo “novas eleições” foram os petistas. Inicialmente, eles usaram a Rede, de Marina Silva, para emitir a mesma narrativa. Mas não colou. Quer dizer: ou Dani pertence a alguma linha auxiliar do PT ou ao próprio PT. Ou então ela precisa nos dizer que grupo opositor realmente queria “novas eleições”.

Aqui ela cai em contradição: “Repare que no começo o PSDB se dizia contra o impeachment”. Ué, mas ela não disse que no começo Aécio Neves, presidente do PSDB, havia “puxado o impeachment”? Como eu disse, mentira tem perna curta.

Aliás, sacanagem deste pessoal do DCM. Eles deveriam ter retribuído a “gentileza” de Dani e ter corrigido este parágrafo de sua narrativa. Mas nem isso eles fizeram. Está vendo, Dani, no que dá virar serviçal de petista? Eles nem para te ajudar a esconder essa contradição e cortarem essa parte de tua resposta. E eu não tenho dó!

Essa parte é bizarra:

É difícil. Eu era uma idiota, iludida. Essa turma de Aécio Neves, Ronaldo Caiado, eles iam enfiando os assessores de imprensa nos grupos de WhatsApp. A gente não sabia quem era quem. O DEM aos poucos ‘contratava’ essas lideranças dos grupos como assessoria de comunicação, mas era pagamento pois eles não podiam falar claramente: “Vou te dar uma grana para você fazer o que eu quero”.

Bem, foi ela mesmo que se confessou uma “idiota, iludida”. Mas agora ao se aliar a um site petista ela está sendo “idiota, iludida”? Ou está consciente de ter se aliado a um dos principais blogs do projeto totalitário de poder do PT? Ademais, ela deveria estar ciente de que o Diário do Centro do Mundo recebeu R$ 1,1 mi do governo Dilma só no início de 2016. Detalhe: ela não conseguiu provar que os movimentos democráticos receberam grana. Mas está claramente provado que o DCM recebeu verba do governo petista. Complicado, hein, Dani?

Veja outro printscreen comprovando o “caso” de Dani:

captura-de-tela-2016-11-19-as-23-48-32

Isso aqui é aterrorizante!

Dani resolve perseguir políticos que se encontrem com movimentos democráticos, e em seguida constranger esses movimentos que se encontrem com políticos. O nível de perseguição proposto por Dani é típico das piores fases do nazismo e do marxismo. Ela transforma em “problema” o encontro de políticos com movimentos. Nem da ditadura militar existiu esse tipo de patrulhamento.

A mente de Dani é revela uma personalidade macabra: ela simplesmente não quer que movimentos tenham alianças com políticos para pressionar a Câmara em projetos. O absurdo é que ela tem coragem de falar isso em pleno 2016. Se ela falasse isso na Alemanha de Hitler e na Rússia de Stalin, tudo bem. Era normalíssimo. Mas em uma democracia é não apenas normal, como imperativo que os movimentos se encontrem com políticos e pressionem tantos outros. Sem isso não há democracia.

Seja lá como for, Dani Schwery – ligada aos movimentos intervencionistas, é bom repetir – não encontre seu apreço pelos piores tipos de ditadura do mundo. Essa é uma diferença crucial para os totalitários do PT, que são dissimulados. É por isso que ela não apenas é inimiga da democracia, como jamais conseguirá parecer uma pessoa democrática. Entende-se por que ela se revolte ao ver movimentos democráticos que cuidam para parecerem democráticos. Aquilo que é fácil para os movimentos democráticos é impossível para ela.

A participação de Dani Schwery em um site petista complicou de vez para os intervencionistas, que agora serão vistos pelo resto da direita que ainda caia na lábia deles como “parceiros do PT”. Convenhamos: é uma péssima reputação.

Anúncios

8 COMMENTS

    • Acho bem bizarro gente que diz “não gosto do Bolsonaro, mas gosto do Eduardo Bolsonaro”. A única diferença é que o filho sabe FALAR, aprendeu Português. O boçal pai não. A essa altura do campeonato, com Dilma afastada, os Bolsonaros pedindo intervenção militar… é realmente pra rir muito da cara de quem apóia essa família pendurada em cargos estatais.

  1. REALMENTE, esta matéria do Ceticismo Político, Luciano Henrique Ayan, foi muito tendenciosa.
    Em primeiro lugar, uma pessoa não representa todo um movimento e nunca ouvi falar nesta figura.
    Em segundo lugar, desde quando ser entrevistado por site esquerdista, significa automaticamente que és de esquerda?
    Em terceiro lugar: realmente uma parte dos intervencionistas não apoiava o impeachment, pois em vez de cortar apenas uma cabeça, queríamos cortar todas. Se neste quesito, por motivações diferentes parecia que estávamos do mesmo lado dos petistas, isto só foi percebido assim, por pessoas que realmente não tentam fazer uma análise verdadeira, clara e isenta.
    É muito diferente seres contra um impeachment porque queres destituir toda a classe política, do que ser contra o impeachment pois defendes bandidos.
    Tu me desculpas, mas se achas isto uma análise crítica embasada em fatos e não em pré-julgamentos então realmente decaíste muito, meu amigo.

    • “REALMENTE, esta matéria do Ceticismo Político, Luciano Henrique Ayan, foi muito tendenciosa.
      (…)
      realmente uma parte dos intervencionistas não apoiava o impeachment, pois em vez de cortar apenas uma cabeça, queríamos cortar todas.
      (…)
      É muito diferente seres contra um impeachment porque queres destituir toda a classe política, do que ser contra o impeachment pois defendes bandidos.
      Tu me desculpas, mas se achas isto uma análise crítica embasada em fatos e não em pré-julgamentos então realmente decaíste muito, meu amigo.”

      É necessário refutar o que dissestes para restaurar a verdade dos fatos:

      – A análise de Luciano é correta, equilibrada, não apresentando caráter tendencioso.

      – Os intervencionistas podem sim ser considerados “aliados objetivos” dos petistas. A aliança não é julgada com base na intenção subjetiva desses grupos, mas com base nos resultados práticos em termos de consequências políticas de suas ações no mundo. A percepção dessa aliança por Luciano Ayan ocorre justamente porque ele faz uma análise isenta e objetiva dos fatos.

      – Luciano decaiu muito em relação a que exatamente? Pelo que me consta, ele nunca concordou com a pauta dos intervencionistas. Existem inúmeros artigos escritos no blog (vide links abaixo) em que ele crítica a idéia maluca e irrealizável de “destituição de toda a classe política”:

      https://lucianoayan.com/2016/05/26/como-olavo-de-carvalho-usa-a-distorcao-da-percepcao-de-tempo-tentar-para-sabotar-o-impeachment/

      https://lucianoayan.com/2016/05/22/olavo-de-carvalho-em-seu-devido-lugar/

      E, para finalizar, é bom ressaltar que a análise de Luciano é corroborada por eventos políticos ocorridos no mundo real, não sendo um mero pré-julgamento, que não estaria embasado nos fatos. Vide o exemplo abaixo:

      http://www.ceticismopolitico.com/se-der-a-logica-o-golpe-militar-turco-cai-e-que-venha-a-licao-a-ser-aprendida/

  2. Não é novidade a aproximação dos intervencionistas com os partidos de extrema esquerda e o próprio PT.

    Isso ficou escancarado em MAIO.

    No dia que Dilma foi afastada escrevi em meu atualmente abandonado site Casa Caindo que haviam intervencionistas gritando “Fora Temer” junto com a petêzada, ato elogiado pelo site petista Mídia Ninja. Vejam:

    https://casacaindo.wordpress.com/2016/05/12/site-petista-midia-ninja-se-une-aos-que-pedem-ditadura-militar-ja-nem-esconde-mais-o-quanto-petistas-adoram-ditaduras-tanto-quanto-os-intervencionistas/

    E se Bolsonaro tem ou não ligação com isso, aos bolsonetes não fará a mínima diferença, vão até gostar. Olavo de Carvalho foi um dos que mais tentou atrapalhar o impeachment. Quem não percebeu o jogo dessa gentalha é melhor voltar a dormir abraçado com um ursinho de pelúcia.

Deixe uma resposta