Haddad disse que disputa no Brasil será "entre a direita e a extrema-direita". Saiba por que ele disse isso…

6
98

O que levou Haddad a uma amarga derrota já no primeiro turno das eleições foi, sem dúvida nenhuma, o fato de ser petista somado ao fato de ter sido um dos prefeitos mais odiados pela população de baixa renda na cidade de São Paulo. Não é por acaso que sua votação tenha sido pífia nas periferias. Foi muito bom para quem aproveitou a oportunidade, no caso, João Dória. Contudo, o atual prefeito é competente na hora de jogar o jogo.

O petista rotula o PSDB como “direita” e outros partidos concorrentes de “extrema-direita”. Confira o que foi dito:

“A chance de o PT manter a hegemonia na esquerda é difícil. Embora, mesmo muito machucado, ele ainda seja maior do que quase a soma de todos os outros [partidos de esquerda] reunidos. Vamos ver o que ocorre até 2018, em torno da candidatura do Ciro Gomes (PDT-CE), se o Lula vai ser impedido de disputar. A tendência é que também aqui direita e extrema direita sejam o polo das próximas disputas. O desafio da esquerda é maior do que nunca. A gente nunca conviveu com uma situação tão adversa.”

Obviamente ele rotula Ciro Gomes como alguém de “centro-esquerda”, e faz isso porque é politicamente esperto. Em sua obra “Moral Politics”, George Lakoff mostrou que grande parte das pessoas é ‘biconceitual’, ou seja, não são nem de direita e nem de esquerda. É perfeitamente possível uma pessoa apoiar o desarmamento, que é uma bandeira da esquerda a nível global, mas ao mesmo tempo ser contra a liberação do aborto e favorável a redução da maioridade penal, que são pautas da direita.

Aliás, não é raro encontrar pessoas em nossa sociedade que apoiem as mesmas bandeiras de alguém como Jair Bolsonaro – fim do desarmamento, pena de morte para crimes hediondos, etc – e ainda assim vote em candidatos de esquerda, até mesmo os do PT. Estas pessoas favorecem o centro, logo é válido rotular seus oponentes como extremistas de direita, e colocar aqueles que são verdadeiramente de centro-esquerda (como o PSDB) para a direita, porque apesar de serem de esquerda os tucanos ainda assim são adversários do PT.

Enquanto isso acontece, boa parte da direita – frequentemente chamada de ‘extrema-direita’ por toda a extrema-esquerda – se recusa a chamar petistas de ‘extrema-esquerda’, alegando que ‘não há distinção entre as esquerdas’, algo que só favorece o centro e consequentemente aqueles que se auto-proclamam ‘moderados’, não-radicais. Ou seja, temos uma direita que não rotula por opção, mas que é rotulada por omissão.

Outra questão engraçada é que o próprio PT se auto-proclama ‘de esquerda’, e aí a direita repete o rótulo que eles mesmos se deram. A regra número 1 da rotulagem é que você jamais chama seu adversário daquilo que ele gosta de ser chamado. É preciso chamá-lo daquilo que ele não quer que você chame. Se o PT se auto-proclama ‘de esquerda’, devemos chamar os petistas de extrema-esquerda, o que aliás atinge aqueles que se auto-proclamam de extrema-esquerda – como PSTU, PCO e afins – e que consideram o PT um partido ‘de centro’.

Note-se que são coisas absolutamente óbvias. Se Haddad está inteligentemente rotulando seus adversários como direita e extrema-direita, a nossa obrigação moral deve ser a de defini-los como esquerda e extrema-esquerda, e devemos posicionar PT, PCdoB e PSOL na última designação, não na primeira. Isso é jogar o jogo.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Apesar da palavra “extrema” causar um impacto maior, percebo q ao colocar todos partidos de esquerda e extrema-esquerda num mesmo pacote, chamando-os simplesmente de esquerda, o descrédito q a esquerda vem sofrendo pega em todos esses partidos. Portanto, não há uma necessidade de separação.
    Partidos como o PSDB e PSB seriam a centro-esquerda, essa sim conversável.

  2. Eu vou chamar todos de extrema esquerda, meu oponente me chama de extrema direita, depois nos xingamos e ficamos nisso. Quem sabe para entrar no “jogo” do meio político seja válido, mas o que vai me manter é o que eu estou fazendo. Quantas bolsas esmolas eu vou dar, quantas cotas vou dar.

    O problema é que eu fazendo isso, me manterei no cargo, mas só estarei fazendo algo para mim, não para outros, o fim conhecemos e a Venezuela está aí para comprovar. Novamente, usando todo o “jogo” farei sempre para me manter no cargo, sem pensar nas consequências, sem pensar no futuro do meu país. É para isso que serve jogar?

    Ah, mas assim tiramos a extrema esquerda. Para quê? Para colocar a esquerda no lugar que no futuro não tão distante chegará na mesma extrema esquerda? Aí vem o de extrema esquerda e diz que o de esquerda(chamado de direita) está afundando o Brasil com suas PECs. A população então acha que a esquerda não está fazendo direito e vota novamente na extrema esquerda e ficamos nesse círculo.

    Se ainda existisse uma direita, um partido de direita que mostre claramente sua ideologia, com políticos claramente de direita, mas o Brasil não tem direita(incrível uma país com mais de 30 partidos e não tem direita), tem uns gatos pingados em partidos nanicos de esquerda que visam apenas se manter no cargo. Deputados que sua satisfação é exatamente a de estar lá, sem preocupações com população, apenas a de aparecer e fazer seu nome para depois se reeleger mais uma vez.

    Nada contra o texto, só acho que a rotulagem deva ser feita por quem está envolvido com o meio, impressa(principalmente), políticos e seus interessados. Eu falar disso ou daquilo, no máximo acaba como este comentário aqui, será passado para trás com as próximas postagens e com uma quantidade ínfima de visualizações

  3. Sempre chamo ao meu amigo petista de petista. Ele fica ofendido. Ele se defende,”já fui petista mas não voto no PT nunca mais” diz com convicção. Tem coisas muito mais importantes do que rotular adversários de direita ou esquerda. Fora uma dúzia de internautas e militantes ninguém mais entende. Rotularam o Trump de estuprador, extremista, homofóbico, racista… Parece que os eleitores não deram muita bola para isso e a Hillary perdeu de lavada. É importante entender o que se passa na cabeça do eleitor e, conhecendo, explorar essa informação. O que o PT fez que causa repulsa até nos petistas? O comuno-petista Fernando Haddad perdeu de lavada. Praticamente foi chutado pela porta dos fundos. O que ele fez em São Paulo afetou profundamente a vida do paulistano. Há uma lista enorme. Isso tem que ser explorado e lembrado o tempo todo. Rotula-lo de extrema esquerda é inofensivo.

  4. Você antes colocava o PSDB na esquerda, agora está colocando como de centro-esquerda? Desde quando a ala esquerdista do MDB virou centro-esquerda? Aí você complica…

  5. Do site Mundo da Veja: “Melania é a 2ª primeira-dama estrangeira (mas a 1ª a posar nua)”
    Posou como profissional quando era modelo e solteira. É o caso da revista lembrar o famoso caso Clinton que enfiou aquele charuto na estagiária. O Clinton não era modelo nem solteiro, era o Presidente. E o escândalo da amante do presidente esquerdista francês Hollande que nem se deu muito trabalho de esconder. O Hollande não era modelo nem solteiro, era e continua sendo o presidente francês. Comunista gosta mesmo é de pular a cerca e de uma boa suruba regado a vinho francês (dos caros). São especialistas em acusar os outros daquilo que eles fazem. Não sei se o Haddad é homossexual mas ele e sua turma promoveram a implantação nas escolas daquele famoso “kit gay”, quando o Haddad foi ministro de educação. Assistí um video sobre o conteúdo desse material aquí: https://www.youtube.com/watch?v=NauhvD1JZaw. É asqueroso. É muito estranho que nenhum político, partido político ou blog tenham explorado o assunto. Se o povo tivesse conhecimento o Haddad não teria coragem de mostrar a cara. A guerra polítca tem que ser travada não só no plano filosófico mas no mundo real. O Haddad continua aparecendo como se nada tivesse acontecido.
    A Veja é um caso aparte. Não se muda de linha política de um dia para outro justamente no ocaso do esquerdismo brasileiro. Quem comprou a Veja?

Deixe uma resposta