Nada disso teria acontecido se Temer tivesse extinguido o MinC. Que sirva de lição…

5
97

Quando Michel Temer assumiu a presidência, em 12 de maio deste ano, ele havia extinguido o Ministério da Cultura, dentre outras coisas. Isso, aliás, foi até hoje o maior acerto de todos, mas foi um acerto do qual ele recuou, voltou atrás. E o pior é que ele fez isso por conta de uma pressão vinda da extrema-esquerda, justamente seus maiores inimigos.

Ao recuar, ele voltou com o MinC e nomeou Marcelo Calero, um esquerdista, para ocupar a pasta. Poucos meses depois o mesmo Calero aparece com uma bomba: o caso Geddel, que embora seja bem menos grave do que outros já ocorridos no próprio governo Temer ou nos anteriores, foi algo que abalou fortemente a estrutura de sua gestão.

Calero é um garoto se comparado a Temer. Ele tem muito menos tempo de vida e de política, acima de tudo. É um homem de 34 anos de idade, isso é menos tempo do que o próprio Temer tem de vida pública. Mesmo assim, Calero conseguiu sozinho fazer mais estragos ao governo do que toda a extrema-esquerda junta gritando “Fora Temer”.

Afinal de contas, é ou não é uma ironia que isso tenha acontecido justamente no ministério que Temer deveria ter extinguido?

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Com Minc ou sem MInc , a raiz do problema estava la e mais cedo ou mais tarde o problema iria estourar e o governo teria que intervir atraves de algum outro orgao. Ainda bem que o Geddel pediu demissão agora a poucoi

  2. Pois é, Luciano…apesar de ter um monte de gente considerando esse Calero um verdadeiro herói penso que ele quis mais do que evitar tráfico de influência. Quis criar uma baita confusão no governo e conseguiu. Essa história de gravar conversa com o Presidente não cheira bem.Vc é o primeiro a lembrar que ele é esquerdista e isso diz muito sobre suas reais intenções ao trazer o Presidente para o centro do escândalo.

  3. Não sei, estou achando essa história toda muito estranha. Difícil saber quem é quem nessa história, só o tempo dirá. Não conheço ninguém que goste de Temer, a maioria só o aceitou em nome de uma suposta estabilidade para o país até as próximas eleições, mas essa súbita hostilidade à figura dele, é bastante questionável. Principalmente da parte da imprensa, que está tratando do caso com tamanho estardalhaço, como se Temer tivesse matado meia dúzia.

  4. Acabar com o Mico, quer dizer Minc, foi o maior acerto e logo em seguida o maior erro também, voltou atrás e deu no que deu
    Aliás de tantos e tantos ministérios, qual deles tem alguma utilidade? Não servem para nada, apenas colocar apadrinhados ganhando fortunas e fazer alianças entre políticos por debaixo dos panos

Deixe uma resposta