Jair Bolsonaro acertou em cheio ao comemorar a morte do ditador Fidel

4
94

Neste momento de maior conscientização brasileira em relação aos horrores do comunismo, o candidato à presidência em 2018 desta vez acertou em cheio. (E os leitores bem sabem de minhas discordâncias em termos de ideias e táticas com Bolsonaro)

Bolsonaro disse: “Fidel Castro morreu: o exterminador de liberdades e promotor da miséria se foi. O mundo democrático deseja-lhe estadia eterna nas profundezas do inferno”.

Este é um ótimo exemplo de posicionamento, pois é produtivo – em termos políticos – se colocar contra um sujeito que destruiu toda a vida de sua população.

Ao mesmo tempo, muitos ultraesquerdistas tendem a lamentar a morte do psicopata cubano, o que permite uma boa polarização por parte de Bolsonaro.

Seja lá como for, eis o acerto de Bolsonaro neste caso:

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Fidel foi um genocida terrível!!! Está nos autos da história: dizimou dezenas de milhares de vidas para implantar sua ideologia (diga-se: mesma ideologia de Dilma, Lula, PT, foro de São Paulo e comunistas em geral!)
    O que Fidel fez pelo seu país? Matou muitos milhares de pessoas, derramando sangue inocente; trouxe a fome, a miséria; extinguiu por completo a liberdade do povo; causou um atraso sócio-oconômico de décadas, e um atraso cultural secular… Tudo na obstinação de implantar essa ideologia falida, o comunismo, que não deu certo em nenhum lugar do mundo -inclundo no Brasil-.

    Como pode um homem assim possuir admiradores?
    Aliás, como é a mente de uma pessoa que apóia e se diz admirador de Fidel Castro? Tem de ser uma cabeça extremamente perturbada, com um tremendo desvio de percepção de realidade!

Deixe uma resposta