Como calcular o tiro no pé dos movimentos que decidirem se aliar à extrema-esquerda

5
141

Em relação à possível aliança de movimentos democráticos – como Vem Pra Rua e Nas Ruas – com a extrema-esquerda, ainda existem algumas dúvidas de como dimensionar o desastre político que eles praticarão se levarem isso à frente. Esse dimensionamento não pode ser feito a partir de slogans e frases de efeito, mas a partir de cálculo de valor. (Cheguei até a descobrir que o líder do Vem Pra Rua, Rogério Chequer, teria chegado ao abismo moral de elogiar Ivan Valente, do PSOL, o que pode acabar com sua liderança caso ele não peça desculpas em público por ter feito isso.)

Então, sejamos claros: o “Fora Temer” neste momento atende a um objetivo estratégico da extrema-esquerda. Não é difícil saber qual é este objetivo: desgastar o governo Temer para aumentar a popularidade de candidatos de extrema-esquerda, como Ciro Gomes ou Marina Silva. Simples assim. Tudo que a extrema-esquerda faz é baseado em pragmatismo 100% puro.

Se movimentos democráticos (de direita) se juntarem à extrema-esquerda, seu resultado poderá ser medido desta forma: conseguirão ajudar no aumento de popularidade de Ciro Gomes ou Marina Silva? A resposta é sim ou não? Esta não é a única forma de calcular este valor, mas é uma das principais.

A partir do momento em que este aumento de popularidade de candidatos da extrema-esquerda é obtido, a culpa deve ser lançada, em parte, nos movimentos de direita que se aliaram aos socialistas. O cálculo de valor é simples assim. A pessoa pode até dizer que teve vontade de gritar “Fora Temer” a pedido da extrema-esquerda, mas o que importa é qual o valor do aumento de popularidade que ela irá gerar em benefício de seu inimigo.

Alguns poderão dizer: “ah, eu não sabia”. Mas alegação de ignorância não é uma forma de exonerar alguém por conquistar resultados para seus adversários. Ademais, o aviso já foi dado de forma antecipada, portanto desculpas futuras de “eu não sabia” não poderão ser aceitas.

O fato é que qualquer tipo de aliança com movimentos de extrema-esquerda é um crime moral. Os resultados desse crime moral poderão ser identificados com facilidade no futuro.

Como diria Alvin Toffer, se você não tem uma estratégia, é parte da estratégia de alguém. O duro é que estes resultados de quem é feito de trouxa podem ser medidos. Depois que aguentem as consequências de poderem ser apontados, em público, por terem auxiliado os maiores inimigos da liberdade: os partidos da extrema-esquerda.

Ainda é tempo de voltarem atrás, antes que precisem, no futuro, ensaiar um “eu não sabia” que não poderá ser aceito.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. É relativamente simples. Se a extrema esquerda está atuando em algum frame, sempre será parte de um projeto de conquista de poder totalitário. Tudo que a extrema esquerda faz tem esse objetivo. Se a pessoa não conseguiu perceber, é porque não gastou tempo suficiente avaliando a situação. Em 100% dos casos que você vir bandeiras vermelhas tremulando em celebração, fique preocupado.

Deixe uma resposta