Temer teria segundas intenções para tirar anistia a caixa dois de pauta. E daí? Isso é política real…

3
70

Temer parece ter acordado! Ele decidiu assumir a liderança das ações para derrubar a anistia ao caixa dois e já fechou com os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Rodrigo Maia. Todos juntos fizeram um pronunciamento conjunto no domingo (27) contra a proposta que anistiava o crime de caixa dois.

Ainda que a ideia tenha partido do próprio Temer, há muita gente desconfiada, dizendo que o presidente tem “segundas intenções” ou que “está fazendo isso para se salvar.”

A pergunta é: Sendo isso verdade, e daí? A política no mundo real é assim. No mundo real, os políticos são movidos pelos seus interesses pessoais assim como todas as pessoas, inclusive aquelas que juram lutar “pela pátria”, “pela liberdade” ou “pelos valores da família”.

Duas coisas movem os políticos: a primeira, o interesse material – na melhor das hipóteses, a manutenção do cargo e, na pior, a aquisição de verba indevida -, e, em segundo, o medo de chantagem. Neste caso, o político tem medo de que informações e eventos sejam usados contra ele para tirá-lo do poder. Isso vale para os políticos de todos os partidos.

A política real, vivenciada no mundo real, não deve ser vista como um relacionamento amoroso. Nos relacionamentos amorosos, uma traição pode ser vista como sinal de “é hora de acabar mesmo”. Cada parte de um casal também se preocupa muito com a nobreza de intenções da outra parte.

Na política, isso muitas vezes fica em segundo plano. Não precisamos que os políticos estejam movidos pelos “grandes ideais da humanidade”, mesmo porque a maioria daqueles que diziam lutar por bons ideais se tornaram grandes ditadores. Em vez disso, ele pode muito bem estar movido pela vontade de salvar a própria pele. O que importa, principalmente na aprovação dos projetos de lei, é que essas aprovações estejam de acordo com os interesses daqueles que prezam viver em liberdade e livres da corrupção. Portanto, se Temer estiver pensando apenas em “salvar a própria pele”, mas conseguir nos livrar da anistia ao caixa dois, já estamos no lucro.

Os deputados e senadores que votaram pelo impeachment de Dilma também não fizeram isso “pelo país”, fizeram porque julgaram necessário. Uma parte deles até pode ter acreditado na pauta, mas outra parte certamente fez por interesse também. O próprio Renan Calheiros, embora tenha favorecido Dilma ao manter seus direitos políticos, ainda assim atuou de maneira firme para garantir o impeachment dela. Por que será? Seria ele um baluarte da moral e do idealismo político ou teria ele agido por interesses próprios?

Depois teremos mais oportunidades para novas instâncias de pressão política. E que Temer entenda de vez a mensagem das ruas, que não aceita mais a tolerância com a corrupção.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Acusações mais do que vagas só para continuar desgastando o governo. Evitar a anistia do caixa 2 é bom contra a corrupção. Só quem acha ruim é quem tem que seguir a agenda criminosa esquerdista.

  2. Se a emenda “anistiadora” for aprovada na Câmara dos Deputados…

    Eles terão produzido o frame “corruptos” para si mesmos, todos estarão cometendo suicídio político.

Deixe uma resposta