Fim da farsa de Calero pode ter propiciado explosão de violência das milícias pró-PT

6
165

Depois de mais de uma semana de ameaças e chantagens, veio ao público a tão esperada gravação que Marcelo Calero fez do presidente Michel Temer. E a decepção não poderia ser pior para a extrema-esquerda, que chegou a aventar um pedido de impeachment, na esperança de que a gravação de Calero fosse tão bombástica quanto aquela envolvendo Dilma e Lula em março.

Foi o exato oposto: a gravação não tinha nada demais. Leia a transição da “gravação” bombástica (e que alimentou as esperanças da extrema-esquerda por vários dias):

Marcelo Calero: Oi, presidente.
Michel Temer: Oba. Oi, Marcelo, tudo bem, Calero?
Marcelo Calero: Como vai o senhor, tudo bem?
Michel Temer: Bem, graças a Deus.
Marcelo Calero: Maravilha.
Michel Temer: Então…
Marcelo Calero: Eu fiz uma reflexão muito grande de ontem pra hoje e agradeço…
Michel Temer: Pois não…
Marcelo Calero: … muito por o… por senhor ter insistido, mas eu realmente…
Michel Temer: …Hum…
Marcelo Calero: …quero pedir minha demissão e quero que o senhor aceite, por gentileza, porque eu não me vejo mais com… com condições e espaço de estar no governo.
Michel Temer: Interessante.
Marcelo Calero: É… então, assim…
Michel Temer: Tudo bem. Se você não… se é sua decisão, viu, o Calero, tem que respeitar. Ontem acho que até fui um pouco inconveniente, né? Insistindo muito pra você… pra você permanecer é.. confesso que não vejo razão pra isso mas você terá as suas razões.
Marcelo Calero: Sem dúvida.
Temer: Mas eu respeito (…)
Calero: Sem dúvida. Tá ótimo.
Temer: Tá bom?
Calero: Lhe agradeço muito.
Temer: Na segunda… na segunda-feira eu vejo isso. Tá bom?
Calero: Tá ótimo, presidente.
Temer: Tá bom.
Calero: Um abraço.
Temer: Abraço, viu, Calero.
Calero: Até logo. Tchau tchau.

Patético é pouco para descrever.

Em suma: Calero não tinha nada em mãos, mas fez um baita de um fuzuê durante toda uma semana. Provavelmente ele alimentou as esperanças de seus amigos da extrema-esquerda. Conhecido por ser um partidário da Lei Rouanet, Calero era o “porto seguro” da extrema-esquerda dentro do governo Temer.

Com a saída de Calero, a extrema-esquerda já se sentiu derrotada. Mas derrota maior veio com a revelação das gravações nesta terça (29), que serviram para mostrar que os petistas e seus sicários não tinham nada em mãos para o combate.

Poucas horas depois da revelação das gravações (e do fim das pretensões petistas de adquirir qualquer coerência para seu pedido de impeachment contra Temer), as milícias da extrema-esquerda começaram a se sentir desesperadas. Sem chão, entraram em fúria e tocaram terror, partindo para o terrorismo de vez.

Em resumo, a ilusão desfeita com os blefes de Calero podem ter propiciado o terror visto em Brasília nesta terça (29).

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Não sei por que o temer quis enviar esse assunto do gedel pra AGU..porra…se existe o IPHAN pra dizer como se deve construir o prédio ê não aceitam..então que feche o IPHAN .. concordas? Temer errou..gedel mais ainda..

  2. Não subestimam a inteligência do leitor. O conteúdo da conversa com o advogado da Casa Civil é altamente comprometedor >> No diálogo abaixo, o secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, discute com Calero a situação do imóvel de Geddel.

    Gustavo Rocha: É, eu… eu tô te ligando que… é… eu tô dando entrada com pedido protocolar. [Vou] protocolar o recurso lá no Iphan.
    Marcelo Calero: Tá.
    Gustavo Rocha: Vou protocolar uma cópia aí.
    Marcelo Calero: Tá. Mas eu… eu… eu até falei com o presidente, Gustavo, eu não quero me meter nessa história não.
    Gustavo Rocha: É, e o que ele me falou pra… pra falar era, “veja se ele encaminha, e num precisa fazer nada, encaminha pra AGU”. Falou isso comigo ontem, né? Aí eu falei “não, eu falo isso com ele”.
    Marcelo Calero: Bom… tá, eu vou… eu vou fazer uma reflexão aqui, Gustavo. Agora, mudando de assunto, Ancine, é… eu pedi uma correção pro texto que me chegou hoje de manhã e… eu tô dependendo da velocidade aqui do nosso jurídico…

Deixe uma resposta