Líder do Vem Pra Rua diz que espera que petistas não se interessem. O que?! É preciso proibi-los de participar…

0
43

Leio a seguinte matéria na Folha:

A presença de militantes que defendem ideologias de esquerda nos protestos marcados para este domingo (4) em diversas cidades brasileiras rachou movimentos sociais durante a semana.

De um lado, o Vem Pra Rua, que organizou o ato, defendeu que até manifestantes de esquerda são bem-vindos no protesto que defende a Operação Lava Jato e a aprovação do projeto das Dez Medidas Contra a Corrupção proposto pelo Ministério Público Federal.

Mas o MBL (Movimento Brasil Livre), que vinha alinhado ao Vem Pra Rua nos atos pelo impeachment de Dilma Rousseff, desta vez se mostrou indignado com a proposta e chegou a pensar em não participar do ato.

“Quer dizer que gente que saiu às ruas pedindo a saída de Dilma Rousseff, defendeu a Lava Jato até aqui, agora está topando conversar com a extrema esquerda para eventualmente defender um Fora Temer. Como assim?”, questionou Renan Santos, do MBL, em vídeo publicado no Facebook.

Após a demonstração pública de descontentamento do MBL, o líder do Vem Pra Rua, Rogério Chequer, foi também às redes sociais se explicar.

“O Vem Pra Rua não é a favor de Fora Temer. Nós não temos nenhum interesse de tirar o Temer do poder”, afirmou Chequer em vídeo.

Em entrevista à BBC Brasil, Chequer disse que não pode controlar quem participa de seus atos, mas que as pessoas ligadas à esquerda e que estão alinhadas ao Fora Temer não estão alinhadas com suas posições. “Espero que pessoas desalinhadas não se interessem em vir”, disse.

Ele afirmou inclusive que o governo do presidente Michel Temer tem “intenções extremamente positivas para o Brasil”.

“A aprovação da PEC do Teto é uma delas. Um ajuste inevitável, goste ou não, mesmo as pessoas que serão de alguma forma afetadas e devem ser protegidas por um plano de transição. Ninguém vai ter direitos se essa reforma não for feita, porque o Estado vai quebrar antes”, afirmou.

Essa comunicação de Chequer está errada. Não existe isso de dizer “eu espero que petistas não se interessem em vir”. É preciso proibi-los de participar.

Se a manifestação foi reservada por um grupo, é este grupo que tem o direito de participar. Está na Constituição: todo grupo tem o direito de se manifestar.

Ou será que Chequer acredita que o MST, ao organizar um ato “Fora Temer”, irá dizer “eu espero que direitistas que lutem a favor da PEC 241 não se interessem em participar”? Claro que não: vão impedi-los de participar.

Todo grupo que se organiza tem o direito de dizer quem pode ou não participar do grupo. Ademais, nada impede que os carros de som sejam utilizados para dizer frases tão humilhantes aos petistas e seus sicários que eles sumiriam de lá, ou então partiriam para o confronto, ocasião em que a polícia pode intervir contra os invasores.

Em suma, é não apenas possível como também necessário controlar quem participa dos atos: a extrema-esquerda é inimiga dos movimentos democráticos. Se eles participarem será como se nazistas invadissem uma manifestação de judeus. Será que podemos dizer que “não se espera que os nazistas participem”?

A manifestação está ocorrendo neste momento. Se aparecerem invasores da extrema-esquerda, eles devem ser expulsos e a polícia deve ser convocada para tal.

Anúncios

Deixe uma resposta