Se a Petrobrás fosse privada, nada disso teria acontecido

4
213

É curioso como se fala tão pouco em desestatização da Petrobrás numa época em que o Brasil se vê horrorizado com um dos maiores escândalos de corrupção do mundo. Fala-se muito em “luta contra a corrupção”, mas pouco se comenta a respeito do que levou a corrupção a tal patamar.

Bastaria uma folheada no magistral livro “A Maldição do Petróleo”, de Michael Ross. O autor mostra que, à exceção da Noruega, todos os países com petrolíferas estatais monopolistas destruíram suas nações com autoritarismo e corrupção.

Não há nada de muito espantoso nisso. Uma vez que o fornecimento de petróleo não é uma atividade que deveria ficar nas mãos do estado e ainda pode fornecer uma alta lucratividade – que setores estatais como saúde, segurança e educação não geram -, vai sobrar muita grana nas mãos dos políticos. Desde os tempos de Lord Acton já sabemos que se o poder corrompe, o poder absoluto corrompe absolutamente.

A existência de estatais desnecessárias como a Petrobrás sempre serviu a isso: alimentar a corrupção. Mas ficamos brincando de riscar fósforo perto de um tonel de gasolina por muito tempo. Pois no início de 2003, começava, com Lula, um governo bolivariano, que salivou ao visualizar a Petrobrás e toda a grana que dela saía. Eles tinham um projeto de poder totalitário em mãos para nos transformar em uma Venezuela. Para isso, precisavam da grana da Petrobrás para bancar a corrupção, que envolveria diversos partidos. Em resumo: a Petrobrás sempre foi fonte de corrupção, mas com o início do governo petista ela foi levada a um nível jamais visto para tentar nos transformar em escravos de uma ditadura miserável.

O resultado de não termos estatizado a Petrobrás está aí: ela serviu para alimentar um escândalo de corrupção inédito e que ajudou – junto com o crime fiscal de Dilma – a destruir intencionalmente nossa economia.

Com certeza, se a Petrobrás não fosse estatal, estaríamos hoje pagando no máximo R$ 2,00 pelo litro de gasolina. Mas o que recebemos ao longo dos anos foi uma gasolina caríssima. Faça as contas de tudo que você já gastou em combustível em sua vida e calcule os danos que a estatização te causou. Mas você vai ficar ainda mais revoltado quando perceber os custos indiretos por causa de nosso altíssimo preço da gasolina. Só um exemplo: produtos são transportados, mas para isso é preciso de… gasolina. Quer dizer: com uma gasolina pela metade do preço, seu custo de vida seria muito mais baixo.

E ainda assim continuamos a falar de luta contra a corrupção sem falar em desestatizar a Petrobrás. Ou seja, não nos livramos da maldição do Petróleo. Mas todo o escândalo de corrupção da Lava Jato não teria existido se a Petrobrás fosse privada.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Gatinho, você erra quando defende o Liberalismo como o Olavo de Carvalho quando defende o Catolicismo Romano. Há 20 anos atrás, a Vale era estatal, certo? E existia o BANESPA, o BANERJ, o BEMGE, certo? Por que o Mensalão e o Petrolão só aconteceram no governo PT? Por que Lula não tentou reestatizar nenhuma empresa privatizada quando era presidente? E em que isso prejudicou qualquer esquema do PT?
    E vem cá, qual empresa privada entrou com dinheiro nos movimentos pelo impeachment da Rainha Louca, ou na página do Rodrigo Constantino, ou no Instituto Liberal? E qual empresa privada fez ou patrocinou alguma causa feminista ou africanista?
    E a Construtora Odebrecht é uma empresa privada que fez um esquema de corrupção com o PT desde a década de 90. Você ainda não entendeu que esse caso destruiu o Liberalismo?

  2. E se a Corrupção não existisse?
    Somente se tudo fosse privado não haveria fonte de corrupção. Já pensou que a corrupção existe somente porque o setor público é quem comanda a maioria dos serviços e setores da economia de “interesse” público. Se todos serviços e setores fossem disponibilizados pela iniciativa privada, sem protecionismo ou regulação, haveria maior quantidade desses serviços e menores preços, sendo acessíveis a todas as massas.
    Há quem defenda o corporativismo e há quem defenda a liberdade econômica.
    O primeiro é fonte de corrupção para poucos, o segundo é fonte de maior qualidade de vida para todos.

    • O maior problema não é ser público ou privado, a grande questão é que o povo brasileiro em sua maioria é corrupto. Pq na Noruega da certo e aqui não? Vai lá sugerir a privatização da statoil pra tu ver o tamanho da coça q tu toma. Acreditar que com a venda da petrobras não vão haver desvios é como acreditar em coelhinho da Páscoa, papai Noel, saci…. Sem mencionar que vendem a preço de banana. Santa paciência com um texto tão limitado quanto este! Meu caro já vi desvio de dinheiro até no boteco do seu João, na padaria do seu Joaquim…. Tenho uma tia dona de um hospital e vez por outra descobre falcatrua de médico tirando um sinal e registrando como histerequitomia. Os políticos não vem de Marte, eles emanam do povo e são um reflexo deste! A gasolina sai da petrobras a pouco mais de um real, o elevado valor se deve a exorbitante carga tributária e o cartel formado por postos de gasolina visando um elevado lucro. Monta um posto e vai vender gasolina mais barata, com uma margem de lucro justa para vc ver se em pouco tempo vc não amanhece com a boca cheia de formiga. conseguimos ser sacaneados por políticos e empresários. Tanto o público como o privado fodem o povo!

Deixe uma resposta