Delação da Odebrecht parece ser um esquema de proteção ao PT

4
89

A delação feita pela Odebrecht na semana passada, aquela que jogou o nome de dezenas de políticos na lama, parece ter alguns detalhes no mínimo esquisitos. Um dos detalhes, que chegou a ser noticiado pelo próprio UOL, é o de que os apelidos de pelo menos três políticos estavam “errados”, eles não batiam com delações anteriores. Isso aconteceu com Renan Calheiros, Romero Jucá e Jaques Wagner.

Outro detalhe extremamente importante, talvez até o mais importante de todos, é que algumas afirmações feitas na delação parecem jogar uma cortina de fumaça sobre a realidade. O valor que o delator afirmou ter repassado para Aécio Neves, por exemplo, é exatamente o mesmo que ele teria declarado em sua campanha, oficialmente, por meio da Justiça Eleitoral. Ou seja, isso quer dizer que foi uma doação legal, não um caso de caixa 2. Outros casos similares aconteceram com a menção ao nome de Inaldo Leitão, ex-deputado federal, um sujeito que quase ninguém lembrava que existia.

Nesse clima de efervescência política, é normal que a mídia aproveite para jogar tudo na mesa o mais rápido possível, pois o objetivo da imprensa não é informar, mas seguir a agenda. Isso, aliás, é normal. Jornalismo sempre foi assim. O ponto é que ao colocarem doações legais de campanha no mesmo patamar de doações ilegais, ou ao colocarem crimes políticos no mesmo patamar de uma infração de trânsito, quem tem a ganhar? Certamente ganha aquele que cometeu o crime, ou o que cometeu o crime maior.

Talvez, mas só talvez, tudo isso seja uma manobra da Odebrecht para livrar parte do PT. Certamente não irão, com isso, livrar os principais, mas basta que livrem alguns. De quebra tudo isso ainda vai resultar em uma desconstrução feroz da imagem de figuras como Temer e Aécio, que certamente devem ser criticados por suas falhas (táticas ou morais), mas que nem de longe podem ser comparados aos monstros morais da extrema-esquerda.

O PT, como toda a extrema-esquerda, tem como motor a agressão. A delação da Odebrecht parece fazer parte de uma tática de terra arrasada. Uma vez arrastando o máximo número possível de políticos para o buraco, automaticamente a imagem do PT como “vítima de um golpe” volta a ter significado. Certamente, após a delação envolvendo Michel Temer – aliás, envolvendo nem sabe-se aonde, já que ela não foi divulgada integralmente – muitos brasileiros leigos ficaram com a sensação de terem sido “traídos”, porque muitos acreditaram, equivocadamente, que logo após a saída de Dilma tudo melhoraria.

Em vez de ficar na defensiva, algo que um direitista faria, o PT entendeu que a melhor defesa é sempre o ataque. Então atacou! O objetivo dos petistas já não é mais defender Lula e Dilma, isso é causa perdida. Eles sabem que é. O maior objetivo tático deles no atual momento é levar o maior número possível de gente para o mesmo buraco, porque assim todos ficarão em um mesmo nível.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Neste artigo você acertou em cheio; já naquele em que advoga a tese de que Fux poderia estar querendo beneficiar Renan Calheiros, você errou em cheio. Foi sua entrada na TC. Hehe

    • Sei não… Todos dois artigos me parecem tendenciosos… O cert é que a apuração que já investigou Lula, Dilma e os PTralhas em geral, chega agora aos outros partidos com mais força. Eu nunca tive dúvidas sobre o envolvimento de todos, judiciário, legislativo, executivo, imprensa empreiteiras, enfim todos os que, de alguma forma se relacionam com o governo. Torço para que eu não esteja totalmente certo. Mas torço pela punição exemplar de todos aqueles que contribuíram para todo esselixo que se tornou a política brasileira.

  2. Nos níveis de crueldades que eles tem não duvido que tudo tenha sido combinado.
    Se o PT voltar ao poder a Odebrecht volta ser a maior paceira. Assim todos ficam felizes nadando no nosso dinheiro enquanto cada vez mais viramos uma grande Venezuela.
    Não duvidem do nível de ganância e psicopatia dessa gente.

Deixe uma resposta