Vídeo "polêmico" feito por Clarice deixa a questão: será que ela e Gregório transavam?

12
73

A extrema-esquerda é uma piada em termos artísticos – deve ser por isso que muitos deles adoram tanto a Lei Rouanet -, pois realmente demonstra inabilidade total para a criação de conteúdo interessante.

Tomemos como exemplo a cantora e compositora Clarice Falcão – que recentemente se separou de outro artista de extrema-esquerda, Gregório Duvivier -, que resolveu lançar um clipe que considera “polêmico”. É o vídeo para a faixa “Eu escolhi você”, de seu mais recente álbum: “Problema meu”. Bem, decerto essa garota tem problemas.

No vídeo, pessoas nuas são filmadas na altura do quadril e dançam exibindo seus órgãos sexuais. Tá, mas e daí?

O fato é que Clarice acha que está “causando” ao fazer isso: “Se não for para causar, melhor nem lançar nada”. O clipe foi censurado no YouTube que, como sabemos, censura até mesmo a exibição de seios.

A música é lamentável e o clipe, no mínimo, patético. Clarice Falcão não é um exemplo de símbolo sexual. Seria uma HB4. Mas o mínimo que alguém esperaria de um clipe sensual era vê-la nua. Em vez disso, contratou modelos homens e mulheres que nem mostraram seus rostos. Explica-se: ninguém é louco de aparecer de cara limpa em vídeo tão constrangedor.

O pior é que Clarice realmente disse que seu vídeo era “chocante”.

Por favor…

Será que ninguém assistiu a filmes como “Calígula”, “A Serbian Film”, “Emanuelle in America” (este é com Laura Gemser, e não com Sylvia Kristel), “O Anticristo”, “Os Demônios” (de Ken Russel) e coisas do tipo? Isso sem falar em filmes pornôs…

Não há nada de puritanismo em demonstrar desgosto diante do clipe patético (e até infantil) de Clarice. Uma dica que poderíamos dar ao diretor dessa porcaria é assistir aos filmes de Tinto Brass (que, aliás, dirigiu “Calígula”). Alguns títulos são: “Monella, a Travessa”, “Capriccio” (pequena obra-prima), “Cosi Fan Tutte” (outra gema), “A Chave” e daí por diante. Talvez ali ele aprenda como se dirige cenas eróticas que transitem entre o erótico e o pornô (ficando no meio do caminho para não ser classificado como hardcore, e este foi o segredo de Brass). Obviamente, Brass nunca dependeu de coisas como Lei Rouanet.

O vídeo deve ter gerado alguma polêmica, mas apenas pela ruindade. Perto de polêmicas reais já vistas no mundo artístico de verdade, não significa nada. Significa apenas que a elite artística de extrema-esquerda é isso: incompetente tanto para produzir arte como para chocar. Para piorar, até o “choque” produzido por eles parece ser coisa de virgens.

A pergunta é: será que o casal Gregório e Clarice transava?

Anúncios

12 COMMENTS

  1. Nossa, patético mesmo é essa merda que você chama de matéria, não sabe escrever, vai se fuder filha da puta, ela não lançou um “algum”, ela lançou um álbum mula, vai estudar primeiro, depois você escreve e vê o que sai.

  2. Vi o clipe e aposto que foi censurado pelo You Tube porque eles postaram “foram da restrição” de idade (que é exigida através de login) porque o You Tube está com uns filmes bem eróticos que mostram muito mais que esse clipe como “5 evas e um adão”. E quer causar o que? Só se for sono.s… Dá vontade de escutar sertanejo e funk ao invés desse artistas que “querem causar” e olha que sou roqueiro!

  3. Me lembrou quando aquela farsa chamada Lady Gaga (que graças aos céus sumiu) apareceu com um clipe de música insuportável no qual ela engolia um terço e colocava uns caras bombadões semi nus numa igreja ou templo ou sei lá que merda era aquilo. Muita gente ficou “oh, que chocante, como ela é corajosa” ZZZZZZZZ

    Sobre o clipe da Clarice, nem vi inteiro. Bobinho, música chata, mas não é de se surpreender considerando que esta moça já se interessou pelo GREGÓRIO que além de ter cara de comida de bandido é chato, covarde, playboy mimado e a fez passar vergonha naquela porra de coluna dele na Folha.

  4. Sinto muito mas a pergunta “será que o casal Gregório e Clarice transava?” é, em si, um absurdo: Todo o mundo sabe que esquerdista não faz sexo, mas se reproduz por mitose, como as AMEBAS…

Deixe uma resposta