Caso Clarice Falcão expõe uma direita que atira nas costas dos amigos que estão lutando politicamente

7
186

Se uma parte da direita brasileira já despertou politicamente, uma outra parte ainda adota tal nível de alienação política que chegamos às raias do crime moral.

Imagine, por exemplo, a situação em que você está em um campo de batalha, e seu exército, de 500 homens, luta contra outro com número similar de combatentes. Porém, de uma hora para outra, imagine que algumas pessoas começam a atirar nas costas de seus próprios amigos combatentes. Daí temos que lutar tanto contra o exército adversário como contra esses sujeitos que estão matando os próprios amigos.

Se você acha essa situação absurda, saiba que aquela parte da direita alienada faz isso o tempo todo. Basta dispararmos um ataque político ao oponente que surgem alguns puritanos dizendo: “Não, aí não, não devemos atacar isso” ou “Isso nós não podemos fazer”. Isso aconteceu no caso de Clarice Falcão, onde pessoas conscientes de direita aproveitaram para desconstruí-la. Outros, da direita alienada, apareceram cagando regra internamente: “Nós não devemos atacar Clarice, pois isso é levar as coisas para o lado pessoal” ou “Isso não se faz, pois não podemos ‘perseguir’ pessoas”. Isso só tem uma descrição: atirar nas costas do seu próprio exército.

Assim, precisamos expor a arrogância desta direita alienada ao ajudar a extrema-esquerda mais uma vez, tentando constranger pessoas de direita que, corretamente (em termos táticos), desconstruíram o vídeo bocó de Clarice Falcão.

Veja abaixo Clarice Falcão emitindo narrativas pró-PT:

E agora, como fica aquela direita puritana que tentou proteger Clarice, que, em contrapartida, os chamou de golpistas? Sim, eu sei que muitos devem estar engolindo seco, mas esse é o preço da humilhação. Mais uma vez vimos direitistas puxando o saco do inimigo que está pronto a enterrar uma faca em suas costas.

Que tal outra imagem?

__________clarice

Será que o direitista alienado ainda continua bravinho com as desconstruções que fazemos de Clarice? Então que tal lembrar os R$ 7,5 milhões da Lei Rouanet cedidos ao grupo Porta dos Fundos, do qual ela fazia parte? Se eles estão ofendidinhos com a desconstrução de Clarice, eu pergunto: receberam algum centavo dessa verba? Se receberam, ainda possuem um atenuante, pois atiraram nas costas dos amigos pensando em obter benefício. Mas muito provavelmente não receberam nada. Então atiraram em seus amigos a troco de nada.

Está na hora de discutirmos mais seriamente como tratar a direita alienada. Há um certo limite de tolerância para o desrespeito que essa gente (que também é de direita) possui diante dos amigos que estão dignamente atuando na guerra política.

Em tempo: este texto não denuncia as críticas táticas. Por exemplo, se alguém diz que “não devemos dar atenção à Clarice Falcão” e pensou unicamente no aspecto tático, não é foco desta análise. Mas se a pessoa olhou para o aspecto moral – pensando que é “imoral desconstruir Clarice Falcão e seu vídeo patético” – então já podemos até definir esse tipo de atitude como falta de vergonha na cara, assim como faríamos com soldados que atiram pelas costas de seu próprio exército no momento do conflito.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Vergonha e raiva define o que eu sinto por esses “direitistas” de merda que sentem peninha da esquerda! Estamos em meio a uma verdadeira guerra cultural-política, e em uma guerra não existe meio termo, é matar ou morrer.

    • Concordo. É muito camarão pra pouco arroz. Na verdade, a polêmica barata é uma arma de marketing bastante usada por artistas que não conseguem se projetar pela própria arte. Nada como arrumar um escândalo ou uma polêmica qualquer para ganhar as páginas dos jornais e a atenção do povo. Essa moça teve seus 15 minutos de fama e agora caminha celeremente para a obscuridade novamente, bem como outros membros do Porta dos Fundos

Deixe uma resposta