Governador pró-Dilma vai indenizar família dos mortos na guerra de facções mas não dará uma pataca para famílias das vítimas

2
74

Começaram com a fase da provocação ao povo depois dos 56 mortos na guerra de facções no presídio em Manaus.

O governador do Amazonas, José Melo de Oliveira (do PROS, partido que sempre apoiou Dilma), disse que vai indenizar as famílias dos bandidos mortos durante a guerra de facções. Chegará até a prestar assistência aos funerais.

O detalhe é que Melo não pode pagar indenização alguma antes que os processos sejam julgados. Famílias de bandidos que participaram da guerra de facções não podem receber nada. Resta saber se Melo vai violar essa lei.

Detalhe: não existe nenhum programa de assistência às vítimas de criminosos. Por exemplo, qual será o valor da indenização para a vítima de um bandido na comparação com o que recebe a família de um trabalhador que seja assassinado por um criminoso? Faça esse questionamento à toda pessoa que perdeu um familiar nas mãos de criminosos e saiba o resultado.

Ao estabelecer que a vida dos criminosos mortos – em uma guerra de facções, lembre-se, portanto não falamos de santinhos vítimas do Estado – vale mais que a vida de cidadãos honestos que morrem nas mãos do crime, o governador do Amazonas humilha o povo. Qual será a reação?

Anúncios

2 COMMENTS

  1. Também, o que se pode esperar de bom vindo de um esquerdista? É mais que sabido que o apoio ao banditismo sempre foi uma estratégia da esquerda em todos os países onde quis tomar o poder. É que o cidadão de bem sempre foi deixado a míngua pois a intenção do comunismo é enfraquecer a sociedade através do incremento da violência porque depois aumenta o poder com a desculpa de que vai combater o problema que ele mesmo criou!!! Ou seja, cria-se dificuldades para vender facilidades. Para o país sair da desgraça em que está metido só mesmo removendo todos esses agentes comunopetistas que estão no comando de estados, sindicatos, emissoras de TV, diretorias de estatais, cátedras de universidades, igrejas, cargos eleitorais, ONGs, polícias, forças armadas e por aí vai. Não adianta acreditar que basta retirar uma presidente porque os barbudinhos ainda ocupam postos estratégicos na administração pública e é dali que vem todo o suporte político das esquerdas. Além da militância que ela criou para dar cobertura em momentos de pressão popular!

Deixe uma resposta