Holiday inova e demonstra na Câmara de SP o real significado da luta pela igualdade racial

3
170

O terceiro dia de Fernando Holiday (DEM) como vereador já apresenta uma inovação em relação ao pensamento dominante da Câmara.

Por exemplo, ele garantiu que vai apresentar uma proposta para revogar o Dia da Consciência Negra, data celebrada em 20 de novembro. Também prometeu propor o fim das cotas raciais, implementadas pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) no primeiro ano de mandato, em 2013.

Sobre a revogação do Dia da Consciência Negra, Holiday disse: “Seria alguma outra data que relembrasse a libertação dos negros, mas que homenageasse outra figura e que não tivesse o nome ‘Dia da Consciência Negra’. Este nome é segregacionista, acaba de certa forma sendo racista. As pessoas devem ter consciência humana, independentemente da cor da pele.”

Aqui Fernando Holiday simplesmente propõe uma política de igualdade racial, em oposição à uma política divisionista e insufladora de ódio. Golaço.

Sobre Zumbi dos Palmares, ele lembrou que era “um homem assassino escravagista”. Outro golaço, dado que é preciso que comecemos a falar a verdade – ao invés de narrativas nas quais seus próprios emissores não acreditam – no momento de tratar a realidade.

Ele também defende proibir homenagens em sessões solenes a ditadores e genocidas “ou qualquer personagem ou fato histórico que tenha atentado contra os direitos humanos e a liberdade em algum momento da história.”

“Já protestei na Câmara contra uma homenagem que fizeram a Fidel Castro em uma sessão solene que teve. Pretendo trazer essa experiência e esse idealismo para dentro da Câmara, uma casa legislativa que é a casa do povo, para que respeite as liberdades também quando for homenagear alguém”, disse.

Em resumo, Fernando Holiday demonstrou simplesmente coerência em relação à três símbolos importantes para a nossa civilização: liberdade, igualdade e fraternidade. A extrema-esquerda vai espernear. E muito.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Igualdade deveria ser substituída por isonomia. Igualdade ou a justiça social são os escudos daqueles que atacam nossa liberdade, dignidade e humanidade.

  2. É bom começar o mandato com atos de simbolismo, mas não pode parar nisso. O maior front contra o esquerdismo hoje em dia é nas escolas, certo? E aí? Vamos emplacar um escola sem partido em SP? Que tal?

Deixe uma resposta