Noblat toma surra de seus leitores após enquete sobre Trump e imigrantes

4
89

“Você acha que o Brasil deve acolher mais imigrantes?”, perguntou enquete do Blog do Noblat no twitter. Computados 2.123 votos, os resultados finais foram estes: 40% – Com certeza; 51% – De jeito nenhum; 09% – Pra tomar meu emprego? Em sua página no Facebook, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) defendeu o acolhimento de mais imigrantes pelo Brasil. Apanhou feio dos seus leitores. Mais até do que quando defendeu o impeachment de Dilma.

A informação aí em cima é do próprio blog do Noblat.

O que isso nos mostra é que o povo já não está mais levando a imprensa a sério, o que é bom. A grande mídia subestimou a inteligência das pessoas na era digital, achou que poderia fazer o que sempre fez e que tudo continuaria dando certo como sempre deu. Hoje sabemos que não é bem assim.

Como diz um velho ditado popular, você até pode enganar a todos por um curto período de tempo, ou pode enganar algumas pessoas o tempo todo, mas nunca poderá enganar a todos o tempo todo. Uma hora, cedo ou tarde, as pessoas percebem uma farsa que se prolonga demais. Foi isso que aconteceu com a Globo.

Aliás, o maior erro da emissora, aquele que a fez perder e muito a credibilidade, foi ter subido tão alto no palanque de Hillary no ano passado. Eles exageraram, deixaram seu partidarismo pró-Democratas escancarado de uma forma que só um cego não perceberia. Agora, mesmo que Trump cometa algum erro, se a Globo noticiar as pessoas ficarão contra ela de qualquer jeito. A enquete de Noblat, por exemplo, mostra que ninguém mais quer saber dessa ladainha.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Esse ai não é um sujeito que tirou foto com o assassino Fidel Castro? E não é um velho lacaio do PT, que tem um filho ainda mais puxa saco dos esquerdistas? Ah tá, só para saber…

  2. Noblat sempre foi um petista/lulista mas sempre tentou disfarçar. Se não me engano tinha um blog no site do Estadão. O último post que li desse cara foi “Tchau, Alckmin”, durante a disputa presidencial entre o Alckmin e Lula em 2006.

Deixe uma resposta