Rodrigo da Silva (do Spotniks) critica MBL por seus méritos e propõe política bizarra de capitulação

14
359

Acabo de ver uma crítica de Rodrigo da Silva ao MBL que termina caindo na mesma categoria de algumas críticas feitas por uma parte da direita true nos idos da primeira metade de 2016. O link para a crítica de Rodrigo está aqui.

Como sempre tenho dito desde o final de 2014, devo dizer que considero o MBL o movimento político de direita mais pragmático e focado da atualidade. Isso não significa “torcer” para o MBL da mesma forma que se torce para um clube de futebol. Em vez disso, acho que seria mais interessante que outros grupos tivessem essa abordagem mais pragmática. Por exemplo, fiz um elogio à atitude de Fernando Holiday, mas ao mesmo tempo sugeri que outros políticos de direita fizessem o mesmo. Sou defensor da ideia: “quanto mais pragmatismo político na direita, melhor”. Assim, não falarei aqui de uma defesa do MBL, mas do pragmatismo político, em oposição à uma visão ingênua de política adotada por Rodrigo da Silva.

(1) Requisição de protestos contra Temer por “posse de Moreira Franco”

Rodrigo da Silva diz:

Se a tentativa de empossar Moreira Franco ministro para escapar da Lava Jato não rendeu protestos contundentes do grupo – como a nomeação de Lula à Casa Civil, em março do ano passado – o mínimo que esperava era manifestações contrárias em relação à nomeação política do tucano Alexandre de Moraes ao STF. A verdade é que o PMDB está engasgado de lama e até o presente momento o número de vezes em que o MBL saiu às ruas para protestar contra o governo é igual a zero.

Com o parágrafo acima, fica difícil identificar qual é o projeto político de Rodrigo, pois todas as requisições não parecem estar coordenadas nem com uma estratégia, nem com uma série de princípios éticos e, enfim, parecem mais capitulações às narrativas da extrema-esquerda, bem como o sucumbimento aos jogos criados por petistas e seus sicários.

Para início de conversa, nunca existiu movimento “causado por nomeação de Lula”. Basta olhar a história dos movimentos para saber que os movimentos de rua pediram impeachment por crime de responsabilidade. Ademais, Lula já tinha dois inquéritos em suas costas, além de um áudio mostrar que havia obstrução de Justiça. Não há nada disso contra Moreira Franco, o que não justifica sair em sua defesa, mas é inegável que não há como gerar a mesma indignação social causada pelos áudios de obstrução de Justiça entre Lula e Dilma. Para derrubar ainda mais a tese de Rodrigo da Silva, quando Lula foi nomeado, isso foi apenas um agravante, mas não o fator motriz das manifestações. A proposta política de Rodrigo da Silva, então, diz algo muito grave: a nomeação de um ministro investigado é motivo para pedir impeachment. Mas onde isso está previsto? Na Constituição é que não é. Enfim, é uma regra inventada pelos petistas, que adotam critérios mais rígidos para julgar seus adversários do que os critérios válidos para eles. Assim, para um petista, se foi preciso de um crime de responsabilidade para ter movimentos pedindo impeachment de Dilma, para Temer basta “nomear Moreira Franco”. Espero que Rodrigo da Silva não tenha sido mal-intencionado ao emitir essa narrativa. Se não foi (conforme acredito que não tenha sido mesmo), então é a vergonha eterna para ele: Rodrigo da Silva c-a-p-i-t-u-l-o-u para a narrativa da extrema-esquerda.

Explicando melhor a regra dos critérios diferenciados. Imagine que um policial atire em um homem que está estuprando uma mulher, salvando-a. O homem fica apenas ferido. Daí ele diz: “Agora você atira nela também, pois ela chutou meu joelho”. O policial, obviamente, se recusa a fazê-lo, pois percebeu ali um truque de manipulação de culpa tentado pelo estuprador. O truque sempre se manifesta assim, neste pattern: “Você que fez (x), por que não faz (y) agora?”. Mas quem disse que (x) e (y) eram situações iguais, sob as mesmas regras éticas? Quem disse foi apenas o estuprador, que queria ser beneficiado, mesmo tendo feito algo muito mais grave. Para que truques assim funcionem, as palavras são isoladas do contexto. Da mesma forma, os petistas criam narrativas para dizer que “movimentos foram pras ruas contra nomeação de Lula ao STF”, logo, tem que ir para as ruas contra “nomeação de Moreira ao STF” também. Mas é só estudar os eventos políticos para saber que os movimentos para os movimentos não foram esses (embora a nomeação de Lula tenha sido um agravante). De novo, acredito que Rodrigo da Silva tenha capitulado para a narrativa petista. Espero que tenha sido iludido, e não feito isso de má-fé.

Outro momento bizarro é dizer que “o mínimo que esperava era manifestações contrárias em relação à nomeação política do tucano Alexandre de Moraes ao STF”. Bem isso é o mínimo que eu espero de petistas e outros da extrema-esquerda, que passaram 12-13 anos nomeando ministros partidários ao STF. Por isso mesmo, o papel da extrema-esquerda é ficar contra Alexandre de Moraes. Até compreendo que algumas pessoas da direita tenham preferido Ives Gandra Filho, mas no fim das contas a escolha de Alexandre de Moraes é um alívio perto do risco da escolha de Flavia Piovesan ou Luís Felipe Salomão, para os quais a extrema-esquerda fez fortíssimo lobby. Quem tem que protestar contra Alexandre de Moraes é a extrema-esquerda, e não a direita.

2. A Lava Jato como projeto político?

Aqui Rodrigo da Silva mostra de novo como seus critérios parecem confusos:

Como muitos brasileiros, defendi o impeachment de Dilma sem qualquer romantismo com Michel Temer. Não acredito nas suas intenções – mesmo reconhecendo que há bons nomes técnicos no Ministério da Fazenda – e classifico o seu partido como uma organização mafiosa. Temer é uma raposa da velha política, cercado de gente que promete barrar a Lava Jato, delatado e suspeito até que se prove o contrário. Sei que boa parte da esquerda é leniente em relação a equívocos cometidos por sindicatos, partidos políticos, organizações de classe e movimentos estudantis. Mas é justamente por criticá-los que não posso silenciar em relação ao MBL.

É difícil compreender qual o projeto político “liberal” de Rodrigo Silva. Será que o projeto é “a Lava Jato”? Pois pelo que sabemos, a Lava Jato vai indo muito bem, obrigado, e tem feito um ótimo trabalho. Aliás, se fosse para ocorrer um protesto, deveria ser a favor da prisão de Lula, que ainda está solto. Bem que Rodrigo poderia organizar esse tipo de movimento.

Ademais, não é questão de “leniência com o governo”, mas de saber a diferença entre um governo que possui várias pautas a nosso favor, e um governo que possui todas as pautas inerentemente contra. De novo, Rodrigo está gritando “peixe que morde” e igualando dois riscos completamente diferentes. Stephen Kanitz fez um texto apontando 50 pontos mostrando a absoluta diferença entre o governo Temer e o de Dilma. Nem preciso entrar em detalhes, mas só a PEC do Teto e a reforma do ensino médio, juntas, já mostram uma diferença extrema, a nosso favor. Rodrigo dirá: “ah, mas tem político investigado ‘na Lava Jato'”. Mas isso seria inevitável, em razão da costura de acordos para manutenção do cargo. Não é algo agradável, decerto, mas não é motivo para impeachment. E como já tenho escrito várias vezes neste blog, a verdadeira luta contra a corrupção passa pela redução do tamanho do Estado (e creio que essa seja uma ideia que o Spotniks também defende). O governo Temer claramente é menos estatólatra que o governo Dilma. É pouco, mas já é alguma coisa.

Outro ponto esquisito é quando ele define o PMDB com “uma organização mafiosa”. O que ele propõe no lugar? Ele quer trocar de partido no poder hoje? Qual o projeto político de Rodrigo? Criticar por criticar não adianta nada. É preciso criticar numa direção política clara. Sem isso, ele cai na regra de Alvin Toffler: “Se você não tem uma estratégia, então é parte da estratégia de alguém”. No caso, ele é parte da estratégia dos petistas, provavelmente não por má-fé, mas por não ter um projeto político claro. Em tempo: se o PMDB é “organização mafiosa”, o PT é “organização mafiosa totalitária”. Não ver a diferença entre ambos os casos é equivalência moral.

(3) Rodrigo da Silva é fisiológico?

Aqui chega a ser cômico:

Reconheço que há muita gente bem intencionada no grupo e confesso que faço um grande esforço para tentar entender as perspectivas que o MBL possui em relação à realpolitk. Mas esta noção, tão repetida, por vezes tão óbvia aos seus membros, de que é inteligente abrir mão de purismos ideológicos em troca de uma cadeira no jogo político, não pode estar acima da ideia que a participação nesse jogo só existe para suprir uma vontade minimamente coerente com os princípios liberais que o grupo diz defender. Caso contrário, o MBL, engolido pelo tubarão, se tornará tão fisiológico como qualquer outro partido interessado apenas em vencer eleições.

Esse é um erro grosseiro. Eu diria até um erro infantil. Ele confundiu pragmatismo com fisiologismo. Ao contrário: fisiológico é o discurso de Rodrigo da Silva, que hoje não destoa em praticamente nada das narrativas petistas. É só assistir o programa do PCO (transmitido todos os sábados, ao meio-dia, no Causa Operária TV), e acompanhar a análise política da semana. Não há diferença alguma no discurso de análise de oponentes (no caso, o governo “golpista” de Temer) entre Rui Costa Pimenta e Rodrigo da Silva. Isso que originalmente Rodrigo começou como liberal, mas agora acabou adotando – de novo, vou repetir que é por falta de visão política e não por má-fé – o projeto político da extrema-esquerda. O projeto político da extrema-esquerda é claro: desgastar o governo Temer para aumentar o capital político de candidatos de extrema-esquerda, aumentando a chance de chegarem ao poder em 2018. Um projeto político de direita seria o de demolir a extrema-esquerda. Outro projeto político de direita alternativa (estilo “fora da política”) seria o de apontar os erros do governo atual, mas sempre deixando claro o quão mais grave foi o governo da extrema-esquerda, que é o maior inimigo.

Revisando os projetos políticos:

  1. Extrema-esquerda (PT, PCdoB e PSOL): usar manipulação de culpa e recursos de desengajamento e equivalência morais para tentar retomar o poder em 2018, desgastando a imagem dos “golpistas”.
  2. Direita que está no governo: expor o quão condenável foi o governo da extrema-esquerda, e evitar que eles retornem.
  3. Direita alternativa (“fora da política”, em estilo Doria): expor os erros dos governos atuais, mas deixar claro que o inimigo fundamental é a extrema-esquerda, que não pode retornar ao poder em 2018.

A partir daí, alguém escolhe qual dos 3 projetos políticos imediatos vai adotar. Rodrigo escolheu o projeto (1), enquanto a direita deveria optar entre (2) e (3). Rodrigo pode até dizer que não fez isso intencionalmente, mas é a regra de Alvin Toffer: “se você não tem uma estratégia, então é parte da estratégia de alguém”.

Conclusão

Rodrigo da Silva se posiciona, ao fim, como “ombudsman”:

Não é meu papel praticar qualquer espécie de caça às bruxas ao MBL. Pelo contrário. Sirvo como um ombudsman das ideias que o grupo diz defender – e todos estamos sujeitos a erros e acertos. A democracia é um jogo exercido por grupos de pressão e, gostem ou não, o MBL realiza essa tarefa com relativo sucesso. Mas não posso me calar nas discordâncias. Não estou aqui pelos tapinhas nas costas. Estou pela compreensão das coisas que entendo como boas ideias. Como qualquer ser humano, muitas vezes tropeço nessa busca. Mas continuo movido pelos mesmos incentivos. E não esperarei outra coisa de quem promete trilhar por esse caminho.

É importante que pessoas como Rodrigo exponham seus projetos políticos. Infelizmente seu texto não trouxe qualquer coisa nesse sentido. Por exemplo, qual é a ação imediata desejada? O que ele quer? Que medidas queria ver implementadas? Quais os pontos de negociação? Quais os itens “top 5” em suas propostas? Por que ele os definiu como prioritários? Não vimos nada disso.

Por representar um site de considerável influência, Rodrigo também precisa de ombudsman, que está aqui para ajudá-lo com críticas construtivas, como fiz. Como ele sugere, não precisamos lutar por tapinhas nas costas.

É preciso deixar claro que Rodrigo da Silva está recebendo muitos likes de petistas (e não apenas estes, é claro, pois muitos direitistas não pragmáticos podem apoiar sua narrativa). Fica fácil observar esse padrão inclusive em vários comentários. Quando um socialista diz “claro, mas o MBL é fascista” é claro que Rodrigo já se tornou inconscientemente parte da estratégia deles. Podemos prever que ainda neste sábado ele deve ser citado por ao menos um site petista, que, obviamente, endossará sua narrativa até o fim, utilizando-a como troféu. Que ele faça uma reflexão caso esses resultados (humilhantes) surgirem.

A questão aqui não é defender o MBL (e eles são grandinhos para fazê-lo), mas rejeitar narrativas de direita que no fundo são capitulações para a extrema-esquerda. Eu sempre coloco como valor fundamental que jamais devemos atirar ao lado do inimigo fundamental.

No fim, se compararmos as posições políticas do MBL e de Rodrigo da Silva, é claro que devemos rejeitar as últimas, mesmo que possamos criticar um ponto ou outro do MBL. Aquilo que Rodrigo da Silva pede para o MBL fazer não faz o menor sentido. Para fazer as narrativas e manifestações que Rodrigo quer, já temos as alternativas: MST, CUT, MTST e UNE. Com certeza, ele não vai ficar desamparado!

Anúncios

14 COMMENTS

    • “Parei no ” …considero o MBL o movimento político de direita…””

      … o que significa que nem sequer pode argumentar. Quando você para de ler a argumentação, não tem o que é necessário para formar opinião, apenas preconceito.

      Preconceito (s.m.): qualquer opinião ou sentimento concebido sem exame crítico.

  1. O discurso da “direita” é mais uma mentira comunista. Não existe “direita”, como não existe “capitalismo”. São termos cunhados para estigmatizar o discurso POLÍTICO e fazer politicalha do discurso dos LIBERAIS.

    O “capitalismo” foi cunhado por Arthur Young em livro sobre suas viagens à França à época da Revolução Francesa. Marx se apropriou.

    Assim como o “capitalismo” só existe no discurso marxiano.
    A única peça de realidade, no texto do Mensaleiro-mor Marx, é reconhecer a existência do INDUSTRIALISMO, que é o sistema econômico vigente no presente.

    Os que se denominam de “direita” (à la mensaleiro-mor Marx), são industrialistas.
    E se contrapõem aos comunistas, ao invés de se POSICIONAREM pelo INDUSTRIALISMO e defenderem os Direitos Humanos – dos INDIVÍDUOS HUMANOS -, não como contraponto, mas como POSIÇÃO POLÍTICA.

    Reativos, sempre, e repetindo o discurso comunista, não fazem mais do que reforçar o “recall” publicitário do discurso comunista, publicando fotos dos criminosos (pelo menos poderiam por a tarja preta nos olhos), adestrando os leitores e ouvintes a aceitarem as premissas comunistas e não afirmarem nenhuma premissa LIBERAL.

    Não há um candidato LIBERAL nem um PARTIDO LIBERAL BRASILIANO para oferecerem ao povo.br uma alternativa ao que está aí.

    Há que buscar o rapport e a mensagem LIBERAIS para mostrar a realidade dos fatos ao povo.br.

    Porque não existe 13º salário, porque não há o direito ao trabalho, à vida, à saúde e a todas as coisas que dependem da CAPACIDADE DO HOMEM DE PROVÊ-LAS.

    Publicando fotos dos produtos e os valores dos impostos para o povo.br entender como está sendo roubado, esgotando o debate sobre o imposto ser um roubo, e não um investimento, em como uma simples conta de poupança (na pior das hipóteses) poderia ser melhor que todo o aparato de previdência montado pelos corruPTos funcionários públicos que se aboletam nos cargos públicos à procura da proteção contra a concorrência no MERCADO.

    Em como os concursos públicos tornaram medíocres os servidores públicos, como se em uma folha de papel com 50 perguntas fosse possível encontrar um homem ou mulher com o caráter correto para um cargo, ou o amor pelo trabalho que vai fazer.

    Em como as licitações são criminosas a partir do texto da própria lei.

    Em entender que o PODER DE IMPÉRIO é conferido ao ELEITO e que burocratas – juízes, procuradores, promotores -, e todos os demais concursados não deveriam ter o poder que roubam dos eleitos, que por sua vez, não foram eleitos para transferir poder, pois se é para outros terem poder, que se elejam.

    Que é NECESSÁRIO a ELEIÇÃO do JUIZ da cidade, do ADVOGADO-GERAL da cidade, do CONSELHEIRO da cidade (não do vereador), do CHEFE DE POLÍCIA da cidade – porque você é que é o responsável pela escolha do homem que vai garantir sua segurança.

    O concurso público e a intervenção de políticos na segurança pública é o que gera o genocídio do Rio Grande do Norte, do Espírito Santo e da Avenida Comercial de Taguatinga, onde um comerciante foi assaltado três vezes seguidas: na primeira roubaram 10% da loja, na segunda 90% e na terceira voltaram para conferir o estoque. Ele fechou a loja.

    Ou porque o concurso público e a intervenção do Estado (governo) na segurança pública garante a impunidade dos arrastões em paradas de ônibus em toda a Brasília e regiões administrativas.

    Empregadas domésticas, técnicas em enfermagem, trabalhadores do comércio são assaltados nas paradas das Asas Norte e Sul de Brasília, às 6 h da manhã.

    E à noite, quando caminham nas quadras residenciais, ou no estacionamento da Caixa Econômica Federal, em plena luz do dia.

    A greve dos funcionários públicos deveria ser considerada como CRIME DE LESA MAJESTADE e, nos casos de morte em função de greves, de ASSASSINATOS PREMEDITADOS.

    Ou alguém tem dúvida se os militares não sabiam o que aconteceria?

    As forças do exército em Vitória deveria ter cercado os quartéis e prendidos TODOS OS POLICIAS MILITARES GREVISTAS.

    QUANDO O ESTADO COMETE CRIME CONTRA A HUMANIDADE é por “falta de condições de trabalho” ou de “salário baixo”.

    Mas são todos LIVRES PARA IREM VIVER SUAS VIDAS DO MODO QUE QUISEREM.

    MAS NÃO QUEREM, QUEREM ROUBAR E CAUSAR A MORTE justamente das pessoas cujas vidas juraram defender.

    As academias militares deveriam ensinar o arakiri.

    Se é que os “machos” para greve são machos …

  2. Rotular entre DIREITA E ESQUERDA ou de CAPITALISTAS E COMUNISTAS É UMA VISÃO ULTRAPASSADA.

    O Mundo não se divide mais dessa forma, mas a política Mundial está dividida hoje entre GLOBALISTAS E NACIONALISTAS.

    Nesse contexto, mais atual, o MBL atua contra o GLOBALISMO que é um movimento de UNIFICAÇÃO CULTURAL E UNIFICAÇÃO RELIGIOSA.

    O objetivo dos GLOBALISTAS é destruir o conceito de Pátria e substituí-lo por um conceito de UNIDADE GLOBAL. O discurso tem uma embalagem muito bonitinha, dizem que o Globalismo unifica a cultura e religião e acaba com as Guerras e disputas e divide a riqueza Mundial entre todos. O que é uma utopia ainda mais estúpida que as utopias Comunistas/Marxistas que deram origem ao HOLODOMOR e inspiraram o HOLOCAUSTO, originado na visão de UNIFICAÇÃO DE RAÇAS do maluco HITLER.

    Lutar contra o GLOBALISMO é uma tarefa difícil, já que a Imprensa Mundial (Grande MÌDIA) está absolutamente comprometida com esse projeto e as chamadas Minorias estão sendo usadas para lutar por valores desse movimento que sequer têm conhecimento. Essas mesmas minorias: NEGROS, MULHERES, LGBT E outros não terão qualquer benefício no MODELO GLOBALISTA ISLÃMICO, muito pelo contrário.

    O mesmo aconteceu com os IDIOTAS-ÚTEIS, minorias usadas por Lenin e Stalin para promover o comunismo, mas foram completamente descartados por seus ídolos comunistas.

    O GLOBALISMO ISLÃMICO já é uma realidade em vários países da África no Sudão onde Cristãos são proibidos de entrar no país e professar sua Fé, fato que levou Trump a querer barrar a entrada de sudaneses nos EUA, por serem considerados hostís ao país, como de fato o são.

    Mas, esse projeto de PODER GLOBAL vai muito além do Sudão, é óbvio, já é uma realidade na Nigéria, Niger, Somália e o Projeto de Poder Árabe visa conquistar toda a África em poucos anos, atualmente na África do Sul o movimento Globalista faz propaganda anti-cristã de forma sistemática, inclusive dando dinheiro a quem matar cristão por lá.

    O Irã onde a revolução ocorreu em 1979, cristãos ou quem não aceitasse o Islã foram enforcados, e o país lidera junto ao mundo Árabe a Jihad (Guerra Santa) que pretende dominar o Mundo exterminando Judeus e Cristãos.

    Bem, vários países como Síria, Iraque, Afeganistão e outros estão nesse processo e o Brasil
    é considerado um importante país, ao contrário do que pensam muitos por aqui. As esquerda são usadas no Ocidente para promover o GLOBALISMO e o dinheiro Árabe é muito bem vindo, os Petrodólares parecem infindáveis e o movimento cresce assustadoramente Mundo Afora, e o terror do ISIS (Estado Islâmico) é apenas uma distração, porque o terror assusta, mas a política das esquerda para implantar esse Projeto é ainda mais assustador.

    Nesse contexto, os movimentos Patriotas ou NACIONALISTAS que é o termo usado mundialmente, têm um papel fundamental no combate a esse projeto que pretende acabar com o MUNDO LIVRE.

    O MBL é apenas um desses movimentos aqui no Brasil e um dos mais eficientes, pois conta com uma boa organização e se cerca de uma rede de proteção com afinidades políticas, pois ninguém sobreviverá numa luta dessas de estiver sozinho, muito menos se não tiver uma rede de influência forte. Por isso, o MBL libera seus membros para atuar na Política, pois só assim é possível combater esse mal que se aproxima a cada dia no Brasil, mesmo parecendo invisível para alguns…

    Não se pode confundir GLOBALISMO (UNICULTURA e UNIRELIGIÃO) com a GLOBALIZAÇÃO (Comercio livre entre países e Blocos Econômicos).

    O Nome parecido traz muito confusão para sentidos tão diferentes, isso prejudica o entendimento de muitos.

    Todos os Movimentos estão sendo atacados, existe uma REDE que atua para desmoralizar os Grupos, e com o MBL será ainda mais forte quanto mais destaque tiver. Mas essa é uma luta que precisa ser vencida, ou não sobrará mais espaço para democracia no Mundo, caso o GLOBALISMO (que não se separa do Islã) vença!

  3. Coisas assim sempre me fazem recordar daquele personagem do filme Vestígios do Dia, Lord Darlington. Um autêntico cavalheiro inglês, cheio de boas intenções, que acabou sendo perversamente usado pelos nazistas em ascensão. Filme interessante. Honestamente, prefiro correr o risco da parcialidade (que pode ser corrigida ) a ser mordida duas vezes pela mesma cobra. Se Rodrigo e outros não tem memória, eu tenho.

  4. Política de Governo & Projeto de Poder

    1.
    Política de Governo:
    [por exemplo: roubar o BNDES. Não os funcionários do banco roubar. Nem os diretores etc. Mas a Política do Governo [do PT, é lógico — por acaso está escrito aqui na minha TESTA: otário?].

    2.
    E Projeto de Poder do PT (é lógico):
    Ficar no Poder infinitamente. Até 2030, seguido etc.

    Aquele papo furadíssimo que o PT é isso. Que o PeTê é aquilo.
    Picaretagens do tipo:

    – Que o PT é progresista.
    – Governo Democrático popular do PT
    – Que devemos mantê-los (o PT é lógico! rsss), pois assim mantemos as conquista do Governo do PT
    – Vamos votar na dilma, para manter “os avanços sociais e conquistas” ( não interessa. Não interessa se é ruim ou não, a dilma. O negócio é manter o “Projeto de Poder”).
    – Que PT é anti-burguês.
    – O PT é de esquerda (rssss)
    – O PT fez vários acertos.
    – Só o PT é bom (em um país com 34 partidos registrados)
    – Que você é ” Coxinha” (gíria sem nenhum EFEITO, paulista, do meio policial).
    – Que você é de “direita” (como se fosse palavrão).
    – Nosso problema econômico é uma “marolinha” (Lula).

    O PT
    se “acha”. É metido. Narcisista.
    Mas não passa de um partido brega.

    Eles são os bonzões. Os intelectuais (mas não passa de “inteligentinhos”).
    Mas se se vêem em uma SITUAÇÃO DIFÍCIL ou EMBARAÇOSA, vergonhosa divulgada (roubar, por exemplo), aí dão uma de vítimas. Fazem dramas, reclamam, dão uma de chorões (fiquem espertos! Tudo para te inibir de criticá-los. Para te PASSAR SENTIMENTO DE CULPA).

    Pois é…

    Esse é o real & verdadeiro PT.

  5. Infelizmente, o Rodrigo Silva tem razão nas críticsa que faz ao MBL. O movimento foi cooptado pelos tucanos e afins e hoje, ainda recém-nascido, já padece dos mesmos males da nossa classe política. Na verdade, o MBL e aqueles que o apoiam estão fazebdo verdadeiras acrobacias para negar o fato de que o Temer, que é um dos grandes parceiros de que o projeo criminoso de governo se valeu apra desgovernar,, esteja fazendo, com a maior desfaçatez, as mesmas, coisas que o Lula e Dilma faziam.

    Ai, que preguiça!

    • Mario, a sua frase: “Ai, que preguiça!” define sua análise:

      Você se entrega no final de seu texto. Sua análise é preguiçosa, sem qualquer pesquisa e sequer leu os textos e comentários completamente, fala bocejando para atacar os que estão trabalhando… talvez assim se sinta melhor, justificando a sua preguiça e incapacidade.

    • “negar o fato de que o Temer, (…)esteja fazendo, com a maior desfaçatez, as mesmas, coisas que o Lula e Dilma faziam.”

      o PT ADOROU teu comentário. pena que seja mentira.

      é sério mesmo que tu achas que as políticas do temer (reforma da previdência, do ensino médio etc.) são minimamente parecidas com as do PT????

  6. Lamentavelmente a esquerda é habilidosa e vejo todos os anti-petistas, conservadores e pessoas politicamente saudáveis em geral caindo na metira de que o governo Temer seria “tão ruim como os outros”.
    Temer não é o político ideal, mas é o MELHOR POSSÍVEL. Com todos os defeitos é Estadista perto de Dilma, Temer, Aécio etc.
    Alexande de Moraes é um dos maiores juristas do país, tem independência da política e financeira (só vendendo livros deve ter faturado entre 15 a 20 milhões de reais!!) e, pra mim, a indicação dele para o STF é um atestado de inocência de Temer.
    Entretanto, vejo todos os que lutaram pelo impeachment caindo como patinhos na narrativa de que o Alexande de Moraes seria um Toffoli ou um Lewandowski….
    E ainda cobram do MBL que embarque nesta mentira???

  7. Desculpa postar novamente, mas isto aqui é CHAVE para entender como a oposição ao PT é MANIPULADA pelo PT: “Enfim, é uma regra inventada pelos petistas, que adotam critérios mais rígidos para julgar seus adversários do que os critérios válidos para eles.”

    É exatamente isto: a oposição ao PT é MANIPULADA pelo PT e cobra do Temer com muito mais rigor e só por isso se tem a impressão de que Temer seria tão ruim quanto o petismo.

  8. Excelente, como sempre!

    Determinados esclarecimentos, notadamente quando estruturais, devem ser, além de bastante divulgados, compilados para uso nas campanhas eleitorais, carentes de viés ideológico bem fundamentado.

Deixe uma resposta