Duplo padrão: petistas que criaram "Lei Carolina Dieckmann" não querem que ela proteja Marcela Temer

5
186

Como sempre, os petistas demonstram possuir sistema moral similar ao de uma cascavel. Nunca defendem um valor moral pelo que ele é, mas pelo seu interesse particular. Não há certo ou errado, mas conveniente ou inconveniente.

Os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Luiza Erundina (PSOL-SP) foram os primeiros subscritores da “Lei Carolina Dieckman”. A lei visava proteger pessoas de terem suas intimidades expostas publicamente a partir de, entre outras coisas, crime de invasão de privacidade. Porém, quando a Justiça decidiu usar a lei para proteger Marcela Temer de ter seus dados expostos, a duplinha de deputados ficou contra.

Aliás, Kakay (advogado defensor de petistas, cujo nome é Antonio Carlos de Almeida Castro), também esperneou. Em 2012, porém, ele defendeu a atriz em processo.

A lei visa coibir a a ação criminosa de invasão de dispositivos eletrônicos “com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do titular do dispositivo”. Daí Paulo Teixeira cinicamente diz que “a ‘Lei Carolina Dieckmann’ procura prevenir crimes na internet.  São situações distintas. Uma coisa é o crime, que tem que ser punido. A outra é a informação de interesse público.”

Dá para compreender que “interesse público”, no léxico de Paulo Teixeira, é qualquer coisa que favoreça o PT. Ora, os critérios para definir “interesse público” não podem ser aleatórios. Ademais, punheteiros querendo ver as fotos de Carolina Dieckmann também poderiam alegar “interesse público”.

É bom que fique claro que eu não sou favorável a uma lei proibindo conteúdo, mas não sou como os petistas, que defendem uma regra para seus oponentes, e outra para os que não são adversários.

Acredito que não deveria existir censura de qualquer tipo, mas uma vez que existe uma lei, se ela protege Carolina Dieckman, deve proteger Marcela Temer. Quem não gostou da decisão que aplicou a lei (que resulta, sim, em censura), que busque revogar a lei.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Não entendo como não existem tantos haters do adevogado citado no artigo.

    O adevogado tira sarro da cara dos brasileiros informando que enquanto tá todo mundo achando ruim dos petistas ele está bebendo champagne em Paris, com dinheiro ganhado de PETISTAS que ele defende -> dinheiro esse SUJO, que a petezada roubou do povo e agora ele usa pra pagar os honorários dele.

  2. Comentando apenas sobre a referida lei, como todas as outras que temos ela só serve pra enfeitar o papel. O primeiro resultado de uma pesquisa no Google pelas fotos da tal atriz contém todas elas sem censura hospedadas no UOL desde pelo menos outubro de 2013. Em todo caso essa lei é inútil no nascimento, visto que tudo que foi criado e colocado na internet não pode mais ser apagado ou censurado. As fotos, vídeo e áudios da primeira-dama irão emergir cedo ou tarde, não duvide. A melhor forma de preservar a privacidade continua sendo não se expor, e sempre lembrar: colocou na internet? Então já era.

Deixe uma resposta