O socialismo só precisou de 12 anos para ter pleno sucesso e construir todo o totalitarismo desejado na Venezuela

14
181

Podemos visualizar, a partir do site Implicante, como o socialismo alcançou pleno sucesso na Venezuela. Por isso, o país está destruído, mas o governo totalitário tem cada vez mais poder. Este Nicolás Maduro é certamente um orgulho para o Pai Marx!

Veja o gráfico.

socialismo-seculo-xxi

Eis a análise do Implicante:

O gráfico acima, publicado na Economist, desenha bem o estrago feito pelo socialismo na Venezuela. Em azul, o PIB do país; em vermelho, a inflação. Uma primeira queda brusca já se observa justo em 2005, mas era difícil reclamar de um Produto Interno Bruto que crescia na casa dos 10%. Contudo, nenhum alerta foi acionado, mesmo na recessão visível em 2009 e 2010, afinal, tudo era culpa da crise americana. Todavia, salvo essa anomalia, a curva parece bem desenhado. E, doze anos depois, o que era um crescimento acima dos 15% virou uma ruína de igual proporção, com o adendo da hiperinflação, próxima dos 800%.

Creio que há um certo paternalismo nessa análise, pois observa as coisas pela ótica da “tentativa de acerto”. Logo, se o melhor resultado possível não ocorre, trataríamos apenas de “um erro”. Mas isso é crer em boas intenções do governo de Maduro, as quais jamais existiram.

O que importa para o socialismo é uma coisa e uma coisa apenas: a conquista do poder totalitário. A destruição intencional da economia de um país é parte inerente a esse processo.

O Implicante diz que “não foi por falta de alerta” que o país está colapsado, mas isso é acreditar na ideia de que os socialistas estão ouvindo esses “alertas”. É o mesmo que apresentar os ferimentos de uma vítima de tortura a um torturador e dizer: “não foi por falta de alerta, pois você sabia que ele iria sair machucado”. Mas quem disse que o torturador daria a mínima para esses “alertas”? O objetivo do torturador era machucar sua vítima mesmo.

Eis o que aconteceu na Venezuela: Nicolas Maduro, tendo aniquilado de propósito a economia de seu país, ainda está no poder, e não vai sair de lá tão cedo. Isso é tudo que importa para o socialismo: o poder totalitário. Nesse quesito, Nicolas Maduro seguiu o script direitinho. Agora cabe a nós evitarmos que um governo de extrema-esquerda desse naipe chegue de novo ao poder no Brasil.

Em resumo, o direitista paternal dirá: “Eu luto contra o socialismo por que ele fracassa”. O direitista crítico vai na direção oposta: “Eu luto contra o socialismo porque ele normalmente tem sucesso de acordo com seus reais objetivos”.

Anúncios

14 COMMENTS

  1. Qual é o problema em dizer que o socialismo fracassa? Socialismo fracassa como uma forma de governo benéfica para os cidadãos que vivem nessa sociedade, alguém tem problema em entender isso? Se os governantes socialistas afundam seu país por psicopatia, ignorância ou boas intenções (o inferno esta cheio destas) não tem relevância para a questão em si.

    O grande trunfo argumentativo da esquerda é o socialismo nórdico(Suécia, Noruega e Finlândia). Eles querem vender o sonho nórdico para nós, e de fato foi um argumento interessante uns 4 anos atrás, enquanto não estourava a crise dos imigrantes econômicos de George Soros. Pois é a esquerda precisa de eleitores, sejam eles nativos ou não, e é isso que vai arruinar a utopia socialista nórdica e ao mesmo tempo dar munição para a direita dizer mais uma vez que o socialismo NÃO DA CERTO PARA O POVO.

    • Cara, mas se a intenção original – subjugação da população via fome/violência/terrorismo e perpetuação no poder – foi atingida como você pode dizer que fracassou?

      • é só uma questão de ponto de vista. Socialismo é bom para a elite socialista e ruim para o povo. Se vc acredita que dizer que o socialismo da certo é uma retorica boa tudo bem, só gostaria de ver exemplos.

    • Admitir que o socialismo fracassa é deixar subentendido que ele é uma coisa boa mas que tem iteimosamente dado errado, deixando margem para pensamentos como “um dia pode dar certo” ou “quem sabe dessa vez não funciona?”.
      Ninguém em sã consciência admite que o autor do golpe do bilhete premiado falhou em fazer de sua vítima um milionário. Ele é tratado pelo que realmente é: um golpista. E nenhuma vítima desse golpe sai pensando que foi apenas falta de sorte, e que em uma proxima vez ele poderá ser contemplado.
      Da mesma forma está na hora de todos começarem a ver o socialismo com base no que ele realmente é: um modelo político/ econômico com objetivos exclusivamente totalitaristas e escracocratas.

      • Não Leonardo, socialismo fracassa porque é uma péssima forma de governo, só isso. Quem insiste no erro é burro (militantes e pessoal que vota na esquerda em geral) ou psicopatas que querem se aproveitar da burrice alheia para roubar grana.

        “E nenhuma vítima desse golpe sai pensando que foi apenas falta de sorte, e que em uma proxima vez ele poderá ser contemplado.”
        Analogia falha. Como comentei acima, todo intelectual esquerdista buscava ignorar o bolivarismo e focava no socialismo nórdico(e crise dos imigrantes a parte, todo mundo aqui gostaria de viver lá se tivesse chance). O bilhete premiado é baseado em uma realidade de primeiro mundo, embora as chances de serem implementadas aqui são quase nulas.

      • “O bilhete premiado é baseado em uma realidade de primeiro mundo, embora as chances de serem implementadas aqui são quase nulas.”
        Então você acabou de validar minha analogia com essa frase. Vender o tal “socialismo nórdico” por aqui é atuar exatamente como o golpista do bilhete premiado. Ele vende sabendo que não vai entregar o que vendeu.
        Além do mais, tudo o que eu ja li sobre esse “socialismo nórdico” é que ele é cheio de virgulas e “poréns”. A esquerda vende a idéia de que o bem estar social e riquezas destes países é fruto do socialismo mas parece que não é bem assim. Inclusive tem vídeo do primeiro ministro da Dinamarca desmentindo a afirmação de que este país é socialista.

    • “O grande trunfo argumentativo da esquerda é o socialismo nórdico(Suécia, Noruega e Finlândia). Eles querem vender o sonho nórdico para nós, e de fato foi um argumento interessante uns 4 anos atrás, enquanto não estourava a crise dos imigrantes econômicos de George Soros.”

      A Suécia e outros países nórdicos nunca foram um exemplo de socialismo que deu certo para o povo. A Suécia, por exemplo, entrou em crise acentuada já na década de 70 do século XX, em virtude do excessivo crescimento do Estado de bem-estar social, que só foi revertida com reformas liberais no final dos anos 90.

      Existem muitos mitos e desinformação sobre o assunto. Recomendo a leitura dos artigos citados abaixo para melhor esclarecimento:

      http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2210

      http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2548

      Eis alguns trechos do último artigo acima mencionado:

      “A Suécia enriqueceu quando seu governo era pequeno.

      Sim, até 1960, o tamanho do governo sueco — mensurado pelo volume de seus gastos em relação ao PIB — era menor até que o do governo da Suíça.

      Veja este quadro que mostra a evolução dos gastos do governo elaborado pela revista The Economist. Toda a explosão dos gastos do governo sueco (Sweden) aconteceu entre as décadas de 1960 e 1980. A social-democracia é uma consolidação da década de 1970.”

      “A principal lição, que já deve estar abundantemente clara, é que um estado de bem-estar social é uma receita garantida para o declínio. Sim, se o país adotá-lo quando já estiver rico, ele pode durar bastante tempo; mas ainda assim cobrará um preço claro em termos de crescimento econômico e renda per capita.

      O que talvez explique por que os estrategistas políticos e econômicos da Suécia passaram os últimos 25 anos tentando reverter e abolir algumas de suas políticas sociais.”

    • É isto mesmo, uma pena que o brasileiro não é muito habituado em estudar a história, pois se o fizesse, entenderia o método socialista, que foi implantado na Rússia e na China, onde o socialismo, nas mãos de um um Stalin, Mao-Tse-Tung, fez exatamente isto, conquistou em definitivo o poder pela fome, pela destruição, em Cuba, aconteceu da mesma forma, com sucesso pois até hoje os Castro são donos deste País, na Nicarágua, Ortega, após abrir mão provisoriamente do poder, voltou pelas mãos da democracia que eles amam até a tomada do poder, agora, não mais sairá, mudou a constituição e expulsou partidos opositores de participar de eleições. Depois quem vem e desmascara isto, é chamado de extremista de direita.

  2. Para se pensar.

    Se é assim, por que a China procura desenvolver sua economia ao invés de destruí-la?

    O ditador comunista romeno Ceaucescu perdeu o poder justamente quando, aí sim, provocou uma crise econômica na Romênia impondo um maior racionamento para pagar dívida externa do país, o que levou à revolução popular que o depôs e o executou. Ou seja, perdeu o poder exatamente quando causou deliberadamente uma crise econômica.

    Moral da história: a crise econômica não é desejada pelos socialistas, visto que pode lhes custar o poder se houver revolta maciça da população.

    Os socialistas querem, sim, implantar o totalitarismo, até para que o domínio sobre a população a impeça de se sublevar inclusive nas crises econômicas. Porém, os socialistas não promovem intencionalmente tais crises com vistas àquele domínio, pois sabem que nas crises tal domínio corre mais riscos.

    • Na URSS, durante a guerra civil pós-revolução entre “brancos” e “vermelhos”, uma grande onda de fome ocorreu causada por políticas do Estado soviético sob Lenin. Tal fato gerou revoltas, sobretudo no campo, e também militar, como a dos marinheiros que se encastelaram em Konstadt, as quais foram duramente reprimidas pelo exército vermelho liderado por Trotsky. Porém, ao perceber os riscos que tal crise de fome trazia para a estabilidade do regime, Lenin criou a NEP (Nova Política Econômica), que pareceu uma volta ao regime anterior, pois restabeleceu a pequena e média propriedade privada, sob o argumento de que o capitalismo deveria amadurecer para só após se partir efetivamente para a construção do socialismo. Ainda hoje há quem veja na NEP um reconhecimento de Lenin do fracasso do socialismo, o que não deve ser verdadeiro. Como Lenin morreu logo depois, levou para o túmulo o que realmente pensava. A NEP foi extinta anos depois por Stalin.

      Já a onda de fome na Ucrânia, gerada por Stalin, esta, sim, foi deliberadamente produzida contra a Ucrânia mas não em outras partes da URSS, porque Stalin via a Ucrânia como potencial pólo de insurgência nacionalista contra seu regime.

  3. Vou me apropriar de um pouco de ceticismo e perguntar: se o PT é tão totalitário quanto os venezuelanos no poder (e diversas medidas que a Dilma tentou ou conseguiu aprovar apontam de fato nesta direção), por que o Brasil não se tornou uma pátria bolivariana depois de 12 anos do partido? Chavez logo quando assumiu o posto tratou de tornar o país em um socialismo pleno.

    • Houveram tentativas nesse sentido. Muitas funcionaram (marco civil da internet, por exemplo), outras foram rechaçadas (estatuto do desarmamento [que embora, rejeitado, foi semi-implantado, mas não totalmente] e a lei de meios, por exemplo).

      Imagine se TODAS as propostas tivessem logrado êxito. Em 2015, a economia começou a degringolar. Dali em diante, tivesse tudo ficado nos conforme, hoje sequer vislumbraríamos um horizonte de melhora. Certamente já estaríamos batendo na casa dos 100% da inflação.

      As revoltas de 2013 também ajudaram a freiar um pouco a ânsia totalitária. Você não precisa, necessariamente, quebrar um país para controlá-lo. Mas se a insatisfação ficar grande, é uma saída estratégica, uma vez que, a energia das pessoas será direcionada para a sobrevivência, não para a política. Por isso cubanos não fazem uma revolta maciça, ao contrário dos norte-americanos.

Deixe uma resposta