McCain age como traidor e tenta constranger Trump por críticas a mídia

2
104

Poucos republicanos tem sido tão indignos quanto John McCain, um dos maiores traidores políticos da história americana. Em sua última presepada, ele deu uma entrevista à NBC na qual condenou os ataques de Trump à imprensa.  Pior: ele disse que é com críticas à imprensa que “ditadores começam”.

Ele prosseguiu: “Eu odeio a imprensa. Eu odeio você especialmente. Mas o fato é que precisamos de você. Nós necessitamos uma imprensa livre. É vital. Se você quer preservar – e eu falo muito sério agora – a democracia como nós a conhecemos, você precisa ser uma imprensa livre e muitas vezes adversária. E sem isso, eu temo que perderíamos muito de nossas liberdades pelo tempo. É assim que ditadores começam”.

McCain prossegue: “Eles começam suprimindo a imprensa livre. Em outras palavras, quando se olha a história da consolidação de poder, a primeira coisa que os ditadores fazem é calar a imprensa. E eu não estou dizendo que o Presidente Trump está tentando ser um ditador. Eu apenas estou dizendo que precisamos aprender as lições da história”.

Ótimo. Vamos aprender as lições da história.

McCain foi um dos candidatos mais frouxos da história republicana, apanhando de Obama em 2008, perdendo por 365 a 173 no Colégio Eleitoral. Uma desonra total. Ele apanhou de tal forma que perdeu toda sua dignidade, principalmente por não ter respondido os ataques. Ele conseguiu ser mais frouxo em 2008 do que Aécio contra Dilma em 2014. A derrota de McCain foi a derrota de quem não tem vergonha na cara.

Enquanto isso, a narrativa das fake news foi criada pelas entidades ligadas a George Soros para implantar o terceiro modelo de totalitarismo. Se McCain realmente estivesse preocupado com a democracia, estaria denunciando isso, e não os ataques de Trump à imprensa.

Atacar a imprensa não é atacar a democracia, assim como reclamar do molho do Big Tasty não é ser contra a liberdade de vendê-lo. McCain sabe disso e está desonestamente confundindo críticas à imprensa com propostas de seu encerramento ou ao menos censura. Mentira. Uma democracia considera tanto uma imprensa livre como o direito de alguém que é vítima de mentiras na mídia denunciar essas mentiras. McCain, que apanhou como frouxo, está bravinho porque Trump tem muito mais dignidade que ele. Trump apanha e bate. McCain apanhava e ficada de quatro, pedindo mais surra.

Está na hora de destruir definitivamente a reputação deste Sr. John McCain.

Anúncios

2 COMMENTS

  1. É exatamente o que parece, um traidor. O ataque do Trump à imprensa é como os ditadores começam – O McCain tentando blindar à imprensa dos ataques do Trump.
    A imprensa mentiu asquerosamente durante a campanha mas para o McCain isso é apenas democracia. O pior é que a imprensa continua em campanha contra o Trump com o mesmo jogo sujo. Para McCain é apenas democracia. O Trump tem que se defender e não está deixando barato para ninguém.

Deixe uma resposta