Eliane Brum estabelece um novo padrão de crueldade ao humilhar garota com câncer que usou turbante

24
237

Constantino fez uma excelente análise sobre a perversidade de Eliane Brum, que publicou uma carta aberta na qual pisa em cima da garota com câncer que virou assunto após ter sido atacada, em um metrô, porque estava usando um turbante. A moça foi acusada por militantes de extrema-esquerda de apropriação cultural e, mesmo após dizer que usava o turbante para esconder a cabeça raspada em virtude de seu câncer, continuou a ser alvo.

O Mal que se disfarça de Bem, como disse Alain Besançon, é o mais perverso de todos. A última prova disso foi uma “carta aberta” escrita por Eliana Brum à menina que usou turbante porque está com câncer e foi criticada por “negras de passeata”, alegando o ridículo conceito de “apropriação cultural”, escreveu Constantino.

E continuou:

Para Brum, ao usar turbante a menina opta por “viver violentamente”, desprezando a história do negro. Diante de tanta perversidade, travestida de humanismo, não há como não sentir profundo asco. Só não torcemos para que a própria Brum tenha câncer porque não somos como a esquerda, que vive a desejar o pior para seus adversários, tratados como inimigos mortais. É muita insensibilidade colocar o capricho ideológico de um turbante acima da angústia de uma menina com câncer. Quem é Eliane Brum para se arvorar a porta-voz dos negros? A elite culpada da esquerda caviar pensa que fala em nome dessas “minorias”, mas só fala em nome de seus próprios interesses e culpas, projetando nos outros aquilo que enxerga diante do espelho.

Sim, Rodrigo Constantino está certíssimo. Eliane Brum foi perversa ao usar seu poder de influência, seu alcance na mídia, para tentar transformar a verdadeira vítima em vilã. Esta é a face mais vil do fascismo cultural, é o que separa humanos de gente que finge ser humana. Basta analisar o conteúdo de toda essa situação para perceber que a extrema-esquerda achou razoável e até desejável expor publicamente uma garota que, com vergonha ou receio de expor a cabeça raspada, fruto de quimioterapia, usou um mero adereço de vestuário?  É como se os índios saíssem por aí espancando quem usa moicano ou arco e flecha.

A evidência cabal de que o fascismo cultural se tornou a própria mentalidade destas pessoas é que elas não tentam mais nem esconder a contradição. De um lado, defendem o multiculturalismo, de outro querem a pureza cultural, mas só para aqueles que, segundo eles próprios, são os “excluídos”. Eliane Brum inaugurou um novo nível de desonestidade e perversão!

Anúncios

24 COMMENTS

  1. Meu caro, eles também vão acusar os árabes de apropriação cultural por causa do turbante?, seria ótimo assistir essa raça esquerdopata tentando convencer o ISiS disso.

  2. Li a tal carta aberta em que ela vomita suas ideias abjetas, para defender um ponto de vista completamente distorcido e que culpa as pessoas brancas pela própria existência, afirmando que são violentas apenas por existir. Sugiro então que ela trate de corrigir a tal violência existencial começando por ela mesma. Poderia dar o exemplo tomando uma atitude e corrigir o fato que tanto a incomoda, se é que vocês me entendem.

    Esse tipo de vitimização só torna as coisas piores, ao invés de estimular uma auto suficiência e independência baseada na capacidade e superação, estimula a dependência e a eterna desculpa baseada em fatos lamentáveis de um passado distante.

    Antes falavam de dominação cultural, agora reclamam de apropriação cultural.
    Nenhuma cultura, teoria ou ideia pertence a alguém ou a algum grupo, a partir do momento em que são divulgadas são como penas jogadas do alto de um prédio.
    Quem quiser exclusividade sobre alguma ideia ou cultura a guarde para si.

  3. A estupidez cultural começou com as garotas no Trem, tendo sido agravada com a extremista e tambem medíocre Braum. Mal sabem elas que, o turbante foi criado na Pérsia antiga pelo povo branco da época. Portanto, não é adereço cultural da raça negra. povos miscigenados convivem num mesmo espaço, assim nada mais natural que, utilizem ou troquem peças culturais entre eles. A doutrinação é uma doença. DE QUE VALEM OS OLHOS, SE A MENTE É CEGA. QUE TRISTEZA BRAUM.

  4. Esse zé povinho, além de psicopatas ,medíocres e mesquinhos,não passam de um bando de ignorantes crassos da história , analfabetos funcionais , pretenciosos que tentam se arvorar de de nos da história através de deturpação e fraudes.

  5. Para Eliane Brum e toda esquerdopatada:

    NÃO PODE -> fiscalizar as suspeitas sob Lula, nem de nenhum petista.

    PODE -> fiscalizar o que pessoas comuns usam na cabeça.

  6. Qual é a cor dessa Eliane Brum mesmo?

    O movimento deveria acusá-la de “roubo de protagonismo” – mas sabemos que isso não vai acontecer. Aí é aplicar shaming pesado em cima do movimento e de Eliane Brum.

  7. Mais uma mamadora das tetas do estado. Mais uma parasita socialista que vive dos impostos de quem trabalha. Mais uma sangue-suga que encontrou na ideologia uma fonte de lucro. Mais uma “humanista” que se alimenta de cérebro humano. Mais uma “democrata” que não aceita a vontade das maiorias. Mais uma “libertária” que abona o julgo dos governos socialistas.

  8. Acredito que os cidadãos tinham que começar a divulgar o endereço desses animais para a população começar a fazer uma revolução com as próprias mãos. Assim esses animais vão começar perceber que em boca fechada não entra mosca.

  9. Uma vergonha o quer esta criatura fez. Com certeza num bairro chic, tem carro, frequenta os melhores restaurantes, toma os melhores vinhos e…..é o que chamo de esquerda de apartamento. Vivem distantes da realidade, hipócritas e falsos defensores dos negros.

  10. DESSAS MINORIAS????? somos 52% da população brasileira…. Os brancos é que são minorias aqui…… Na minha opinião CADA UM COLOCA NA CABEÇA O QUE QUISER….. Só nao pode colocar na mente dos outros o que acredita ser certo para todos.

  11. Não tem nada de inveja, é gente mal intencionada mesmo. O esquerdismo utiliza a mentira como método. Mentem o tempo todo tentando enganar as pessoas. E gente que mente não tem boas intenções. São psicopatas sociais. Utilizam qualquer método para destruir o outro lado, inclusive matar. Tem “mulheres” que odeiam homens e mulheres que gostam de homens. São poucas mas o que espanta é que essa panelinha infesta os jornais e revistas ganhando ampla visibilidade.
    Estamos aqui para isso, para desmascarar esses psicopatas sociais.

  12. É interessante ver como o post mais compartilhado sobre esse assunto é aquele da The Intercept Brasil onde a moça compara um louco viciado em carretéis ao movimento negro e seu preciosismo com seus acessórios, alegando que da mesma forma que o carretel é especial pro louco o turbante é especial pros negros.

    Aliás, nesse artigo ela não trouxe validação alguma pro seu argumento, não havendo conexão entre a viabilidade ética de um dever moral para que brancos não utilizem turbantes em favor de uma “Não-Apropriação Cultural”. Isso me inclina a acreditar que o movimento que sustenta essa narrativa realmente é tosco.

    Eu fui além desse texto e convido todos os interessados em informação relevante sobre o assunto a assistirem, pelo link: http://youtu.be/wjAnM1U3r5o

  13. Isso deve ser um verme. Me espanto esse lixo ter espaço na mídia. Micróbio deve ser ignorado. Pf Estadão, sou assinante e leitor a mais de 30 anos, Que nojo compartilhar com essa espécie.

  14. Eu que sou branca do cabelo crespo corro sérios riscos! Daqui a pouco vão querer raspar minha cabeça. Não posso chamar essa atitude de “demência” pois sei que isso é manipulação para atrair mais “otários oprimidos” para a militância.

Deixe uma resposta