DCM estraga a estratégia petista e faz post defendendo FHC de resposta de Doria

6
86

A melhor forma de observar a guerra política é pela ótica de seu inimigo. Isso deveria ser óbvio, pois é contra ele que você está lutando. Se o seu inimigo quer que você vá pela direção A, certamente o ideal é caminhar pela direção B, ou qualquer outra que não seja a direção A.

O fato é o seguinte: FHC está sendo humilhado nas redes após ter decidido atacar João Doria. O detalhe é que a linhagem tucana do tipo FHC é a preferida dos petistas, pois eles gostam de apanhar na mesma proporção em que os petistas gostam  de bater. Que outro mundo mais perfeito para um agressor existe do que aquele no qual se combate um adversário masoquista?

É por isso que os petistas estão lutando para que Doria não seja o candidato tucano em 2018. Precisam de um tucano que goste de apanhar. O detalhe é que o DCM entregou toda a estratégia petista no texto “Doria, Dallagnol, o MBL e a república dos moleques”, feito por Kiko Nogueira para o blog petista Diário do Centro do Mundo:

Lula chamou Dallagnol de moleque, mas quem anda merecendo o epíteto é o prefeito de São Paulo, João Doria.

Em tempo recorde, Doria foi inventado como político, eleito, traiu seu criador, se lançou à presidência e agora bate no velho prócer de seu partido, FHC.

Alkcmin conseguiu criar um monstro e não sabe mais o que fazer com ele. Um menino mimado cujas vontades não podem ser contrariadas.

Nos últimos dias, Fernando Henrique rifou Aécio e criticou indiretamente Doria sobre a possibilidade de ele disputar o Planalto em 2018. Geraldo Alckmin, em sua opinião, ainda é o cara. “Se você for um gestor, não vai inspirar nada. Tem que ser líder”, declarou.

Doria, que vinha negando essa possibilidade e reafirmando que o nome do partido é o de seu mentor, acusou o golpe, dando uma bandeira gigantesca de suas ambições.

“Respeito muito o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas eu só lembro que ele previu que eu não seria eleito nas prévias para ser candidato pelo PSDB. Apoiou outro candidato, o que não muda minha admiração. Ele mesmo já confessou que, quando comecei campanha para prefeito de SP, acreditava que eu não seria eleito. Venci as duas. Os dois primeiros prognósticos do FHC ele errou”, falou.

“Se mantiver a média de acertos nas suas previsões, Fernando Henrique vai pedir música no Fantástico”.

O MBL está fazendo campanha aberta para João Doria. Fez montagens grotescas do bate boca com FHC. O amigo dono da Ultrafarma, Sidney Oliveira, pagou placas no jogo do Brasil contra o Uruguai. A empresa é aquela que ganhou um merchã ridículo de JD numa reunião da prefeitura.

Segundo o Painel, a propaganda causou desconforto em aliados do governador. É preciso ser um ingênuo completo, na melhor das hipóteses, para crer que o alcaide paulistano não sabia de nada.

Alckmin acordou tarde demais. É o doutor Frankenstein interiorano, humilhado na festa de Lucilia Diniz quando seu filho de botox foi aclamado candidato à presidência.

A malcriação com Fernando Henrique vem do mesmo sujeito que ameaçou abandonar uma entrevista porque não gostou da pergunta e que chamou para a briga um folião no Carnaval — cercado por seguranças porque ele não é bobo.

Com seu estilo SS, o MBL é o grupo paramilitar perfeito para Doria. O país ganhou uma geração de moleques cheia de vontade de sair estraçalhando tudo e todos em nome da moral e dos bons costumes. Pequenos salvadores da pátria que não pouparão a pobre mãe gentil.

Precisamos interpretar tudo que está escrito aí em cima.

Defini o termo “frouxo político” para definir o papel de Aécio Neves durante as eleições de 2014. Ele se aplica mais do que nunca a FHC. Os petistas simplesmente demonstram que querem o frouxo político FHC em seu apoio, e que não querem ter Doria como o principal adversário.

Provavelmente, o DCM se precipitou ao sair em defesa de FHC. Deveriam ter dissimulado mais. Assim eles entregam o que todos nós já sabemos: estão bravos por que terão que disputar com Doria, que bate mais do que apanha, enquanto prefeririam um pupilo de FHC, que gosta de apanhar de petistas.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Eles continuam dizendo que os outros são o que eles mesmos são, hein? Moleques mimados são esses esquerdosos que, Deus meu! pensei que sumiriam com a retirada de Dilma do poder. Como é que continuam aí, fazendo estragos? Até quando?

  2. Se for o Dória o candidato, ele passará como um trator por cima do PT, como passou na corrida pela prefeitura. Ciro então, não dá nem para o começo! O Alckmin é até bom, mas fica sem reação quando apanha. Não sabe bater.

  3. “O país ganhou uma geração de moleques cheia de vontade de sair estraçalhando tudo e todos em nome da moral e dos bons costumes. Pequenos salvadores da pátria que não pouparão a pobre mãe gentil”

    Dois pesos e duas medidas: querem que a guerra política ofensiva só seja travada por eles.

Deixe uma resposta