Orgulho para o Escola Sem Partido: ONU ataca o projeto

10
234

Imagino que o Miguel Nagib deve ter ficado muito orgulhoso ao ser atacado por relatores da ONU, que enviaram um documento ao governo brasileiro para denunciar o Programa Escola sem Partido. Segundo a Jovem Pan, esses relatores disseram que, se aprovadas, as leis podem representar uma violação ao direito de expressão nas salas de aulas e uma “censura significativa”.

Conforme a matéria, a manifestação foi enviada ao governo de Michel Temer pelos relatores da ONU para Liberdade de Expressão, David Kaye, pela relatora para a Educação, Boly Barry, e pelo relator de liberdade religiosa, Ahmed Shaheed. Para os defensores da doutrinação, os dois projetos de lei que tramitam no Congresso podem representar uma “restrição indevida ao direito de liberdade de expressão de alunos e professores no Brasil”, com um impacto no ensino no País em diversos temas. Eles também disseram que as leis podem gerar “uma censura significativa”. Os três picaretas disseram que os projetos vão “restringir o direito do aluno de receber informação” e abrir brechas “arbitrárias” para que autoridades e os pais interfiram nas escolas.

Obviamente, nada disso é verdade, e o número de mentiras nas alegações dos embusteiros é significativo. Na verdade, dar ao aluno o direito de não sofrer abuso e coerção em sala de aula é uma luta contra a censura, ao contrário da censura hoje imposta por doutrinadores. Ao agir assim, a ONU viola os direitos humanos, pois veja o que está no Pacto de São José da Costa Rica, de 1969, da Convenção Americana dos Direitos Humanos:

Artigo 12 – Liberdade de consciência e de religião

1. Toda pessoa tem direito à liberdade de consciência e de religião. Esse direito implica a liberdade de conservar sua religião ou suas crenças, ou de mudar de religião ou de crenças, bem como a liberdade de professar e divulgar sua religião ou suas crenças, individual ou coletivamente, tanto em público como em privado.

2. Ninguém pode ser submetido a medidas restritivas que possam limitar sua liberdade de conservar sua religião ou suas crenças, ou de mudar de religião ou de crenças.

3. A liberdade de manifestar a própria religião e as próprias crenças está sujeita apenas às limitações previstas em lei e que se façam necessárias para proteger a segurança, a ordem, a saúde ou a moral públicas ou os direitos e as liberdades das demais pessoas.

4. Os pais e, quando for o caso, os tutores, têm direito a que seus filhos e pupilos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com suas próprias convicções.

Quer dizer, para a ONU os direitos humanos dos alunos e pais de alunos não tem valor algum. Dá para notar que estão agindo desonestamente. Tanto é assim que eles pediram evidências ao governo de que haveria doutrinação em salas de aula, mas essa é a essência do truque: quem tem que apresentar evidências de doutrinação são os proponentes do ESP, e eles já o fizeram em quantidades diluvianas.

É preciso exigir que o governo Temer rebata essa violação da soberania nacional tentada pela ONU. Se o assunto está no Legislativo, não é o governo Temer (do Executivo) que deve tratá-lo. Qualquer requisição direta à Temer é uma tentativa de fraudar a separação dos poderes.

Aliás, atualmente ser atacado pela ONU é sinal de que estamos no caminho certo, pois essa entidade tem apoiado praticamente tudo que não presta, sempre buscando violar as soberanias nacionais em nome de interesses mesquinhos.

Quanto ao Miguel Nagib, ele tem motivo para ficar orgulhoso, pois é rejeitado pelo pior tipo de gente que há: aqueles engomadinhos cínicos e desumanos que integram a ONU. Parabéns ao Escola sem Partido por mais esta honra!

Anúncios

10 COMMENTS

  1. A ONU foi acionada porque a ESP quebra a espinha dorsal do comunismo. Sem doutrinamento de crianças e adolescentes não se cria militantes para continuar. Por isso, a Escola sem Partido é um dos projetos mais importantes dos últimos tempos. Deve ser apoiado e divulgado. Nesse sentido, a iniciativa do hoje vereador Fernando Holiday, de fiscalizar o ensino nas escolas, é de extrema importância e deve ser seguida por outros. O Fernando Holiday incomoda tanto à esquerda que o PSOL pedia sua cassação faz pouco mais de um mês.

  2. A mesma ONU que considera a educação em Cuba excelente sem ver problemas na lavagem cerebral feita pelo regime comunista que obriga crianças a repetir todo dia antes de entrar nas aulas: “seremos como el Che”.
    A ONU é o grande reduto mundial de comunistas.

  3. Quem representa a ONU? Quais seus interesses? Certamente inconfessáveis! Viva a escola sem partido. Viva a matemática, as línguas, as ciências e a disciplina. Filosofia e ideologia na graduação, quando a pessoa já possui capacidade de pensar por si próprio. P. Mass

Deixe uma resposta