Blogueiro do DCM (petista) implora para que Doria não se candidate em 2018

2
155

Um tal de Joaquim de Almeida escreve uma típica “carta aberta” para o Diário do Centro do Mundo. Esse tipo de artifício é um dos clichês do site, que já escreveu “cartas abertas” para quase todos seus inimigos políticos.

Alguns trechos da carta:

“O senhor se apresenta como gestor, mas o que o senhor mais faz é política. Politizou até o plantio de uma árvore, ao insultar um ex-presidente da república. Pareceu-me que sua intenção foi polarizar com quem pode ser seu adversário numa disputa eleitoral para presidente.”

“O senhor não completou nem quatro meses de gestão e já pensa em Brasília. Não me parece à altura de um gestor, que deveria estar focado nos interesses e nos problemas da cidade de São Paulo.”

“O senhor também processou o colunista Ibrahim Sued e um jornalista responsável por uma publicação especializada em turismo. Já como prefeito, se irritou com perguntas de jornalistas do Valor sobre as doações que a prefeitura tem recebido de empresários […]”

Agora é só mapear os truques de Joaquim de Almeida.

  1. Ele é contra a politização das atividades, o que é apenas a execução da cidania, independentemente de alguém ser um político profissional tradicional (o que Doria não é). Ao lutar contra a politização, Almeida apela ao fascismo de Mussolini, que visava impedir a atuação politica das pessoas.
  2. Ele não quer que Doria se candidate em 2018 e usa para isso a chantagem emocional. Na verdade, existindo uma conclamação, Doria deveria se candidatar sim. Quem define isso é o povo. Que os petistas venham selecionar adversários é mais um sinal de que Doria é o candidato ideal para tirar a extrema-esquerda do poder.
  3. Por fim, ele é contra que Doria contra-ataque as mentiras ditas por alguns jornalistas contra ele. Ao pedir submissão às mentiras e aos assassinatos de reputação, Almeida age como os piores censores idealizados por Orwell. De novo, fascismo.

Ou seja, todas as demandas do petista Almeida são demandas fascistas.

Por fim, o jornalista petista diz que pediu uma entrevista ao prefeito, mas não obteve retorno. Doria fez bem em deixá-lo no vácuo. O prefeito já deve ser avisado em peso que se cair na armadilha, entrará no jogo de alguém que enviou uma “carta aberta” em público, ou seja, estabelecendo um relacionamento de guerra. Assim, não faz mais sentido que Doria dê qualquer entrevista ao petista.

Em relação ao “jornalista do DCM”, basta que quaisquer pessoas que se posicionem contra o projeto totalitário do PT o refutem. Não é momento de Doria se preocupar com as baratas.

Anúncios

2 COMMENTS

  1. Desculpe, mas não dá para liberais e direitistas apoiarem o Dória. Ele não é liberal, ele não é direitista, ele é social-democrata.
    Por quê? Porque o Dória é desarmamentista, defensor de pautas da ideologia de gênero como o banheiro trans (mais uma escada para as aberrações empurrarem isso nas escolas igual na Suécia), é a favor a imigração em massa, financiou campanhas do PT, dá multa de 100% para sonegadores enquanto foi um sonegador do caralho boa parte da vida, se apropriou de terrenos públicos, tem relações comerciais próximas com os Clinton dando a entender que o “sou 100% Hillary” dele não partiu de um desconhecimento político como tanto afirmam, e ao contrário do que os que caem em propaganda acreditam, ele não é um empresário de sucesso pois não possui nenhuma grande empresa.

    Dória nada fará para defender nossa soberania na Amazônia combatendo a política de demarcação de terras indígenas por ONGs e a ONU.
    Dória é o PSDB e o PSDB é o Dória. PSDB é o partido social-democrata que nasceu junto com o PT e que colocou o Brasil na era do globalismo durante os anos 90, assinando todo tipo de acordo com a ONU e abrindo caminho para o Estatuto do Desarmamento, política de direitos humanos defensora de marginais e menores que seria implementada no governo do PT. Na verdade, o PT é só uma continuação do PSDB. FHC mesmo já declarou que a diferença entre ambos era meramente administrativa.

    Dória é ainda pior que o FHC.

Deixe uma resposta