Mulher antifa vai à Turquia com namorado muçulmano, mas é agredida e estuprada

29
166

Lucy MacAuley é conhecida por participar de organizações de extrema-esquerda em Washington D.C. Ela chegou a participar do Projeto Veritas que tentou (e não conseguiu) praticar disrupção durante a posse de Trump.

Ela se tornou obcecada pela narrativa da ajuda aos “refugiados sírios”. Chegou a alegar que o Islã é uma religião de paz. Não demorou para ela se apaixonar por um turco islâmico que a levou para a Turquia, onde controlou todos os seus movimentos, passou a agredi-la e por fim estuprou.

Em seu blog, Lucy conta que caiu de amores por “um ativista carismático e energético” que ela conheceu em novembro de 2016. Ela conta que tudo era uma bela mistura de história de amor e ativismo: “ele disse todas as palavras certeiras para me convencer que se importava com os direitos das mulheres e ativismo”.

Em Fevereiro, viajou com ele para a Turquia. Tudo parecia lindo e maravilhoso nas primeiras duas semanas. Parecia até filme da Julia Roberts.

A coisa começou a complicar quando Lucy decidiu entrevistar uma nativa muçulmana para um artigo sobre refugiados sírios. Ele não aprovou. Lucy diz: “Ele conhecia a mulher e não gostava dela, então ele me proibiu estritamente de falar com ela. Após questionar por suas razões, ele bradou e furiosamente saiu do quarto para fumar um cigarro. Eu fiquei ali parada sem saber o que fazer. Claro, como uma mulher ocidental, ninguém jamais tinha me proibido de falar com qualquer pessoa. Foi uma sensação estranha: eu não tenho uma boca para falar? Por que não posso utilizá-la como quiser?”.

Foi a partir daí que ele passou a controlar cada menor ato de Lucy. Ela conta: “As coisas começaram a deteriorar rapidamente. Sua infantilidade e insegurança pioravam a cada dia. Nas semanas seguintes, eu fui empurrada e impedida de sair livremente, e repetidamente avisada para não falar com as pessoas. Se eu falasse com alguém, era imediatamente interrompida.”

Ela passou a ser ameaça de ser queimada com cigarros. O namorado apontava objetos pontiagudos diante de seu rosto.

O sexo passou a ser forçado: “Sexo não consensual? Estupro? Se tornou cotidiano. Ele não queria mais saber se eu estava a fim ou não. Por várias vezes, ele desligou meu wifi e mentia a respeito da conexão de rede, o que é uma forma moderna de gaslighting. Ele me criticou verbalmente por usar a mídia social, meu elo principal com o resto de minha vida que ficou nos EUA, e tentou me desencorajar de utilizá-la. Ele me forçou a cortar a amizade com um homem turco no Facebook, e queria que eu abandonasse muitas outras amizades”.

Por fim, Lucy foi presa pela polícia turca por que era uma jornalista ocidental. A coisa complicou para ela quando ela tentou entrar em uma manifestação pública pelo presidente turco. Ela já foi libertada.

O resto do post mostra que Lucy continua em negação, e até dizendo que não entende o que aconteceu com o seu namorado e por que ele a tratou dessa forma. Ela ainda acredita que há “um ativista” no interior dele. Então tá.

Enquanto isso, Lucy luta fortemente para implementar um totalitarismo de esquerda nos EUA, talvez para jogar sobre os americanos o mesmo infortúnio que ela passou na Turquia.

Anúncios

29 COMMENTS

  1. A reportagem me deixou, deveras, preocupado! Se ela vivendo ao vivo e a cores a experiência ainda “acha” que está tudo certo… Que ele é um ativista e tal… Ela que é culta, educada, preparada… Então, imaginem as mulheres pobres e analfabetas daqueles países… Quanto ao Ocidente, com um povo formado por pessoas como a tal jornalista… Estamos perdidos! Ela vai acabar confirmando, sendo estrupada, todos os dias que o Islã é a religião do amor! Que Deus tenha misericórdia!

    • Esse tipo de mulher parece que tem uma espécie de fetiche em querer ser estuprada por esse tipo de homem. O comportamento dessa mulher me lembra as de atrizes pornográficas que, por mais esteja fazendo uma cena asquerosa, ainda assim acham que é bom.

  2. Kkkkkkkkkkkkkk Esse é o domínio quase total desse cancer. O socialismo sendo defendido e pintado com lindas cores nas escolas e universidades em todo o ocidente transfotmou a população em uma legião de aliendos que cospem no próprio prato, largam suas famílias pra se tornarem fantoches da desgraça humana.”tenho boca pra que?” Agora é só pra lamentar todas as vzs que foi estuprada.

  3. TURCO!!! TUUUURRRRCCCCOOOO!!! Esse bando de “refugiados Sírios” que aparecem na Europa e Américas é uma meia dúzia de famílias sírias em fuga, CERCADA DE RECRUTAS TURCOS, pra cometerem atentados e estupros.
    Perigo não é o Assad, é o assassino do Erdogan.

  4. Isso me lembra o nosso Brasil, e as dezenas de casos onde padres e pastores estupraram crianças, meninas e meninos. O Cristianismo ocidental pode ser tão destrutivo quanto essas religiões orientais, ao fim das contas.

    • É verdade… os seminários formam estupradores e abusadores… realmente foi esse o legado de Cristo: Ide por tudo o mundo e fazei estupradores em todos os povos.

    • Você eh um apedeuta, o problema não eh o cristianismo, seu energúmeno, onde há ser humano haverá crimes, agora onde há muçulmanos há a desgraça da humanidade, querem conquistar o mundo e odeiam o acidente, eh hora de declarar guerra mundial ao islã

    • É serio que Vc conseguiu encontrar semelhanças entre desvios de alguns padres católicos e a pratica habitual, e nada velada, de violência e estupros cometidos contra mulheres no islã?

    • A diferença é que a religião católica condena esses atos em seu livro sagrado, a Bíblia, enquanto o que o namorado dela fez é incentivado e ensinado no livro sagrado do islã, o alcorão.

  5. Fernando, primeiro que o catolicismo é um tipo de cristianismo desviado cheio de heresias. Não é o verdadeiro cristianismo que Jesus Cristo pregou. De amar o próximo como a si mesmo.
    Segundo que cristão de verdade morre em nome de seu Deus e não mata. Como Jesus que deu a sua vida em favor de muitos. Leia a Bíblia que verás que o catolicismo não tem nada de Cristianismo pregado por Jesus.

  6. Este foi o exemplo “microscópico” da relação esquerda/islamismo : a esquerda incentiva e trabalha para trazer o islamismo para sua casa (Europa/USA) com o intuito “humanitário” sendo que a própria esquerda sabe que a missão é usá-los para destruir o Ocidente , mas quando chegar a hora certa serão destruídos impiedosamente por eles. É uma forma suicida de aplicar um Cavalo de Tróia contrasigo mesmo.

  7. Achei muito bem feito, esse tipo de gente tem que sofrer muito para aprender, esses esquerdopatas não dão valor a liberdade, igualdade e demais direitos assegurados pela sociedade Ocidental, vivem endeusando o comunismo, o islamismo e outras idiotices, e parece que mesmo quando sentem na pele seus efeitos e sua realidade medieval, parecem não querer o braço a torcer e admitir o lixo em que se metem. Guerra ao islã, guerra ao comunismo!
    Precisamos garantir a sobrevivência de nossa sociedade.

  8. BEEEEEM FEEEEIIIIITOOOOO!! É tão estúpida e vaidosa, que ainda não admite que foi estuprada por um MUÇULMANO, que foi viver num país MUÇULMANO com leis MUÇULMANAS. E olha, que dos países muçulmanos é um dos menos MUÇULMANO!!

  9. O resto do post mostra que Lucy continua em negação, e até dizendo que não entende o que aconteceu com o seu namorado e por que ele a tratou dessa forma. Ela ainda acredita que há “um ativista” no interior dele. Então tá.

    Essa parte é totalmente inverdade. Basta ler o texto do Blog dela, ela não diz nada disso. Ao contrário, ela diz que nunca mais quer vê-lo e diz estar profundamente triste por outras mulheres mulçumanas não terem a sorte dela de poderem escapar de mulçumanos como ele.
    Por favor né, façam críticas, mas sem inventar lorotas.

  10. BEM FEITO MIL VEZES!! O ditado é antigo, mas cai muito bem aqui: “Quem se mistura com porcos, farelos comem!!”. É isso que irá acontecer com todo aquele que der crédito para muçulmano, der guarita, estender a mão. Porque eles só se preocupam com eles mesmo, e nada mais. E esta esquerdalha irresponsável, suicida adora fazer isso. Alia-se a um monstro, tão somente porque Israel lhes dá combate, e agora Trump.

Deixe uma resposta