Universidade DePaul censura poster LGBT para proteger sentimentos islâmicos

9
173

A Universidade DePaul proibiu uma organização de estudantes de usar posters dizendo “Gay Lives Matter” para promover um evento no campus.

A coordenadora Amy Mynaugh disse à fraternidade Turning Poing USA que tal pôster não poderia ser exibido na DePaul sem “colocar em confronto dois grupos marginalizados”. Isso foi escrito via e-mail, portanto não pode ser escondido.

“Não parece que a Turning Point possui qualquer conexão com o movimento Black Lives Matter e deixa a impressão que isso é simplesmente uma tentativa de cooptar outros movimentos”, disse Mynaugh no e-mail. “Utilizar mesmo logo e marca do BLM coloca dois grupos marginalizados um contra o outro”.

Mas há um detalhe adicional: a Turning Point buscava utilizar os posters do “Gay Lives Matters” para anunciar um evento chamado Ditaduras e Islã Radical: os Inimigos dos Direitos LGBTQ. A organização convidou Jamie Kirchick, uma jornalista – cujo trabalho já foi publicado em órgãos como The Daily Beast, The Foreign Policy Initiative e Tablet Magazine – para falar do assunto.

As informações são do Daily Caller.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. “Não pode colocar o cartaz, para não ferir os sentimentos do muçulmano!”

    Mas nós cristãos, tivemos que aguentar essa merda, pois os gays tinham direito, “direito das minorias!”
    E quantas passeatas teve contra a igreja, para ser conseguir isso!

    Mas agora, entre as duas “minorias”, iram escolher a que tem mais dinheiro, né!

    Isso não é preconceito de muçulmanos? Acho que seria! ” Há… Ferir sentimentos do muçulmano!…”

    Quem vê pensa, que são um povo, sentimental!

    Os cristão não teve essa conversa! Tivemos que engolir!

    • Vai com tudo, pode trocar os cristãos pelos islâmicos, não vai ter problema já que o islamismo é a religião da paz, pode confiar, amiguinho

      • Mas é por aí mesmo. Deixe os grupos enfrentarem as ameaças reais, e eles vão voltar implorando perdão pras “maiorias marginalizadas”. Safe Spaces, Trigger Warnings e PC destruíram dias gerações.

  2. A Universidade DePaul é uma universidade católica de Chicago. Mesmo assim, há alguns meses, ela proibiu um cartaz semelhante, produzido por um grupo de estudantes republicanos com a frase “Unborn Lives Matter” (Vida não nascidas importam). Acontece que ambas as decisões não foram tomadas para proteger sentimentos islâmicos (nem fariam sentido no segundo caso, já que católicos são contra o aborto), mas porque os cartazes usam o mesmo estilo do logo do movimento Black Lives Matter, que é um movimento constituído nos EUA. Ou seja, ambos os grupos pegaram a marca BLM e produziram cartazes com o mesmo estilo de letra e logo mudando apenas a primeira frase. Esses cartazes especificamente é que foram censurados – e não para proteger sentimentos islâmicos, mas por uma questão de direitos autoral e propriedade intelectual.

    • Por isso eu tiro duas coisas:
      1) BLM não é um movimento de direitos civis, é uma organização comercial
      2) Vidas de negros são as únicas que podem importar, o resto não tem direitos a reivindicar.

      Pode isso, Arnaldo?

Deixe uma resposta