O que fazer após a renúncia de Michel Temer?

8
68

Após a delação da JBS, o governo Temer decididamente acabou. Incapaz de ter disputado narrativas durante todo o seu mandato, ele não tem como resistir ao impacto da revelação de que tentou obstruir a Justiça para manter Eduardo Cunha em silêncio.

Não há outra opção para ele que não a renúncia. Aguarda-se que ele entregue o boné até amanhã. No mínimo.

O que resta para a direita?

Basicamente, precisamos lutar para que nenhum político de extrema-esquerda seja eleito indiretamente pelo Congresso. Ao mesmo tempo, precisamos exigir que a direita tome vergonha na cara e comece a agir em bloco.

Temer não será protegido por nós. Mas é preciso de união e o mínimo de tutano para não deixarmos uma escória composta de gente como Ciro Gomes, Marina Silva ou até Lula chegar ao poder agora.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Concordo, Ceticismo, é hora de união. Mais, quem achou que essas delações de hoje dariam um jeito nos petistas, santa inocência… Quem pensou que eles finalmente reconheceriam a imparcialidade da Lava Jato, a validade das delações premiadas, o trabalho competente da PF e estivessem dispostos a reconhecer os seus erros, dançou: dê uma olhada no que dizem os blogs esquerdistas a respeito disso, é estarrecedor. O nível de doença dessa gente é algo inacreditável.

  2. Ponderações sobre Temer

    1-Temer foi,é e sempre será um político sem projeto algum de nação.
    2-Temer viveu a política de compadrio e de elo contínuo com o poder (todos) à vida toda.
    3- Temer por destino chegou à presidência da República.Mas de que lhe vale (valeu?) o cargo se não possui a acuidade moral,cultural e intelectual para implementar um verdadeiro projeto de nação?
    4-A ausência do perfil de Estadista foi uma constante em Temer.
    5-Temer se considera imortal.No alto dos seus 76 anos,não admite a necessidade urgente de
    praticar atos de Estadista.
    6-Temer ao promover “reformas parciais” apenas empurra o caos generalizado para um pouco
    adiante da atualidade.
    7-Temer sempre optou pelo patrimonialismo.
    (…)

    Resumo da ópera: Alguma novidade de Temer estar envolvido em atos de corrupção?
    Ora,isso é o histórico de uma vida politica desde sempre.

    Ponderações sobre a sucessão de poder

    1-O momento conjuntural do Brasil é histórico.É um “ponto de inflexão”.Ou toma o rumo da sensatez ou o caos generalizado se instalará.
    2-O risco da tomada do poder pela canalha padrão (FHC,Lula,Aécio,Serra,Ciro Gomes,Marina Silva,Alckmin e o mais novo embusteiro,João Doria) é altíssimo.
    Toda a classe política,jurídica,empresarial estão dominadas e a serviço de pílhar o país.
    3-Se os militares não fossem “verdes por fora e vermelhos por dentro”,a intervenção cívica constitucional seria a opção mais sensata.
    PS-Como disse,tudo está entrelaçado e dominado.
    4-O Brasil sempre foi,é,e será programado (de fora para dentro) para rumar à inviabilidade irreversível como nação.
    PS2-Tempo para consertar (?) isso? Com governo de Estadista,no mínimo,30 anos.
    PS3-Isso se a grande massa da população repleta de imbecis coletivos,materialistas-existencialistas,ambiciosos por Estado gigantesco provedor de assistencialismo sem fim (e sem gerar a devida contrapartida da economia geradora),o conluio entre o Estado e mega empresariado (economia fascista),corrupta,rentista,…,forem impedidos de exigirem esse sistema auto-destrutivo.

    (…)

    O tema,é de tal complexidade que não tem fim.
    Brasil: a “fatura” da insensatez chegou!!!

  3. O que eu acho: isso foi tudo uma armação, o cara da JBS armou uma arapuca pro vampirão e ele caiu feito tonto. Isso fortalece a velha narrativa esquerdista de que ”são todos corruptos”, e abre caminho pra uma eleição indireta, coincidentemente num momento em que a prisão do chefão Lula é questão de tempo. Precisamos ficar muito atentos nos próximos dias, um golpe coletivo dos políticos pra salvarem a si mesmos me parece bastante possível.

Deixe uma resposta