Partido de Macron arrebenta nas eleições da França e dá exemplo do que a Rede pode fazer no Brasil em 2018

4
72

O ILISP fala sobre a vitória do partido de Emanuel Macron, que teve vitória esmagadora nas eleições legislativas francesas, obtendo ampla maioria para governar. O partido Republique En Marche, criado pelo próprio Macron, terá ao menos 70% do parlamento francês, uma maioria absoluta.

O Front Nacional, de Marine LePen, ficará com apenas 5 assentos. O Partido Socialista foi exterminado, ficando com no máximo 15% do parlamento.

Macron deverá ter apoio suficiente para implantar as reformas para aumentar a doutrinação escolar, abrir ainda mais as fronteiras e ceder de vez ao globalismo, o que, aliás, é o serviço para o qual ele foi contratado.

Podemos estender essa análise ao Brasil, uma vez que processo similar pode acontecer com a Rede, que, mesmo sendo de extrema-esquerda, está cooptando muita gente e pode aparecer com Joaquim Barbosa para presidente.

Em uma época em que vários nomes que nada tem a ver com a sobrevivência da Lava Jato – como Edson Fachin, Rodrigo Janot e outros membros da elite jurídica nomeada pelo PT – estão sendo alçados à categoria de “pessoas acima da crítica” apenas por serem parte de uma narrativa dizendo que “se você não os apoiar, é contra a Lava Jato”, a tendência é que essa elite jurídica de extrema-esquerda use o capital político advindo da narrativa para esse novo projeto de poder.

Claro que há  diferenças entre o Republique en Marche, que é da esquerda globalista, e o Rede, que é de extrema-esquerda. Mas o surgimento de uma força com base em uma falsa “novidade” é bem provável no cenário atual.

Assim como no caso do partido de Macron, muita gente de direita pode votar num partido esquerdista. Em todo caso, é bom ficar de olho na Rede.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Macron promete implantar também várias reformas liberais, como a reforma trabalhista, diminuição no tamanho do estado e pagamentos de pensões. Do ponto de vista econômico, acredito que será muito melhor do que o Hollande. Ganhou muitos adeptos de centro-direita com isso.

    • Impressionante como esses liberais aceitam tudo em troca de uns trocadinhos. Pouco importa pra esse povo se o sujeito seria aplaudido de pé pela Luciana Genro de tão progressista que é, se falar umas duas ou três palavrinhas a favor do livre mercado, ser um progressista vira um mero detalhe insignificante.

      Não é a toa que os liberais tinham orgasmos com FHC e Clinton nos anos 90.

      • Tragam dois troféus para esse homem: um pelo brilhante comentário, e outro caso os liberais digam que o primeiro troféu é roubo, porque foi pago com o dinheiro do contribuinte.

        Sou a favor do livre mercado também. Mas essa mentalidade liberal, ou melhor, anarcocapitalista travestida de liberalismo, é imbecil ao extremo. São tão idiotas úteis, quanto os pelegos da CUT, só que pior, porque não enxergam o desserviço que fazem a favor da extrema-esquerda.

  2. Será que o NOVO não poderia cumprir este papel? Em minha opinião, o NOVO estaria na melhor posição de convencer a população, já que desde o começo têm tentado desvincular sua imagem à imagem do político típico.

Deixe uma resposta