Ao contrário de Janot e Fachin (nomeados), Sérgio Moro, o verdadeiro herói da Lava Jato, é concursado

3
507

Foi com grande decepção (não para mim, claro) que o povo brasileiro teve acesso a gravações divulgadas pela Revista Istoé mostrando dois procuradores da República reclamando das perseguições do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a adversários e políticos.

Como diz a matéria, “as gravações colocam em suspeição as denúncias recentes do procurador Janot, que rejeita a preferência do planalto por sua adversária na PGR, Raquel Dodge”. Clique aqui para ler a reportagem na íntegra.

Abaixo estão os áudios:

Isso é gravíssimo e coloca sob risco muitas atitudes recentes de Rodrigo Janot.

É claro que é legítimo que se tente derrubar Michel Temer – assim como tentar derrubar qualquer presidente, embora o mais legítimo seja o processo legal de impeachment -, mas apelar a Rodrigo Janot é o cúmulo.

Alias, vamos a uma regrinha básica: pessoas nomeadas para órgãos como STF, PGR, AGU e MPF por pessoas de extrema-esquerda nunca são confiáveis. Essa regra não admite exceções.

Surpreendentemente, algumas pessoas da direita andaram apoiando ultimamente Janot, Fachin e até mesmo o acordo de impunidade aos irmãos JBS.

Para defender todas essas atrocidades, alguns espertalhões disseram que ficar a favor de Janot, Fachin e do acordo de impunidade para a JBS era “ficar a favor da Lava Jato”. Criou-se a falácia ad lavajatum. Porém, nós nunca dependemos dessas figuras nomeadas pelo PT para que se fizesse justiça.

A Lava Jato, gostem ou não, é representada por uma pessoa: Sérgio Moro. E ele possui uma diferença vital em relação a Fachin e Janot: ele é concursado.

Moro não dependeu de nenhuma indicação de petista (ou de alguém de qualquer outro partido) para ocupar sua função, bem ao contrário de Janot e Fachin, que só ocupam seus cargos por terem sido escolhidos por petistas.

É por isso que não nos surpreendemos com a vergonha que foi o acordo que deu impunidade aos irmãos JBS e, do mesmo modo, não nos espantamos com esse áudio. E isso é só o começo.

Em tempo: me informam que Rodrigo Janot prestou concurso para procurador. Sim, é verdade, mas não para PGR. O cargo PGR não é preenchido por concurso, mas por nomeação. Por isso ele não tem a mesma legitimidade de alguém que não dependeu de político algum para ocupar sua posição de poder.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Por mais que eu admire Moro, não acho prudente ancorar nossas posições em uma pessoa, por melhor que ela seja, pois sempre podemos nos surpreender.
    Sérgio Moro deve seguir fazendo o seu trabalho utilizando toda sua técnica e experiência. A nós, cabe seguir nossa luta na guerra política.
    Por mais que o trabalho de Moro ajude a direita, certamente a direita e justiça lutam em campos distintos.

    • A começar por essa demora em relação ao 9 dedos. Outros, por muito menos, já foram julgados e condenados. Não acho que Moro esteja do lado do Molusco, só que é de estranhar – e de pressionar Moro por isso – disso não tenho dúvidas.

      Outra coisa interessante de se observar: Moro não cometeu nenhum erro (processual ou político) em relação a outros condenados; mas com Lula permitiu aquela atrocidade dele convocar 87 testemunhas. e quando tentou rebater, tomou outra invertida do TRF.

      Desde esse caso, tenho sido mais cético em relação ao juiz Sérgio Moro. Devemos apoiá-lo, mas não incondicionalmente. Ele também precisa lembrar que está sendo vigiado e cobrado, e não só apoiado haja o que “hajar”.

      Ceticismo acima de tudo!

Deixe uma resposta